Pular para o conteúdo principal

POR QUE SE IGNORA O VÍNCULO DO "FUNK" COM AS ORGANIZAÇÕES GLOBO?


"Rede Globo...Funk!", brincava Renato Aragão, na pele de Didi Mocó, nos Trapalhões, num de seus momentos de metalinguagem ao brincar com os bastidores do programa em suas esquetes.

Pode parecer coincidência, mas a palavra "funk" acabou soando forte na corporação dos Marinho.

A memória curta dos brasileiros, que pega até mesmo as esquerdas de surpresa, escondeu o vínculo que os funqueiros tiveram com a plutocracia.

O "funk carioca" que conhecemos não só surgiu durante o governo de Fernando Collor como teve sua ascensão patrocinada por políticos fluminenses que apoiavam o dito "caçador de marajás".

Ainda se está para investigar as relações entre o "funk" e o deputado Eduardo Cunha, político fluminense em ascensão na época.

Não podemos aceitar de bandeja que a Furacão 2000, no último 17 de abril, tenha protestado gratuitamente contra Eduardo Cunha, naquele estranho "baile funk" em Copacabana.

A Furacão 2000, capaz de eleger ninguém menos que Luciano Huck, amigo de Aécio Neves e João Dória Jr., "embaixador do funk", não iria protestar contra Cunha por ser um simples arqui-inimigo.

A equipe protestou contra Cunha por alguma aversão recente, como se ambos tivessem sido aliados um dia.

Cunha presidiu a TELERJ, antiga empresa de telefonia fluminense, que tinha seus clubes noturnos, chamados Clube da TELERJ.

Ainda há que averiguar isso, o jornalismo investigativo deveria romper com a complacência do "funk", ritmo com evidentes vínculos plutocráticos.

Antes do "funk" ser o prato principal do cardápio do "dirigismo cultural" imposto às esquerdas, por volta de 2005, ele aparecia em tudo quanto era programa ou veículo das Organizações Globo.

Coincidência?

É só pesquisar e ver os programas que eram exibidos na corporação dos Marinho entre 2003 e 2007.

O "funk" era enfiado ali, como um produto num mershandising.

Personagens de novela e humorístico funqueiros eram criados sob encomenda.

Um exemplo é a dupla MC Ferrow & MC Deu Mal, do Casseta & Planeta, a essas alturas na erupção de seus surtos tucanos.

A associação de "funk" com a "cultura das periferias", com todo o verniz "etnográfico" e "socializante", começou nas matérias de primeira página do Segundo Caderno de O Globo, além da Ilustrada da Folha de São Paulo.

Globo Esporte, novelas "globais", Domingão do Faustão, Caldeirão do Huck, Mais Você, tudo quanto era programa da Rede Globo tinha uma inserção no "funk".

E tinha inserções em outros veículos das OG: revista Quem Acontece, portal de celebridades Ego, canais pagos Multishow e Futura, este educativo.

Era tanta presença de "funk" que o telespectador médio pensava que era coincidência.

Não era. O "funk" apresenta as comunidades pobres de maneira espetacularizada.

Mas não temos um Guy Debord para explicar isso, ou até temos, mas a burocracia dos cursos de pós-graduação nas faculdades impediu sua ascensão.

Nossos equivalentes de Guy Debord mal conseguem ter blogues para serem lidos por um punhado de pessoas.

Sem essa presença no círculo fechado da visibilidade plena, não podemos entender a "sociedade do espetáculo" através do filtro tendencioso da grande mídia, sobretudo a Globo.

Esse filtro só define "sociedade do espetáculo" a um inócuo cenário de imprensa de fofocas.

Não imaginamos o quanto o "funk" trabalha as classes populares de uma forma estereotipada e caricata.

E que insere valores retrógrados, sobretudo o machismo, nas classes populares, além de promover a apologia à ignorância e à violência.

O vínculo do "funk" com a Globo, a partir da extinta emissora de rádio 98 FM, é evidente.

E, depois que tucano Luciano Huck, o maior ídolo juvenil da Rede Globo, virou "embaixador do funk", aí é que a relação se intensificou de vez.

O "funk" nunca incomodou os barões da grande mídia.

Daí o grande erro das esquerdas apoiar o "funk" como se as forças progressistas fossem se consolidar "balançando o popozão".

Não dá para entender o apreço das esquerdas ao "funk" ou seu desprezo às provas de que o ritmo têm seu vínculo explícito com a mídia venal.

Vai o "funk" seduzir as esquerdas e, assim que conquistou o apoio delas, as apunhala pelas costas e vai comemorar suas vitórias nos palcos da Rede Globo.

"Rede Globo...Funk!".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…