Pular para o conteúdo principal

TRAGÉDIA DE MARIANA E A SORDIDEZ DO BRASIL DE HOJE


O Brasil está na lama.

Numa semana em que a conservadora revista Veja é usada pelo assassino da musicista Mayara Amaral, Luís Alberto Bastos Barbosa, para fazer coitadismo, mais uma "pizza" sai do forno nas mãos da Justiça.

A Justiça Federal suspendeu o processo contra 22 pessoas, entre elas funcionários da Vale, Samarco e BHP Biliton, acusados de homicídio por não terem evitado a tragédia de Mariana, Minas Gerais.

A maior tragédia ambiental do Brasil aconteceu em 05 de novembro de 2015.

Uma barragem localizada na área do Fundão, em Mariana, se rompeu e a lama tóxica soterrou o distrito de Bento Rodrigues, além atingir 40 cidades mineiras e capixabas e parte do Oceano Atlântico.

19 pessoas morreram no desastre que comoveu o Brasil. Uma forte contaminação deixou as áreas arrasadas, cuja recuperação ambiental será lenta e muito cara.

A decisão foi dada pelo juiz federal da cidade de Ponte Nova, também em Minas Gerais, Jacques de Queiroz Ferreira.

Ele acatou as ações dos defensores de dois acusados, o diretor-presidente licenciado da Samarco, Ricardo Vescovi, e o diretor-geral de Operações, Kleber Terra.

Eles pedem a anulação do processo alegando que a obtenção de informações através da quebra de sigilo telefônico é considerada "prova ilícita".

A decisão judicial deixou os movimentos sociais e as famílias das vítimas da tragédia bastante aflitos.

Temem que o caso termine em impunidade e que as vítimas condenadas ao abandono e ao descaso.

Um membro da coordenação nacional do Movimento dos Atingidos por Barragens, Joceli Andrioli, afirmou que a justiça trata o povo "como bobos".

"Estamos estarrecidos de ver essa completa inoperância da Justiça. Parece de fato que a tendência é se fazer vista grossa em relação a grandes empresas que cometeram o maior crime social e ambiental dos últimos tempos", afirmou Joceli.

Joceli acrescentou que existem provas que vão além das conversas telefônicas, mas estas são suficientes para a condenação dos responsáveis pela tragédia.

Thiago Alves, integrante da comissão de atingidos de outra cidade afetada, Barra Longa, diz que o clima vivido pela população é de indignação e descrença com a Justiça.

Mesmo assim, ele pretende cobrar do Ministério Público Federal medidas para reverter a decisão do juiz federal.

O Brasil vive uma grande catástrofe institucional e social, num contexto em que as elites expressam profundos preconceitos sociais.

Se até religiões "espiritualistas" estão pedindo para as pessoas "amarem o sofrimento", é sinal que a coisa está feia.

Os privilegiados sociais estão expressando abertamente machismo, racismo, ódio de qualquer espécie, descaso e até defesa de retrocessos sociais.

Uma parcela da sociedade está defendendo até a sobrecarga e o aumento da jornada de trabalho, com baixos salários até em tarefas insalubres ou de outros riscos.

A sordidez está generalizada, vinda daqueles que pareciam mais importantes, competentes e conceituados das elites brasileiras.

Mesmo assim, a "boa sociedade" parece ainda teimar numa felicidade que só é a deles.

Teria sido necessário que a lama da barragem de Mariana tivesse se transferido para o Rio de Janeiro e São Paulo, com seus efeitos trágicos, para que as pessoas se conscientizassem do drama social que vivemos?

O tempo hoje não é para flutuar nas nuvens, porque isso é como viajar na maionese. O tempo é de reflexão e busca de ações para derrubar esse país apodrecido dos últimos tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…