Pular para o conteúdo principal

A HABILIDADE DE ALBERTO DINES DE ENFRENTAR OBSTÁCULOS


Felizmente, Alberto Dines não faleceu sem intervir na sociedade nos últimos anos, comandando o Observatório da Imprensa que significou um fórum de debates da mídia em geral.

Ele fez o possível para suprir nossa atualidade com suas lições de vida, além do legado do passado em que ele enfrentou sérias limitações do empresariado midiático.

Dines pagou o preço várias vezes com sua preocupação ética e com o compromisso social com a informação, mas ele preferiu a honra.

Naquela época se podia deslocar de um veículo jornalístico para outro, e havia jornalistas com mentalidade mais progressista.

Dines faleceu com 66 anos de jornalismo profissional, uma experiência significativa e batalhadora, rica e instigante, testemunhando a vida cotidiana que havia nos tempos em que se escreviam textos pela máquina datilográfica.

Havia escrito um texto para o blogue Anos 50, 60 e 70 para Principiantes, com uma breve biografia profissional do jornalista, e passei algumas horas escrevendo e pesquisando informações.

Foi anteontem à noite, no dia em que, de manhã, Alberto Dines deu adeus ao mundo confuso em que vivemos, tendo ele vivido 86 anos.

Dines enfrentou situações complicadas por causa de sua preocupação com o bom jornalismo.

Em 1961, contratado pelo Diário da Noite, de Assis Chateaubriand, foi proibido de publicar reportagem sobre um protesto de refugiados portugueses e espanhóis contra as ditaduras de António Salazar e Francisco Franco.

Mesmo assim, Dines publicou a reportagem, quando os manifestantes sequestraram um navio, o Santa Maria, que chegou ao porto de Recife, aqui no Brasil, em 21 de janeiro daquele ano.

Esta etapa do protesto durou dois dias, ou seja, até o dia 22, e um terceiro piloto, João José Nascimento Costa, foi morto pelos manifestantes.

Chatô não gostou e mandou demitir Alberto Dines. O que acabou sendo um grande benefício. Fechou-se uma porta e Dines encontrou em sua frente um grande portão.

Foi o Jornal do Brasil, periódico que mais marcou a carreira do jornalista.

Ele cumpriu tranquilamente sua atividade jornalística até que, em abril de 1964, motivos mais do que óbvios o fizeram "navegar em águas turvas".

Sim, porque chegava a ditadura militar e a ideia seria que ele, como outros jornalistas, só fizesse um jornalismo carneirinho, falando bem da que era conhecida então como "revolução democrática".

A censura e a repressão já ocorriam nos primeiros momentos ditatoriais de 1964, embora as ações se tornassem mais intensas com o AI-5.

Sabemos, agora, pela divulgação de documentos da CIA, que a tortura e repressão continuavam intensas nos períodos "suaves" dos governos de Ernesto Geisel e João Figueiredo.

Aliás, foi o AI-5 o "personagem" de um episódio inusitado de Alberto Dines, uma das maiores provas de sua habilidade em enfrentar obstáculos, em nome da informação honesta e do compromisso humanista com o Jornalismo.

Dines, ao saber da notícia do terríveu "quinto ato", anunciado pela voz do locutor Alberto Curi, irmão do comediante Ivon Curi, e decidido em reunião do general Arthur da Costa e Silva e seu ministério (que incluiu Jarbas Passarinho e Delfim Netto), resolveu inovar.

Lembrando-se de que o 13 de dezembro, aliás uma sexta-feira 13, era o Dia Nacional do Cego, Dines mandou o diagramador inserir a informação no canto direito do topo da primeira página.

Era a chamada de uma nota sobre uma missa no Rio de Janeiro onde fiéis pediam proteção, na celebração do Dia do Cego.

Era uma dupla alusão. Da cegueira dos generais em ver as necessidades do povo brasileiro, mas também a cegueira que os jornalistas eram forçados a assumir ocultando a realidade em nome dos interesses da "Revolução".

No canto oposto, o esquerdo, Dines publicava uma metáfora sobre os dias difíceis do Brasil, através da previsão do tempo. Um recurso poético, diga-se de passagem.

"Tempo negro. Temperatura sufocante. O ar está irrespirável. O país está sendo varrido por fortes ventos...", dizia o texto, cujas palavras, ainda que urgentes, dificilmente reproduziriam o tom de pesadelo que muitos brasileiros só sentiriam na rotina que se anunciava.

