Pular para o conteúdo principal

FOI GOLPE POLÍTICO, SIM!


Com os resultados eleitorais da semana passada, a plutocracia resolveu apelar.

Disse que, com o voto livre, a tese de golpe político do governo Temer foi enterrada.

Juristas dizendo que Temer alcançou o poder "dentro da normalidade constitucional".

Jornalistas da mídia patronal dizendo que a "livre vontade do povo" sepultou o legado de Lula e Dilma Rousseff nas urnas.

O problema é que houve uma campanha de persuasão.

A pressão da Rede Globo e da Operação Lava Jato garantiu uma vitória majoritariamente conservadora entre os prefeitos e vereadores eleitos.

O contexto político de hoje é de um sadomasoquismo impressionante.

As autoridades querendo cortar direitos e conquistas do povo.

E o povo, até pela má influência da mídia venal, aceitando até a redução dos salários desde que tire a Dilma Rousseff do Governo Federal.

Há uma confusa utopia com o empresariado, com o poder privado, com a tecnocracia.

Muitos acreditam que a privatização, o corte de gastos públicos, o desmonte do Estado, o fim dos encargos, a redução das garantias sociais, irão trazer prosperidade para o povo brasileiro.

Virou até moda empresário dizer que os trabalhadores deveriam receber salários menores porque "eles não sabem gastar".

Inventam que os trabalhadores pedem aumento salarial para torrar o dinheiro com cachaça.

Visão muito preconceituosa. Mas o preconceito virou moda nesse país.

E vemos o governo Temer, com vários réus por corrupção, jogando dinheiro para os barões da mídia, e muita gente achando isso natural.

Muitos réus da Lava Jato estão envolvidos direta ou indiretamente com o governo Temer.

Há ministros falando demais, há muita confusão política, o próprio Temer envolvido em corrupção, falando bobagens, cometendo gafes.

Tivemos, sim, um golpe político pois, por mais que o PT seja criticável - e é mesmo, sobretudo depois das eleições deste ano - , ele procurava acertar, ainda que de forma imperfeita.

Podíamos até criticar o governo Dilma, mas ela nos trazia alguma confiança de que, com pressão, algo iria melhorar.

Hoje, não. Tudo está inseguro e sem a menor confiabilidade.

Se até o Poder Judiciário e o Ministério Público demonstram irregularidades vergonhosas, para instituições das quais se esperaria o máximo de transparência, imparcialidade e respeito maior às leis, então o Brasil está inseguro.

Interesses tendenciosos fizeram chegar ao desgoverno que agora temos.

A imprensa venal tenta dizer que "não foi golpe", com a arrogância extrema que é conhecida.

Mas foi golpe, sim, porque, juntos, Judiciário / MP, mídia patronal, políticos retrógrados e o empresariado e setores da sociedade associados, conquistaram o poder arrombando a porta da respeitabilidade.

A mídia e o Judiciário, claramente dotados de posições parciais e facciosas, favoráveis ao PSDB ou similares, é que fizeram o golpe da maneira mais sutil possível.

Deram uma roupagem jurídica, um espetáculo parlamentar, um simulacro de democracia eleitoral.

E isso depois de permitir que as mais pesadas ofensas fossem dirigidas a Lula e Dilma.

Mas, por baixo dos panos, eram interesses conservadores, retrógrados, obscurantistas, elitistas, preconceituosos que estavam em jogo.

Hoje se força uma mudança para o passado que, dependendo do contexto, pode levar o Brasil a ter momentos de República Velha, Segundo Império ou mesmo a ditadura militar.

Portanto, não é só um golpe institucional, político ou social, mas também um golpe cronológico.

Um mutirão plutocrático para reconquistar à força os privilégios perdidos e forçar o retorno a velhos tempos, movidos os envolvidos por uma nostalgia doentia que remete sobretudo a Era Geisel.

Portanto, é um golpe, que trará efeitos danosos para o futuro do Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…