Pular para o conteúdo principal

PEC 241 É COMPARÁVEL AO CONFISCO DAS POUPANÇAS


A farsa da PEC 241 revela uma lição amarga que o Brasil viveu há 26 anos.

Quando tomou posse, Fernando Collor de Mello, em março de 1990, anunciou a medida amarga do confisco das poupanças dos brasileiros.através do que foi chamado Plano Collor.

Naquela época, a equipe de Collor, aparentemente tecnocrática, estabeleceu um plano de medidas tão enérgicas que as do governo Temer hoje.

A desculpa era a hiperinflação deixada pelo governo de José Sarney, em 1989.

Congelamento de preços e salários, corte de incentivos fiscais, ameaça de privatização de estatais, até de universidades.

Tinha a substituição do Cruzado Novo pelo Cruzeiro, na sua última "reencarnação" antes de ser substituído pelo Real, atual unidade monetária brasileira.

Mas o que afetou milhares de brasileiros foi o confisco das poupanças.

As contas foram bloqueadas por 18 meses e os saques limitados a NCz$ 50 mil.

A alegação sempre foi de que o confisco era urgente para resolver a crise econômica.

Collor prometia "devolver" o dinheiro que "pegou" das poupanças.

Isso já abalou seriamente a popularidade do presidente, que já era um fenômeno político artificialmente construído.

O confisco da poupança, se revelou depois, era para pagamento do esquema do tesoureiro Paulo César Farias.

Aí vieram as denúncias de corrupção, as passeatas do "Fora Collor", com Lindbergh Farias como líder estudantil, e depois o impeachment do presidente.

24 anos depois, Lindbergh e Collor tinham a mesma função, senadores, que atuaram na votação final do impeachment de Dilma Rousseff.

Na votação final, Lindbergh votou contra o afastamento, Collor votou a favor. A causa deste último prevaleceu devido a outros 60 votantes, e Dilma não conseguiu retornar ao poder.

E aí vemos o governo Temer com sua agenda da República Velha.

Com cortes de gastos nos setores públicos, sob o pretexto de "evitar abusos".

Temer já recuou de algumas decisões, e "ampliou" um pouco os investimentos públicos e autorizou os Estados a "ampliar" os tetos de investimentos.

Além disso, determinou que irá implantar a "PEC do Teto" não em 2017, mas em 2018.

Mas isso não parece ser o bastante.

Enquanto isso, generosas verbas públicas são dadas para quem não precisa.

Imagine o que o valor dado às corporações midiáticas, inclusive as Organizações Globo, daria para a Educação e a Saúde?

Temer nunca falou em aumentar os impostos dos ricos, e isso quando não há isenção ou sonegação.

O que se teme (olha o trocadilho) é o que a PEC 241 esconderá da população, em termos de esquema de corrupção.

Mas isso "não vem ao caso", como diria Sérgio Moro, o juiz midiático sósia do Clark Kent.

Sabe-se, porém, que o povo brasileiro é que pagará mais caro com essa proposta.

E, como em toda farsa político-econômica feita para favorecer os ricos, o prometido crescimento econômico é praticamente impossível de acontecer.

Como na lorota do confisco da poupança do governo Collor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…