A partir do AI-5, se desenhou uma realidade cujos paradigmas tentaram resistir até mesmo no Brasil democrático de Lula e Dilma Rousseff.

Um Brasil culturalmente brega, com feridas mal cicatrizadas, que como um vulcão adormecido revelaram preconceitos e ganâncias que voltaram com toda a força entre 2015 e 2016.

Daí que, ultimamente, despertou o inconsciente coletivo dos saudosistas de 1974, o ano em que os conservadores julgam "equilibrado" para o Brasil.

1974 era a época dos dez anos do golpe militar.

Era, também, o ano em que o "milagre brasileiro" deixava seu recado, "equilibrando" a Economia (na visão dos generais) e a sociedade brasileira estava "sob controle" (os "subversivos" foram e estavam sendo sumariamente eliminados, em nome da "segurança nacional").

Voltando à edição do JB, Dines cobriu, de forma grotesca, matérias censuradas por anúncios de classificados.

Era de propósito. Era uma forma de, pelo aspecto aberrante e feio da diagramação, denunciar que a ditadura estava impedindo os jornais de noticiarem livremente os fatos.

Dois desses anúncios apareciam na primeira página, que apresentava uma pilhéria com o general Costa e Silva.

A foto publicada foi escolhida pelo ridículo que a tomada expressava, por acidente.

Um general com olhar severo, com o corpo inclinado e pisando com a ponta dos pés, como se fosse um anão moral sofrendo de arrogância e querendo impor superioridade pisando pelas pontas.

A edição de 14 de dezembro foi antológica, e está disponível tanto na página de edições digitais do JB pelo Google quanto pela busca da Biblioteca Nacional.

Na busca da BN, através da Hemeroteca Digital, há um trabalhinho a fazer: clicar na aba "Períodos", escolher o período "1960-1969", local "RJ" e periódico "Jornal do Brasil". Depois, escolhe-se a pasta "1968" e vai para o arquivo "Edição 00213", que corresponde ao jornal em questão.

Dines também "aprontou" outras no Jornal do Brasil.

Proibido de noticiar o golpe militar no Chile, que em 11 de setembro de 1973 derrubou o governo progressista de Salvador Allende, Dines resolveu escrever um texto longo sobre o fato e colocá-lo na primeira página da edição do dia 12, no maior risco.

Mas Dines, esperto, resolveu fazer o seguinte: pedir ao diagramador que não colocasse título da matéria. Ela saiu, portanto, sem título, só com o texto, por sinal longo, que tomaria tempo do censor do jornal.

Íntegro, Dines foi demitido do JB, em junho de 1973, porque fez um artigo criticando a amizade dos donos do jornal com o governo do Estado do Rio de Janeiro.

Nesta época, o cenário político do Estado do Rio de Janeiro usava o Estado vizinho da Guanabara como vitrine. Eu era um menino de dois anos que morava na antiga capital fluminense, Niterói, nessa época.

Comandado pela ARENA, o cenário político fluminense e carioca se articulava para a fusão dos dois Estados, que causou consequências funestas que até hoje se refletem.

Hoje o Rio de Janeiro, como município e ex-Guanabara, tem que cuidar dos demais municípios do Estado, se enfraquecendo com a corrupção política, a falta de visões estratégicas e a criminalidade crescente.

E Niterói, antiga capital, hoje é uma "cidade do interior" que as próprias cidades do interior teriam vergonha de sequer pensar em ser.

Vide a aberrante tranquilidade bovina do caso de, faltando uma avenida própria de ligação, dois bairros vizinhos, Rio do Ouro e Várzea das Moças, só se comunicam pelo acesso complicado da RJ-106.

Ou seja, um episódio típico do FEBEAPÁ de Sérgio Porto/Stanislaw Ponte Preta: uma rodovia estadual que, em Niterói, é reduzida a uma "avenida de bairro". E que, no sentido de Várzea das Moças para o Rio do Ouro, precisa passar por, pelo menos, um retorno.

Dines ainda teve que enfrentar outra demissão, em 1980, na condição de editor-chefe da sucursal carioca e articulista da Folha de São Paulo.

