Pular para o conteúdo principal

SOB A DESCULPA DE "PERDER O PRECONCEITO", OS PRECONCEITOS AUMENTARAM

CANASTRÕES MUSICAIS, CHITÃOZINHO & XORORÓ AGORA SÃO VISTOS COMO "GÊNIOS" DA MÚSICA BRASILEIRA.

Sob a desculpa do "combate ao preconceito", os preconceitos culturais, que supostamente seriam eliminados com o discurso da aceitação forçada do brega-popularesco, tornaram-se ainda piores.

O preconceito não se volta à música de qualidade duvidosa, mas à música de reconhecido valor.

Os mais jovens passaram a ouvir junk food musical, como aquela criança que não quer comer salada, pedindo para comer só fritura.

Lendo o livro A Tolice da Inteligência Brasileira, de Jessé Souza, posso aperfeiçoar meus questionamentos sobre a supremacia da breguice musical no Brasil.

Foi preciso o sociólogo obter visibilidade com este e outros livros para percebermos a cilada que os intelectuais "bacanas" deixaram o Brasil sucumbir culturalmente.

Aquela choradeira de "combate ao preconceito" às expressões musicais e comportamentais de gosto duvidoso, que atraíam grande público - não sem a pressão do poder midiático, que patrocina os ídolos "populares demais" - , não resolveu os problemas reais do preconceito social.

Pelo contrário, a pregação insistente pela aceitação do brega criava aberrações que nem as esquerdas eram capazes de assumir.

Enquanto, no mundo "real", a bregalização era defendida por periódicos de esquerda, num proselitismo trazido por intelectuais alienígenas ("educados" pela mídia venal), como Pedro Alexandre Sanches, nas redes sociais essa mesma bregalização era defendida por sociopatas.

Isso criava uma interpretação surreal: se lermos apenas o que a intelectualidade "bacana" - tida como "legal" num contexto de anti-intelectualismo predominante - publica, vamos supor que, nas redes sociais, os mal-educados sociopatas são fãs dos refinados Bossa Nova e Clube da Esquina.

Isso não tem sentido lógico: eu mesmo pude conferir que os sociopatas ouvem "funk", axé-music, "sertanejo" e o que vier de brega-popularesco que faça muito sucesso.

Em 2005, enquanto os hoje "coxinhas" Zezé di Camargo & Luciano eram o prato principal do cardápio proselitista oferecido às esquerdas, trabalhados sob suposta imagem "humanista", nas redes sociais os sociopatas patrulhavam com cyberbullying quem contestava a dupla.

A questão do "popular demais", que muitos ainda hoje supõem ter derrubado preconceitos sociais muito grandes - o que não faz sentido, porque depois desse "combate ao preconceito" vemos manifestações preconceituosas ainda mais abertas - remete ao "culturalismo".

Jessé Souza questiona o "culturalismo" como um processo de manipulação social baseado num maniqueísmo que leva sempre as elites sócio-econômicas em grande vantagem.

Ele analisa esse discurso que coloca o "espírito", associado a ideias como "racionalidade" e "moralidade", em contraponto com o "corpo", associado a ideias como "emoção" e "sensualidade".

Analisando e problematizando esse maniqueísmo, Jessé aponta contrastes como a divinização do "mercado", associado ao "espírito", e a criminalização do Estado, associado ao "corpo".

"O "espírito" é o lugar das funções nobres e superiores do intelecto e da moralidade distanciada. O "corpo" é o lugar das paixões sem controle e das necessidades animais", escreve Jessé em A Tolice da Inteligência Brasileira.

Dentro desse maniqueísmo, que se torna a base do pensamento elitista brasileiro a partir de Sérgio Buarque de Hollanda, Raimundo Faoro e Fernando Henrique Cardoso, a intelectualidade "bacana" adestrada por este último segue o mesmo discurso.

A única diferença desses "filhos de FHC" que, no entanto, tiveram sua obsessão em atuar no campo adversário das esquerdas, é que há uma inversão de abordagem, como numa "carnavalização" do discurso.

Eles acabam criminalizando as "elites cultas" e divinizando o "popular demais".

