Pular para o conteúdo principal

"POPULAR DEMAIS" E A MÍDIA OLIGÁRQUICA


Um grande erro dos intelectuais progressistas foi aceitar a utopia do "popular demais" produzida pela mídia empresarial.

Quem tem menos de 60 anos de idade acabou caindo na falácia de que a breguice dominante comandaria a revolução social do Brasil.

Se esqueceu de que nem toda abordagem "alegre" do povo pobre é positiva.

Há muito de caricatura, de estereótipo e de um perverso processo de idiotização cultural.

Durante anos as esquerdas engoliram o mito da "pobreza feliz" achando que isso era sinônimo de triunfo das classes populares.

Era o contrário: era a aparente resignação de uma parcela de pobres sem instrução que passaram a servir ao espetáculo hipermidiático.

Era a sociedade do espetáculo sob o rótulo de "cultura das periferias".

Um discurso que parecia prevalecer de maneira monolítica, sem qualquer contraponto.

Intelectuais "bacanas" que monopolizavam o circo da visibilidade, aplaudidos por plateias lotadas até quando espirravam, tinham despistado seus próprios contrapontos.

Barrados nos cursos de pós-graduação, outros intelectuais, mais próximos das visões de Umberto Eco, Jean Baudrillard e outros, tinham acesso dificultado pelo banquete da visibilidade.

O debate era para ser unilateral, com a intelligentzia falando de breguice como se fosse a "revolução cubana em marcha" nos subúrbios brasileiros.

O contraponto que ficasse falando para meia-dúzia de pessoas em páginas pouco populares na Internet.

Dessa forma, os intelectuais tidos como "muito legais" num país de profundo anti-intelectualismo, quiseram sufocar os debates sobre cultura popular.

"Frilas" da mídia venal, o desvínculo com a mídia hegemônica os fez com passe livre até para serem contratados pela mídia esquerdista e lutar na trincheira rival.

Era uma forma de garantir que, mesmo com regulação da mídia, as abordagens culturais da mídia hegemônica prevalecessem mesmo no âmbito das esquerdas.

Muitos caíram na armadilha, na boa-fé, e agora se tem a ressaca de uma bregalização que imobilizou o povo e deixou Dilma Rousseff ser expulsa do poder, afastando a resistência das classes populares, divertidas com a "livre expressão do mau gosto".

Ficou o rastro de uma farsa que as esquerdas preferem não debater, temendo réplicas da direita histriônica.

Mas a verdade é que o mito do "popular demais" mostrou sua raiz ultraconservadora, que foi abafada pelo discurso dos intelectuais "bacanas".

Ela veio de uma construção, de uma concepção de "classes populares" desenvolvida pelo coronelismo midiático regional em parceria com as oligarquias midiáticas de São Paulo.

Essas relações têm paralelo com as relações econômicas que o latifúndio tem com as indústrias e os centros de distribuição localizados no Estado de São Paulo.

Através do ideal do "brega", o coronelismo midiático desmontava a cultura popular, de forma a transformar o povo pobre numa multidão confusa de resignados com a miséria e envergonhados de si mesmos.

Um público que digeria uma mistura intragável de provincianismo rural e suburbano e a colonização cultural imposta "de cima", pelas emissoras de rádio e TV.

O povo pobre virou refém de seus próprios defeitos, enquanto passava a ter baixa auto-estima e sentir vergonha do legado cultural de suas comunidades.

Em contrapartida, era convidado pelas programações de rádio e TV "populares", mas controlados por oligarquias, a desejar o "luxo" da "cultura estrangeira", dos valores elitistas, "remodelados" pela estética brega.

A lógica Roberto Campos aparecia: "cultura popular" desenvolvida de maneira dependente ao estrangeiro e com material obsoleto vindo de fora.

Velhos boleros vendidos como "novidade" em 1964, quando os EUA sentiam os primeiros sinais de psicodelia.

O povo pobre servindo de "depósito de lixo" para os "bens culturais" que as elites não queriam mais.

Entre 1964 e 1979, a grande mídia desenvolveu uma concepção (sim, um conceito!) de povo pobre, bem mais caricatural que o das chanchadas do cinema dos anos 1940 e 1950.

Por incrível que pareça, a Rede Globo esteve de fora do processo. Mas, a partir de 1985, aderiu com muito gosto ao desmonte da cultura popular brasileira.

Um precedente ocorreu em 1964, quando Assis Chateaubriand, o "velho capitão"  que comandou a "Rede da Democracia" que veiculava textos do IPES-IBAD contra João Goulart, botou um programa popularesco num canal que deveria ser educativo.