Foi quando Bóris Casoy (do TJ Brasil do SBT e dos comentários maldosos contra garis vazados em áudio na TV Bandeirantes) não gostou que Dines tivesse denunciado a repressão do governador paulista, Paulo Maluf, à greve de metalúrgicos do ABC paulista, naquele ano.

Foi naquela época em que o nome de um dos presos hoje chama a atenção: o líder sindicalista Luís Inácio Lula da Silva, atualmente de volta às grades em nova prisão por motivos políticos, em Curitiba.

A greve de 1980 impulsionou, justamente, o surgimento do Partido dos Trabalhadores, hoje brutalmente hostilizado pela plutocracia.

Alberto Dines teve também como virtude o fato de não se iludir com a reputação dos jornalistas.

Ele considera que a imprensa se torna perigosa se ela passa a sentir arrogância e triunfalismo de si mesma.

Em 1975, ele criou a coluna Jornal dos Jornais, na Folha de São Paulo, para analisar as atividades da própria imprensa, então preocupada em exercer autocensura.

Até mais ou menos 2002, quando a imprensa hegemônica vivia uma imagem glamourizada e até santificada do jornalista, imaginava-se que a imprensa lutava o tempo todo contra a ditadura militar.

Recentemente, se divulgou que a imprensa hegemônica apoiava a ditadura militar e apenas uma pequena parte de profissionais, como repórteres e alguns editores e articulistas, é que discordavam do regime.

Dines lançou o Observatório da Imprensa em 1994 e ele se tornou multimídia. Começou na TV, cresceu na Internet e se complementa no rádio.

A partir do Observatório, se encorajou a questionar a grande mídia, e podemos dizer que, em parte, o Observatório da Imprensa é "pai" de canais como Conversa Afiada, Brasil 247 e O Cafezinho.

Eu colaborei no portal com alguns textos, enfatizando a questão cultural e às vezes falando de política.

Foi bom, embora não tenha ganho muito em visibilidade, mas me permitiu fazer o aquecimento para produzir páginas como esta.

O Observatório da Imprensa recebia textos dos mais diversos colaboradores, no esforço de se tornar um gigantesco fórum de debates da grande mídia.

Infelizmente, a mídia hegemônica decaiu e perdeu muito de seu profissionalismo. Os interesses empresariais acabaram prevalecendo tanto que as redações se tornaram "irrespiráveis".

A geração de Alberto Dines nos deixa aos poucos, não só no Brasil.

Recentemente, perdemos um outro ilustre jornalista, o estadunidense Tom Wolfe, ícone do Novo Jornalismo (que escrevia reportagens com linguagem de romance, mas mesmo assim buscando o máximo de realismo).

E o cenário político confuso que temos só faz com que jornais demitam em massa, jornalistas autênticos deixem aos poucos a mídia hegemônica e péssimos jornalistas passem a dominar as redações.

Pessoas escrevendo muito mal passam a figurar na imprensa, obtendo visibilidade até quando seus erros repercutem amplamente nas redes sociais.

Pior: jornalistas medíocres como Merval Pereira têm o caminho aberto para a Academia Brasileira de Letras, mesmo sem lançar um livro original.

Pior ainda: um Merval Pereira - assim como, recentemente, um Kim Kataguiri que, em 2016, foi "promovido" a "colunista" da Folha de São Paulo - nem chega a montar suas próprias coletâneas de livros, deixando para editores montarem.

Eu também tenho minhas coletâneas em livros, mas elas são montadas por mim, não se limitam a uma fonte - Merval e Kim se limitam a selecionar uma única fonte na imprensa, com material previamente lançado - e procuram ter textos inéditos, alguns arquivados por mim.

Sou eu que seleciono o texto, edito e coloco em cada livro, num trabalho que defino como artesanal.

Lamentável saber que um Merval Pereira é considerado "referencial" para muitos amantes da mediocridade que expressam sua tirania nas redes sociais.

Quem quer jornalismo autêntico e honesto, independente de ideologias, fica com os verdadeiros mestres.

Aos irmãos Cláudio e Perseu Abramo, a Barbosa Lima Sobrinho, Carlinhos Oliveira, Samuel Wainer, Adalgisa Nery, Niomar Moniz Sodré Bittencourt, Márcio Moreira Alves, João Ubaldo Ribeiro, Sebastião Valença Filho, Paulo Nogueira e outros que me escapam à mente, se junta Alberto Dines.

Todos eles com alguma experiência rica para contar, e que servem como lições de vida para futuros jornalistas.