Mas isso cria uma série de problemas e impasses, e a intelectualidade "bacana", não raro, acabava reafirmando os preconceitos que dizia combater.

O principal deles é a glamourização da pobreza e a espetacularização da imagem caricatural do povo pobre, "infantilizada" e "imbecilizada" pelo mercado "popular demais" difundido por veículos "populares" que, no entanto, pertencem a grupos oligárquicos dominantes.

Há também um desvio de foco, vergonhosamente publicado em páginas esquerdistas, contrastando suas pautas relacionadas aos movimentos sociais.

Isso porque, nas editorias política, econômica e social, a mídia de esquerda mostra o povo pobre como corajoso, batalhador, insubmisso, nada ingênuo e bastante inteligente e articulado.

Chega a editoria cultural e o povo pobre vira outra coisa: uma multidão ingênua, tola, medíocre, precária e infantilizada, que vai como gado para o local onde o "ídolo do momento" está sendo apresentado.

Nada mais preconceituoso que isso, embora houvesse o clamor choroso de "combater o preconceito", como se aceitação qualquer nota (e bastante cheia de preconceitos) fosse "ruptura de preconceito".

Durante muito tempo esse discurso foi visto como "progressista", pela imagem supostamente positiva e agradável que se fazia sobre as classes populares.

Mas isso permitiu que as elites se sentissem fortalecidas por causa da imagem infantilizada difundida sobre as classes populares e a exaltação de ídolos comerciais marcados pela mediocridade artística e cultural.

Uma prova que a intelectualidade "bacana", com sua ideologia do "popular demais" e da "cultura transbrasileira" estava afinada com o "culturalismo" das elites do atraso era a forma divinizada que os EUA e o "deus mercado" era difundida até mesmo pelo dito "bom esquerdista" Pedro Sanches.

A bregalização era a esperança de que os valores pop - símbolo lúdico da supremacia midiática dos EUA - iriam "modernizar" a provinciana música brasileira, da mesma forma que o "mercado" era visto como provedor de carreiras sustentáveis que sobrevivam à efemeridade de modismos.

Outra prova é que esse discurso, cujos exemplos pioneiros incluem Milton Moura e Paulo César de Araújo, nunca inspirou qualquer repúdio da mídia venal, que difundiu a bregalização com maior intensidade ainda.

O "funk", por exemplo, ganhou visibilidade e prestígio pelo apoio convicto de pessoas não lá muito progressistas: Xuxa Meneghel, Luciano Huck, Alexandre Frota, Susana Vieira, Juliana Paes, Danilo Gentili.

Também, o ritmo inspirado no miami bass da Flórida anti-castrista não deveria ser, realmente, o símbolo de "esquerdismo cultural" que tão tendenciosamente se difundiu.

O proselitismo que ocorria paralelamente ao carnaval da mídia venal - que também difundia o "popular demais" triunfante no embalo dos barões da grande mídia - gerou um efeito bastante danoso.

Os mais jovens passaram a ter um preconceito terrível contra a música de qualidade, que definem como "chata", "complicada" e "insuportável".

Nomes que simbolizavam as baixarias musicais dos anos 1990 hoje são vistos como "geniais" e "respeitáveis", como Chitãozinho & Xororó, Alexandre Pires, É O Tchan, Raça Negra e até o cômico Grupo Molejo.

A mediocridade musical que marcou a década noventista agora é tida como "genial" e, pasmem, mais intocável do que qualquer medalhão do establishment da MPB.

A crítica musical também ajuda, superestimando aspectos técnicos e profissionais dos ídolos neo-bregas (bregas pseudo-sofisticados) como se isso fosse "reconhecido valor artístico".

Não é. O que os ídolos da geração brega dos anos 1990 tiveram foi uma cosmética visual e musical, tornando-se apenas "apresentáveis", como se, parafraseando um comercial da NET, fizessem um som "tipo MPB".

Isso não resolve problemas como o comercialismo extremo, a canastrice artística ou mesmo a qualidade musical, que só fica "mais digestível", como se música fosse um mero produto e não uma expressão pessoal de uma pessoa ou grupo.

