Pular para o conteúdo principal

A PEC 241 É MUITO MAIS GRAVE DO QUE SE IMAGINA

ENQUANTO HÁ DESCONGELAMENTO NO PÓLO NORTE, OS GASTOS PÚBLICOS NO BRASIL PODEM SER CONGELADOS EM DUAS DÉCADAS.

A mídia patronal comemora. A PEC 241, a "menina dos olhos" do governo temeroso, tem fortes chances de ser aprovada.

A "PEC do Teto", como é conhecida, prevê congelamento de investimentos em setores públicos por duas décadas.

Será estabelecido um limite rígido, que mesmo em momentos de crescimento econômico não pode ser ultrapassado.

Setores como Educação, Saúde e Assistência Social terão investimentos cada vez mais limitados, se virando com o pouco dinheiro que receberão.

Isso inviabilizará muitas atividades, irá reduzir os salários de professores e médicos da rede pública, fechará hospitais e escolas, fará aposentados viverem dos empréstimos de filhos e netos.

Será um gravíssimo prejuízo sem precedentes para o Brasil.

Nem mesmo os nunca assumidos descasos políticos que sucatearam a Educação, Saúde e Assistência Social nos períodos da ditadura militar criariam tantos problemas.

Porque a coisa será mais aberta, será uma emenda constitucional, uma ferida sangrenta na Constituição cidadã de 1988.

O brasileiro médio, que durante o governo Dilma Rousseff se espumava de ódio só de ver o rosto dela na TV no na página de um jornal, hoje está feliz.

Está na praia, jogando bola, tomando cervejinha, contando piada, fazendo selfie.

Vê Henrique Meirelles falando na TV achando que é Papai Noel antecipando os presentes para a criançada.

Deveria ver a lógica dos cortes de gastos, sob o ponto de vista de um jovem.

Imagine o pai de um jovem limitando a mesada.

Ele dá um dinheiro que só dá para o lanche da escola e, quando muito, para ir a um clube esportivo na esquina de casa, de manhã, para nadar na piscina ou jogar bola na quadra.

Aí tem o encontro dos colegas numa festa à noite, num bairro distante.

Tem a excursão para aquela cidade serrana, para um passeio de ciclismo na serra.

E tem o lançamento daquele filme tão esperado no cinema, que a turma toda quer ver.

Mas o jovem não tem dinheiro para isso. Tem que cortar o lanche da escola e se virar para pedir dinheiro recorrendo aos amigos.

Sei que a comparação é um tanto rasteira, envolve necessidades mais supérfluas do que remunerar professores e abastecer hospitais de equipamentos modernos e instalações limpas e confortáveis.

O aposentado precisa aprender a vida e procurar retomar aquela intimidade com o lazer que a juventude fez perder.

É por isso que o corte de gastos da PEC 241 terá efeitos devastadores. Muito pior do que a antiga corrupção que desviava dinheiro público dos gastos sociais.

Isso porque a coisa é mais assumida e irreversível.

Na outra situação, bastava os trabalhadores fazerem passeatas, uma boa mobilização poderia surtir efeito.

Com a institucionalização do descaso público, que é o que pretende ser a PEC 241 assim que virar lei, sancionada pelo sedento presidente Michel Temer, serão precisas milhares de Passeatas dos Cem Mil para derrubar essa lei.

Junto a isso, a mídia patronal deveria recuar e denunciar cada vez mais hospitais sucateados e escolas tomadas por vândalos e criminosos para revelar os prejuízos da "peque".

Se todavia houver resignação social e a mídia patronal descrever o paraíso de contos de fadas do Brasil com menos gastos públicos, os prejuízos serão escondidos debaixo do tapete jornalístico oficial.

Mas o odor fedorento das mazelas causadas entrará pelos lares pelas portas dos fundos, narrando sua tragédia como William Bonner nunca teria coragem de narrar, como a Veja nunca teria coragem de pôr em suas capas.

A PEC do Teto simplesmente irá desmoronar o país.

A casa vai cair com esse "teto". Aliás, as casas de muitos brasileiros.

O furacão Matthew que devastou o Haiti terá concorrente no Brasil: a PEC do Teto.

O urso do Pólo Norte teve que se virar com uma pedra de gelo em descongelamento.

O povo brasileiro vai ter que se virar com o congelamento dos gastos públicos.

Especialistas sérios dizem que a PEC 241 vai inviabilizar o crescimento no Brasil.

Mas Temer não quer saber disso. E com razão, por incrível que pareça.

Afinal, Temer é um político ruim de urnas, um sujeito sem carisma e só é representado por 428 votos de parlamentares.

Para Temer, o povo brasileiro é apenas "um detalhe". Temer não representa a vontade de milhares de brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…