Pular para o conteúdo principal

PRISÃO DE CUNHA NÃO DEIXA O BRASIL MAIS SEGURO


Quem não se limita a procurar notícias pelo mundo da fantasia da mídia plutocrática, deveria pensar duas vezes antes de sorrir feito um sonhador.

O Brasil está sofrendo um período muito frágil, quando os três poderes, Executivo, Legislativo e Judiciário, vivem a sua mais aguda crise.

O mesmo em relação ao quarto poder, a mídia, que demonstra furar a fila hierárquica e se comportar como o primeiro dos quatro poderes, praticamente trocando de posição com o Executivo.

A prisão de Eduardo Cunha não é o final de uma era de corrupção política, e nem é o preparativo para a "tão esperada" prisão de Lula.

E nem é uma prova de (suposta) imparcialidade do juiz midiático Sérgio Moro, que mais lembra um tira de Hollywood com feições faciais de Superman.

A prisão de Eduardo Cunha é apenas um jogo político.

Mais parece uma peça retirada do xadrez político, um bispo, por exemplo, para que o competidor que sacrificou sua peça possa fazer xeque ao rei adversário.

A prisão tem por vantagem afastar o prepotente político, acusado de inúmeros escândalos de corrupção, do cenário sócio-político.

Mesmo assim, não deixa o Brasil politicamente mais seguro.

Na verdade, a fragilidade política que o Brasil vive desde que Michel Temer assumiu o poder continua, para tristeza dos que veem o Jornal Nacional e acreditam que o país está mesmo melhorando.

A votação da PEC 241, segundo o atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), continua garantida, com enormes chances de êxito.

Será a grande tragédia nacional, por mais que a mídia venal tente argumentar o contrário.

Ninguém percebeu que os argumentos "técnicos" a favor da PEC do Teto, são muito confusos, vagos e contraditórios.

Cria-se um "rodeio" argumentativo para dizer que o limite de gastos públicos não é um corte nos investimentos.

Nada é claro, e o brasileiro médio leva gato por lebre, diante do aparente otimismo com a "peque".

Será apenas uma legalização do descaso público que já é feito pelas autoridades de maneira intensa desde a ditadura militar.

Professores e médicos da rede pública com salários precários e atrasados, hospitais funcionando mal em todos os aspectos, escolas paradas, anos letivos comprometidos.

Todas essas barbaridades, que parecem "normais" para a sociedade, se agravarão com a PEC 241, a "menina dos olhos" do governo temeroso.

E Temer está cercado de gente envolvida em escândalos de corrupção. Até porque ele mesmo também está envolvido.

Cunha pretende negociar a delação premiada, mas Sérgio Moro parece que não irá aceitar.

Ele parece querer limitar as delações premiadas, para evitar comprometimentos de políticos influentes do PMDB e PSDB.

Ele precisou prender Cunha apenas para negar a falta de firmeza e a parcialidade, embora estes vacilos tenham sido comprovados por parte do juiz paranaense.

De qualquer maneira, a situação do Brasil não é motivo para festa.

É motivo de muita apreensão.

A PEC 241 atingirá não só as classes populares, mas também a classe média, prejudicando até boa parte dos "indignados" que foram para as ruas pedir o "Fora Dilma".

O Brasil é muito complexo para que se estabeleçam restrição de investimentos públicos.

E isso quando Temer, que adora fazer doações milionárias para seus aliados da política, da Justiça e da mídia, realizou um jantar caríssimo só para pedir apoio à "peque".

Temer gasta demais para agradar e favorecer os ricos.

E ainda há as tenebrosas reformas da Previdência e do Trabalho e a venda das reservas de petróleo para estrangeiros, principalmente o pré-sal.

Menos dinheiro nas mãos do povo brasileiro.

Daí que o Brasil, com Temer, se encontra extremamente enfraquecido e inseguro como nação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…