Mas, para o público mais jovem, que não acompanhou os grandes eventos culturais e só os conhece, quando muito, de terceiros, não tem essa percepção.

Para eles, não há diferença entre um nome do Clube da Esquina e um neo-brega "sertanejo" dos anos 1990.

Isso complica na hora de apresentar nomes mais substanciais da música brasileira. Já tem gente reagindo a isso, perguntando: "está na trilha da novela da Globo"?

Isso também revela o vínculo do "popular demais" com o poder midiático, apesar de todos os esforços ideológicos da intelectualidade "bacana", que faz serviço free lancer para os barões da mídia atuando na trincheira oposta, em afirmar o contrário.

Sanches, ao entrevistar o documentarista Chico Kertèsz - filho de outro usurpador das esquerdas, o astro-rei da Rádio Metrópole FM, Mário Kertèsz - , tentou definir a axé-music como um movimento que "nasceu" sob o carlismo e o tucanato e "acabou petista".

Grande erro. A falácia de Sanches em dizer que a axé-music se "estatizou", escondendo práticas tipicamente plutocráticas de seus intérpretes, acusados de "pejotizar" músicos de apoio e dançarinos, era apenas pretexto para incluir os axézeiros na Lei Rouanet.

A axé-music continua tão privatista quanto antes, como se fosse uma McDonald's da música baiana.

Agora que enfraquece de tão repetitiva, a axé-music é que tentou recorrer ao apoio estatal, coisa que, aliás, a Globo, Folha e Abril também recorriam para socorrer seus veículos.

O "popular demais" se consolidou e hoje nós temos o ultracomercialismo musical com Anitta, Luan Santana, Jojo Toddynho, Marília Mendonça, Simone & Simaria e outros.

Todos sintonizados com o pop estadunidense e até se entrosando com alguns ídolos do comercialismo pop mundial (também devotos da "religião da Billboard").

Isso em nada favoreceu a cultura brasileira de verdade, que agora é que sofre o verdadeiro preconceito por parte das gerações mais novas.

Estrangulada pelo boicote do mercado e pelo descaso da mídia, a MPB sobrevive em eventos saudosistas e na velha autorreverência que mais parece ser um réquiem para si mesma.

Ninguém contradisse a tempo a falácia do "combate ao preconceito" que defendia a aceitação submissa a formas preconceituosas de abordagem do povo pobre.

O proselitismo da intelectualidade "bacana" só fortaleceu o poder midiático que patrocinava o "popular demais".

A intelectualidade "bacana" invadia as redações esquerdistas, sendo até contratadas por elas, para impor seu IPES-IBAD pós-tropicalista em prol do "funk", do "sertanejo", do tecnobrega etc.

Isso enfraqueceu os debates culturais e só aumentou ainda mais os preconceitos que atingem o povo pobre, cada vez mais humilhado pela mídia venal.

É irônico que o propagandista dessa ideologia, Pedro Alexandre Sanches, teria entrevistado Jessé Souza, sendo o farofafeiro um discípulo do "culturalismo" contestado pelo sociólogo.

Mas também entrevistar Souza não traz diferência ideológica. Até O Globo entrevistou Jessé. E Miriam Leitão já entrevistou muito esquerdista.

O "racismo culturalista" mencionado por Jessé Souza apenas comprou um quilo de farinha para fazer farofa-fá.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

SÉRGIO MORO DESAFIOU O PODER DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

O juiz da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, o ídolo midiático Sérgio Moro, parece não ter gostado de ver o Supremo Tribunal Federal tirar de suas mãos alguns processos que envolvem o ex-presidente Lula.

Na verdade, nunca foi da competência de Moro comandar qualquer processo jurídico contra Lula.

E aqui não se fala em "competência" como "incapacidade", embora Moro use métodos juridicamente discutíveis para conduzir ou coordenar investigações.

Fala-se em "competência" no sentido jurídico, ou seja, em "responsabilidade por um caso".

Em outras palavras: como um juiz de Curitiba vai investigar supostos crimes que teriam sido feitos no Estado de São Paulo?

Há muito tempo o Estado do Paraná se separou de São Paulo, lá pelos idos de 1853, portanto, cem anos antes do surgimento da Petrobras, alvo da Operação Lava Jato.