Pois a TV Cultura, na sua pouco falada fase nos Diários Associados, entre 1960 e 1969, havia lançado, em 1964, o programa O Homem do Sapato Branco, com Jacinto Figueira Jr..

Um programa sensacionalista, sem qualquer relação com as finalidades educativas. Talvez até caísse bem na TV Cultura de hoje, aparelhada pelo PSDB.

Conta-se que o "popular demais" teria sido oficialmente inventado pela TV Tupi de São Paulo.

A bregalização, orquestrada pelo coronelismo midiático do interior do país e de São Paulo em geral, se ampliou pela emissora do "condomínio associado", já que Chatô não administrava a Tupi de 1960 a 1968, quando faleceu.

Nos anos 1970, a breguice virou padrão através da TV Tupi, da Rede Record, que deixou para trás seu apreço à MPB, e da TV Bandeirantes.

Animadores como Sílvio Santos, Edson "Bolinha" Cúri, Raul Gil e Barros de Alencar também viraram, na prática, porta-vozes de um "ideal brega de vida" para as classes populares.

A Globo ainda era sofisticada, se comportando como uma resposta não-esquerdista da TV Excelsior.

O grande problema é que, no começo do século XXI, o historiador Paulo César de Araújo, inclinado a manipular a História da música brasileira, tentou inverter as coisas.

Ele tentou creditar o brega como "revolucionário" e a MPB como "servil à ditadura militar".

Araújo, blindado pelas Organizações Globo, vendeu seu discurso para as esquerdas, o que chegou a dar o resultado esperado.

O passado de mídia oligárquica foi posto debaixo do tapete e a breguice passou a estar na pauta das esquerdas, de maneira equivocada.

A falácia de que o "mau gosto popular" era um desafio para o poder das elites reacionárias pegou muita gente desprevenida.

Mas a pegadinha "ativista-etnográfica", feita sob uma retórica "pós-tropicalista", estabeleceu um preço caro.

A breguice dominante nunca foi repudiada pela mídia venal e a Globo cada vez mais abraçou a causa da breguice, que contribuía para anestesiar o povo pobre num entretenimento falsamente vendido como "ativismo sócio-político-cultural".

O "funk", que poucos admitem sempre ter sido blindado pela Globo, foi o carro-chefe desse cardápio estranho, que desmobilizava as classes populares de maneira sutil.

Afinal, desmobilizava as classes populares dando a impressão de que elas "já estavam se mobilizando" com o entretenimento.

Daí a armadilha: em vez do povo pobre discutir seus direitos e garantias, foi jogado ao espetáculo da breguice, como crianças aconselhadas pelos pais a se afastarem da sala para brincar no quarto.

As elites piraram: "melhor um pobre rebolando do que lutando por reforma agrária".

A intelligentzia refinou a falácia com mentiras: "para que lutar por reforma agrária, se o rebolado era a 'reforma agrária'?".

Só que a armação foi longe demais. O povo foi desmobilizado, a classe média de direita se articulou, o PT saiu do poder e a intelectualidade "bacana" que tentava "guevarizar" o brega ficou sem sua graninha da Lei Rouanet.

Sem as verbas do MinC, a intelectualidade "bacana" foi chorar pela gorjeta cancelada.

Não esperavam que o MinC fosse naufragar tanto, achavam que, com o povo anestesiado pelo brega, era possível manter o governo petista mesmo sob a castração cultural das classes populares.

O soneto brega saiu pior do que a emenda e o "funk" pariu o governo Michel Temer.

Se esqueceu, também, que a "cultura" brega encontra afinidades viscerais nas reformas do governo Temer.

O subemprego dos camelôs, que a retórica brega definiu como "criatividade popular", é na verdade um dos aspectos da reforma proposta pelo temeroso presidente.

As solteiras idiotizadas, as prostitutas reféns de seu ofício, os idosos que só têm o álcool como diversão, os pobres, envergonhados com as próprias raízes, sonhando com o luxo de "noviorque", todo esse ideal vendido como "progressista" antecipava os retrocessos do governo Temer.

O próprio Temer tem pinta de cantor cafona à maneira dos bregas de 1960-1964. Quase um misto de Waldick Soriano com Nelson Ned.

A bregalização do Brasil, portanto, castrou demais o povo pobre e fez as forças progressistas perderem o poder.

Agora, o jeito é a intelectualidade que lutou por um Brasil brega, pelo menos, retomar o vínculo com a mídia oligárquica, se não quer ficar sem uma boa remuneração.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…