O jornalismo autêntico havia sido uma batalha diferente do "jornalismo de guerra" que reduz a imprensa a um punhado de panfletos empresariais feitos para assassinar reputações.

A batalha da imprensa de outrora era o combate de ideias, não era o assassinato de reputações, mas a luta contra a opressão e a injustiça.

Era um trabalho honesto de interpretar a realidade sem trai-la, ainda que sob o preço de expressar opiniões pessoais aqui e ali. Muito diferente da onda de fake news que temos hoje.

É triste ver a imprensa tão decadente em que até jornalistas com talento e experiência como Miriam Leitão, Augusto Nunes, William Waack e até Ricardo Boechat se manchem com comentários mesquinhos por motivações ideológicas.

Resta à imprensa alternativa e ao legado do Observatório da Imprensa para nos lembrar que o jornalismo ainda existe e ele não está nos movimentos faciais de William Bonner.

Jornalistas não são heróis, a imprensa não está acima dos cidadãos, mas houve um tempo em que o jornalista trabalhava com empenho e honestidade.

Hoje a imprensa que se tomou de vaidade, com os chefões do jornalismo se vangloriando pela façanha alheia, é que perde seu caminho se promovendo com as conquistas dos outros, como coronéis e generais premiados pelo suor e sangue de seus soldados.

Alberto Dines deu muitas lições não só de jornalismo, mas de humanismo: ele teve coragem para peitar editores-chefes, donos de jornal e políticos: mas isso, mais do que um motivo para vaidade, era uma demonstração de humildade.

A verdadeira humildade não se faz pela submissão, assim como o verdadeiro triunfo não é celebrado pela vaidade. A verdadeira humildade se dá com a coragem de enfrentar obstáculos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

JAIR BOLSONARO E AS TRÊS ADESÕES DECLARADAS NA ÚLTIMA HORA

De repente, ficou normal ser bolsonarista, nesses dias em que o ex-capitão se torna presidente da República.

E isso quando eu, que nasci em Florianópolis, faço aniversário no mesmo dia do "mito", sou filho de militar e xará de Alexandre Frota, prefiro ficar na oposição ao governo Bolsonaro.

Nesse ano louco que se começa, há a marca de três adesões ao cenário bolsonarista declaradas em última hora.

Digo declaradas, porque talvez essas posturas tenham sido adotadas na campanha eleitoral. Mas aqui não cabe dizer quem aderiu ou não em última hora.

Vamos começar pelo lado mais óbvio, que é a do meu xará Alexandre Correa, empresário e marido da apresentadora Ana Hickmann, que fez postagens tipicamente bolsonaristas.

No seu perfil nas redes sociais, Correa fez uma advertência irônica às petistas Gleisi Hoffman, senadora paranaense, e Maria do Rosário, deputada gaúcha, por sinal grandes desafetas do "mito", sobretudo a segunda, que brigou com ele duas vezes e contra o qua…

O POPULISMO MARQUETEIRO DE JAIR BOLSONARO E COMPANHIA

Bem que eu desconfiei dessa campanha toda que empurrava a "cultura" brega-popularesca para o esquerdismo.

Sob a desculpa do "combate ao preconceito", forçava-se, nas esquerdas, a aceitação de formas preconceituosas de suposta expressão popular.

Uma retórica de "cultura das periferias", do mito da "pobreza linda", da utopia da "favela feliz", da "prostituição empoderada" e outras bizarrices.

Acreditou-se em tudo isso durante uma década inteira. A intelectualidade "bacana" não tinha contraponto para seu "livre debate" sobre a tal "provocatividade" da "cultura transbrasileira".

Os intelectuais "bacanas" estavam sozinhos. Os microfones abertos eram só para eles. Quem podia se contrapôr a seu discurso não tinha visibilidade, era barrado dos banquetes acadêmicos já nas primeiras inscrições para o mestrado.

Os intelectuais "bacanas", hoje, choram a vitória de Jair Bolsonar…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

ITÁLIA NÃO DEIXOU CESARE BATTISTI SERVIR DE TROFÉU PARA DIREITA BRASILEIRA

O rebelde italiano e radical de esquerda, Cesare Battisti, foi preso no último sábado, dia 12 de janeiro de 2019, na Bolívia, depois de ser considerado foragido no Brasil, desde 14 de dezembro.