O Supremo Tribunal Federal decidiu que alguns casos supostamente envolvendo Lula passem à responsabilidade da Justiça de São Paulo.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

O CAMINHO QUE DERRUBOU UM MEMBRO DA ABL MERVAL PEREIRA NELA ENTRAR

HUMBERTO DE CAMPOS, O ESCRITOR USURPADO POR OBRAS FAKE E MERVAL PEREIRA, O JORNALISTA FAKE QUE ENTROU NA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS.

O Brasil é um país doente.

Acha que está assumindo uma postura nobre ao abrir mão de seus próprios tesouros e a aceitar óbitos, em boa parte prematuros, de nossos grandes gênios.

Mas se apega, de maneira febril e psicótica, aos entulhos materiais e humanos, e se ofendem quando dissemos que até nossos facínoras e assassinos também adoecem e morrem.

O país é tão doente que, não raro, trai a coerência e a justiça social para criar uma "realidade oficial" ao sabor das conveniências e interesses de uns poucos privilegiados e arrivistas.

E isso envolve muita coisa. A literatura, por exemplo.

Vemos o caso surreal, típico de comédia de Luís Buñuel, do escritor maranhense Humberto de Campos.

O autor se situa no intervalo entre a geração do fim do século XIX, de Machado de Assis e Joaquim Nabuco, e a geração de 1945, de Carlos Drummond de Andrade e Fe…

ALLISON MACK E OS GRAVES ERROS DA RELIGIOSIDADE

Há poucos dias, a antiga estrela do seriado Smallville, a outrora adorável Allison Mack, foi presa e depois solta sob fiança pela acusação de envolvimento com uma seita voltada à escravidão sexual.

A seita, denominada NXIVM - lê-se "nexium" - era comandada por Keith Raniere, que também foi preso.

Allison teria sido recrutada pela colega do seriado, Kristin Kreuk, mas esta largou a seita pouco depois.

Mas Allison, alemã radicada nos EUA e aparentemente conhecida por sua simpatia e doçura, virou braço-direito de Raniere, atuando como uma co-líder da seita.

A seita, que supostamente se voltava ao "empoderamento feminino", mas promovia rituais de flagelos e escravidão sexual.

As adeptas da seita eram forçadas a correr direto para as árvores para bater as cabeças nos troncos. Ou então a beber água suja que corria no chão.

Elas eram marcadas com ferro quente, como gado bovino, seja com as iniciais KR ou AM.

As integrantes ainda eram forçadas a transar com Keith, em ritu…

O FRACASSO COXINHA SIMBOLIZADO PELAS CAMISETAS DA CBF

Este é um Brasil muito, muito estranho.

Um Brasil em que valentões da Internet fazem cyberbullying para impor a "sua verdade".

Um país onde políticos conservadores envolvidos em comprovada corrupção nem sequer precisam cogitar sobre a vida atrás das grades, porque a prisão lhes é uma possibilidade nula.

Um Brasil cujas obras psicografake de certa religião espiritualista são consideradas "autênticas" porque contém frases piegas como "sejamos irmãos" e "busquemos a paz".

Um Brasil cuja parcela de machistas que fuma demais, usa drogas ou remédios e, só porque mataram suas próprias mulheres e saíram impunes, não podem sequer morrer das doenças que produzem, como câncer ou infarto.

Um Brasil em que se acredita tolamente que um sistema de ônibus vai melhorar com ônibus de pintura igualzinha exibindo logotipos de prefeitura, secretarias de Estado, consórcios etc.

Um Brasil em que a emancipação feminina é condicionada pelo machismo, de forma que as mul…

A PRISÃO "DIFERENCIADA" DE EDUARDO AZEREDO

EDUARDO AZEREDO SE ENTREGANDO À POLÍCIA EM BELO HORIZONTE, HORAS DEPOIS DE SER DECLARADO FORAGIDO MEDIANTE ORDEM DE PRISÃO.

Hoje o ex-governador de Minas Gerais, o tucano Eduardo Azeredo, se entregou à polícia.

