Pular para o conteúdo principal

OPERAÇÃO FOR ALL E O ESGOTAMENTO DE UM MERCADO POPULARESCO

SUCESSO NACIONAL NOS ANOS 90, O É O TCHAN HOJE SE LIMITA AO JÁ RESTRITO E ELITIZADO MERCADO DA AXÉ-MUSIC LOCAL DE SALVADOR.

Há muito o que analisar sobre o caso da Operação For All que investiga fraudes em conjuntos popularescos como os Aviões do Forró.

Não se trata de uma perseguição tipo Sérgio Moro X PT.

Afinal, os estilos como "forró eletrônico", axé-music e "pagodão" baiano se ascenderam sob o apoio de uma estrutura de mídia e entretenimento que sempre apoiou os governos Collor e FHC.

Isso é fato, em que pesem todos os esforços dos barões do entretenimento do Norte-Nordeste e se vincularem ao esquerdismo hoje posto à margem do poder vigente.

É só pesquisar os antigos eventos de "forró eletrônico", "sertanejo" e axé-music e ver quais eram os deputados ou vereadores que patrocinavam tais apresentações.

As esquerdas médias iriam cair da cadeira: políticos do PSDB, PSC, PP, DEM e PRB.

Quando muito, a ala "peemedebizada" do PTB e do PDT, composta por simpatizantes da causa ruralista.

A memória curta e o monopólio de narrativa de uma intelectualidade comprometida com a bregalização do Brasil é que criou uma crença errada, totalmente equivocada.

Acredita-se, da forma mais errada e desprovida de lógica, que os "sucessos do povão" só são respaldados pelo PT, PC do B e PSOL.

Falta de análise, e o que faz com que as esquerdas médias leiam às pressas textos de Pedro Alexandre Sanches e MC Leonardo na mídia esquerdista sem saber dos preconceitos que eles trazem dos valores que ambos comungam da mídia venal.

Não aprenderam a amarga lição que Cabo Anselmo havia trazido entre a crise do governo João Goulart e o auge da ditadura militar.

A verdade é que, por mais que os midiotas choraminguem a "criminalização" dos Aviões do Forró, choradeira que ocorre muito quando o "funk" aparece no noticiário policial, a verdade é que a Operação For All é efeito de um esgotamento de um mercado.

No Norte e Nordeste, ritmos como "forró eletrônico", axé-music e tecnobrega mostram sinais de esgotamento.

As pessoas não aguentam mais os mesmos grupos que fazem um pastiche de música nordestina que tem muito de americanizado e quase nada de realmente nordestino.

Nestas regiões, não há o deslumbramento de intelectuais fascinados com o sabor artificial de povo trabalhado por esses enlatados musicais.

Tanto que a maior blindagem dos Aviões do Forró ocorre entre os midiotas do Sul e Sudeste, sobretudo Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba ou mesmo Belo Horizonte e Florianópolis.

Isso fora a complacência um tanto ingênua com setores das esquerdas médias que veem no "popular demais" uma utópica possibilidade de rebelião popular.

Como no século XIX, quando a escravidão declinou no Norte e Nordeste mas ganhou um último fôlego no Sul e Sudeste, o brega-popularesco tenta um último fôlego no eixo Rio-São Paulo.

O Ceará foi o primeiro a extinguir a escravidão, e é o primeiro a rejeitar o "forró eletrônico" .

Salvador tenta manter a axé-music, mas a cada ano ela se torna mais uma trilha sonora de festinhas burguesas.

Muitos até pensam que o Wesley Safadão virou "cidadão do mundo" e há quem sonhe em vê-lo até no festival de Coachella, nos EUA.

A verdade é que Safadão está decadente no Nordeste e seus ricos empresários, não bastasse a fortuna acumulada pelo próprio cantor, é que puderam comprar espaços, embora mais modestos do que a mídia alardeia, em cidades tidas como mais desenvolvidas.

Os Aviões do Forró também andam cortejando o Sul e Sudeste. O Calcinha Preta também.

Na axé-music, Bell Marques passou a ser rejeitado pelos soteropolitanos por sua prepotência e, fora do Chiclete Com Banana, pegou apenas parte do seu repertório e foi fazer carreira solo em outras plagas.

O É O Tchan, que já foi fenômeno nacional, só faz sucesso local dentro dos limites mercadológicos da axé-music.

Nem os baianos Jorge Portugal, secretário de Cultura da Prefeitura de Salvador, e Juca Ferreira, ex-ministro da Cultura do Governo Federal, aguentam mais o popularesco.

Todos já admitem ser só música comercial, e não "cultura das periferias" que a intelectualidade "bacana" do Sul e Sudeste defendem e até tentam "guevarizar", transformar o jabaculê em um suposto combativismo de esquerda.

Hoje o "funk" trabalha uma escalada arrivista, criando uma supremacia de mercado que a axé-music havia criado há três décadas.

É o mesmo estranho fenômeno do Sul e Sudeste abocanharem tendências já descartadas no Norte e Nordeste.

E isso nos faz refletir sobre o atraso brasileiro.

Enquanto Diogo Mainardi dizia que os nordestinos eram "bovinos", observa-se mais a submissão social na parte de paulistas e cariocas, principalmente estes últimos.

O Norte e Nordeste começam a se reavaliar culturalmente, e a Operação For All é apenas um dos primeiros reflexos de uma sociedade que não aguenta mais ser exposta ao ridículo pelos "sucessos do povão" do jabaculê radiofônico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…