Pular para o conteúdo principal

JOÃO DÓRIA JR. E SUA OMELETE POLÍTICA


Os baianos mais elitistas, que geralmente vivem no entorno do Corredor da Vitória, área nobre de Salvador, e viajam para Vilas do Atlântico, em Lauro de Freitas, conhecem João Dória Jr. pelos seus programas de TV.

Na TV Bandeirantes, entre 1990 e 1992, o hoje prefake era apresentador do programa Sucesso, de entrevistas com pessoas da alta sociedade, entre socialites, empresários, famosos e outros "bacanas".

Cerca de 25 anos depois, o apresentador que nem era muito popular e só falava para as elites é responsável pela vida de toda a população de São Paulo, na condição de prefeito da cidade.

De repente, João Dória Jr. virou "popular" por causa de uma estranha fórmula.

A fórmula da campanha midiática contra o Partido dos Trabalhadores, sob o pretexto do "combate à corrupção".

E aí veio o discurso da "anti-política", reunindo supostas qualidades como competência administrativa e moralidade.

Como numa ironia do destino, o apresentador que falava para os granfinos passou a ser o favorito para suceder o ex-ministro dos governos petistas, Fernando Haddad, depois prefeito da capital paulista.

E aí João Dória Jr. foi eleito com uma campanha que tinha uns risíveis apelos populistas.

O então candidato era visto tomando café de bar popular e comer pastéis e coxinhas de frango, sem esconder seu desconforto e mal-estar.

Ele enfrentava ônibus lotados e mostrava a carteira de trabalho.

Queria parecer mais "povo" do que o Lula, que tem no ABC paulista seu domicílio político.

Mas seu contexto era outro, dentro das estranhas demandas que passaram a ter no establishment sócio-político.

Eram aqueles paradigmas de tecnicidade, objetividade, imparcialidade, transparência e moralidade, muitos deles falsos, mas que empolgavam uma boa parcela de brasileiros nas mídias sociais.

Os mais conhecidos são as propostas da reforma trabalhista e reforma previdenciária, defendidas pelo governo Michel Temer sob a desculpa de desburocratização, mudança da expectativa de vida dos brasileiros e aumento de emprego.

A mídia hegemônica anuncia estas reformas sob um discurso de racionalidade que faz os brasileiros médios dormirem.

E, no caso do Rio de Janeiro, ainda que sob falência estadual, sairem pelas ruas como se fossem caçar borboletas, sorrindo como se fossem crianças felizes passeando pelo bosque.

Mas estamos falando de São Paulo. Que foi o Rio de Janeiro ontem, no sentido de ditar padrões de vida e comportamento para o resto do país.

Se bem que o Rio de Janeiro que herdou tal função já havia sido "paulistanizado" nos anos 90, com a jovempanização das rádios (sobretudo Jovem Pan Rio e Rádio Cidade) e a essebetização da TV aberta (afiliadas do SBT, Record, Bandeirantes e Rede TV!).

E aí São Paulo, nas mãos de João Dória Jr., teve, pelo menos, dois grandes desastres.

Um foi a repressão a um ponto de consumo de crack, atrapalhando os trabalhos de assistentes sociais que, com muita cautela tentavam educar os frequentadores a abandonar o vício.

Com a repressão policial, traficantes e consumidores migraram para uma área residencial, dobrando a quantidade deles e oferecendo risco aos moradores da área.

Outro foi o programa Acelera São Paulo, que aumentou os padrões de velocidade nas avenidas marginais.

Só neste ano, foram 16 mortes por atropelamento. O antecessor Haddad havia reduzido os padrões de velocidade, com redução de atropelamentos e mortes.

E ainda teve a truculência de Dória Jr. ordenar que moradores de rua fossem acordados com jatos d'água, o que causa choque térmico e psicológico, já que o ato assusta quem está dormindo.

Diante dessas "realizações", não compensadas com atitudes realmente positivas, João Dória Jr. fez de São Paulo uma grande província.

E aí João Dória Jr. viajou para Salvador para divulgar seu projeto político aplicado na capital paulista e receber o título de Cidadão Soteropolitano das mãos do prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto, o ACM Neto.

Os dois estavam acompanhados do secretário de Governo do presidente Michel Temer, o ex-governador da Bahia, Antônio Imbassahy, no evento ocorrido anteontem à noite na Câmara Municipal.

Antes de chegarem à casa legislativa, os três, que tentavam cumprimentar a população, foram alvo de um grande protesto.

De repente, João Dória Jr. foi atingido por um ovo jogado por um manifestante.

Em Salvador, pelo menos, o pessoal protesta contra o governo Temer e seus associados.

Pode até haver gente em clima de contos de fadas, como se vê nas ruas do Grande Rio, mas não com a intensidade que se vê nas ruas cariocas e de cidades da região.

Pode ser um ato exagerado, nos padrões das normas sociais, jogar um ovo numa autoridade política.

Mas o cenário político brasileiro mostra o quanto as autoridades que estão no poder também fazem suas "omeletes políticas".

Os retrocessos sociais e políticos também são um ataque de ovo no povo brasileiro e a "ovada" em João Dória Jr. simboliza a devolução do que os políticos "moderados" estão fazendo com a população.

É, portanto, uma reação pequena, porém bastante simbólica, a esse período sombrio que vivemos atualmente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…