Ele residiu no Brasil clandestinamente durante anos. Era acusado de atos terroristas nos anos 1970 e de ter matado quatro pessoas.

Cesare Battisti era um dos "animais de caça" preferidos pela direita brasileira, que o acusava de ser "amigo" do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

O general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Nacional do governo Jair Bolsonaro, chegou a negociar a vinda de Battisti ao Brasil.

Provavelmente haveria exposição oficial à imprensa, talvez uma ligeira entrevista coletiva, cobertura na Globo News e artigos furiosos contra o "terrorismo de esquerda" etc.

Battisti seria servido como um "troféu" do bolsonarismo e recuperaria um pouco a baixa reputação que Jair e sua turma andam causando com sua série de confusões …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

OS ANOS 90, A DÉCADA PERDIDA QUE NÃO TERMINOU, RECEBE REVIVAL

A década de 1990 foi, no Brasil, a década perdida, uma versão tardia da década de 1980 dos EUA, que virou paradigma para a década oitentista ser considerada lixo pela crítica especializada.

Foi uma década que misturava hedonismo, pragmatismo, catarse e imbecilização, e um período que forneceu as condições mentais que culminaram na vitória de Jair Bolsonaro, hoje presidente da República.

Afinal, Bolsonaro é um "filho dos anos 90", pois foi aí que ele começou sua vida política.

Os anos 90 foram tão estranhos, tão bizonhos que, no Brasil, não houve uma despedida da década, mesmo sendo também fim de século e fim de milênio.

Pelo contrário, as coisas se seguiram como se os anos 2000 fossem uma continuidade da década de 1990.

Ou seja, importantes efemérides mundiais eram ignoradas pela mídia brasileira. Não houve aviso prévio do fim, respectiva, despedida, ninguém fechou para balanço. A década de 1990 se seguiu no raiar de 2000.

E ela seguiu quase incólume no Brasil, radicalizada…

A IRONIA DO NOME DA BANDA INDONÉSIA ATINGIDA POR MAREMOTO

É muito triste e chocante ver o maremoto (tsunami) atingir tão de repente o palco onde uma banda se apresentava na ocasião, na Indonésia.

A banda Seventeen era uma das mais populares entre o público jovem daquele país asiático.

O vocalista, Riefian "Ifan" Fajarsyah, foi o único sobrevivente. Alguns músicos e membros da equipe técnica ainda estão desaparecidos.

O maremoto foi causado por uma erupção do vulcão Krakatoa, que causou um deslizamento que caiu no mar, causando as ondas gigantes.

Ifan anunciou o fim da banda, em mensagem publicada nas redes sociais. A tragédia comoveu o país.

Ficamos solidários com todos que foram atingidos direta ou indiretamente por essa tragédia. Embora eu nunca ouvi falar da banda, reconheço o quanto é triste essa ocorrência que abala e traumatiza muita gente, como um terrível pesadelo.

Agora, uma irônica curiosidade envolve o nome. Seventeen é "dezessete" em português, o conhecido número 17 que se tornou o número eleitoral de Jair Bo…

FIM DO VÍDEO SHOW E O FUTURO FIM DO "BV" DA REDE GLOBO

SOPHIA ABRAHÃO E JOAQUIM LOPES, NA FASE FINAL DO VÍDEO SHOW. AO LADO, ALEXANDRE FROTA NOS TEMPOS DE ROQUE SANTEIRO, QUANDO ELE ERA ATOR DA REDE GLOBO.

Num governo confuso como o de Jair Bolsonaro, que inclui até mesmo nepotismo com a nomeação do filho do vice Antônio Hamilton Mourão, escrevo uma postagem relacionada à Rede Globo.

Muito ocupado hoje com Brasil Temeroso 2, já em fase de finalização, vale uma citação ligeira sobre o "filho de Mourão".

O filho tem o mesmo nome do pai, Antônio Hamilton Mourão, mas entre esses dois sobrenomes, o pai é Martins e o filho, Rossell.

Rossell Mourão, aliás, é quase o mesmo sobrenome de um juiz carioca que inocentou um conhecido "médium espírita" - o que depois usou peruca e foi endeusado com a ajuda da mídia venal - que usurpou criminosamente a memória do escritor Humberto de Campos.

Como um Lula ao avesso, o "médium" teve ações negativas cheias de provas - como participação em fraudes de materialização - , mas foi b…