Antes de chegar à Academia de Bombeiros Militar (ABM), na Rua Piauí, bairro Funcionários, Centro-Sul de Belo Horizonte, Azeredo fez exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal.

A prisão foi mais tranquila. Afinal, segundo Bolivar Lamounier, Eduardo Azeredo é tranquilo, ele não representa ameaça, apesar de ter pensado em censurar a Internet. Mas como é um tucano...

Sabe-se que Eduardo Azeredo é réu do esquema de corrupção do mensalão tucano, já que políticos do PSDB já se envolveram com o esquema do publicitário mineiro Marcos Valério antes do Partido dos Trabalhadores levar a fama por supostas acusações.

Eduardo Azeredo terá um tratamento privilegiado, estará preso próximo à sua casa e, para ser levado à prisão, foi dispensado de usar algemas.

Até aí, nada demais. Só que…

APOIO A GOLPE MILITAR, SEGUNDO PESQUISA, CRESCE DE FORMA PREOCUPANTE

Uma pesquisa divulgada recentemente traz apreensão para o Brasil.

Embora seja uma amostragem, pois apenas uma pequena parcela de entrevistados é consultada em eventos desse tipo, os dados divulgados trazem alguma preocupação.

Foram feitas 2,5 mil entrevistas em 26 Estados brasileiros, sendo o Amapá o único deixado de fora pela pesquisa.

Segundo o Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação, parte do Programa de Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT), cresceu o apoio ao golpe militar por dois critérios, o de "muito crime" ou "muita corrupção".

No caso de "muito crime", a defesa do golpe militar foi de 53,2% e na hipótese de "muita corrupção", 47,8%.

Entre os discordantes, respectivamente, 41,3% e 46,3%. No caso de quem não respondeu ou não soube responder são 5,6% e 5,8%.

O índice pode ser reflexo do clima de insatisfação e insegurança que se deu em 2013 mas que, três anos depois, resultou na retomada conservadora dos…

REVELAÇÕES SOBRE DITADURA PODEM DERRUBAR PARADIGMAS E TOTENS DA SOCIEDADE CONSERVADORA

Os recentes documentos da CIA, revelados anteontem, trazem o dado chocante de que a repressão militar manteve sua intensidade mesmo na chamada "época de abertura política".

Os governos Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo eram citados num relatório como atuantes no comando de prisões, torturas e extermínios que, oficialmente, só se atribuía ao período do general Emílio Médici, quando o AI-5 começou a valer.

Isso derruba muitos paradigmas e revela debilidades das mais diversas, que ultrapassam o âmbito militar e político brasileiros.

Sobretudo diante de paradigmas conservadores, do machismo feminicida ao valentonismo (bullying), práticas criminosas, porém socialmente toleradas, e dos mitos da "caridade paliativa" e da bregalização cultural que glamourizam a pobreza e domesticam os pobres.

Para começar, derruba a ilusão de "anos dourados" de 1974-1979 ou do mito da breguice "tropicalizada" da Era Médici, que a intelectualidade "bacana&q…

DELAÇÕES DE ANTÔNIO PALOCCI E RENATO DUQUE SERÃO USADAS PARA ENFRAQUECER LULA

Duas delações previstas para os próximos dias aquecem as expectativas dos opositores do Partido dos Trabalhadores de ver Lula caminhando para a derrota final, nas mãos da plutocracia.

Uma é a do antigo parceiro do ex-presidente e seu ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci, que também foi chefe do Gabinete Civil do primeiro governo Dilma Rousseff.

Outra é a de Renato Duque, que, segundo a Operação Lava Jato, é considerado ex-operador do PT no suposto esquema de propinas da Petrobras.

A delação de Palocci, agora um denunciante útil e um "quase herói" dos anti-petistas, vem com dois aspectos estranhos.

Um é que a delação será coordenada pela Polícia Federal e não pelo Ministério Público Federal, como exige a hierarquia jurídica.

Segundo, a delação foi anunciada depois que o Supremo Tribunal Federal tirou das mãos do juiz Sérgio Moro supostos casos de corrupção envolvendo Lula, como o sítio de Atibaia, as supostas obras do Instituto Lula e o dinheiro arrecadado nas palestras d…