Pular para o conteúdo principal

CONTRA EDUARDO CUNHA, VAIAS JÁ SÃO SUFICIENTES


Uma reação exagerada vitimou o ex-deputado Eduardo Cunha.

Na noite da última quarta-feira, 12, ele estava no Aeroporto Santos Dumont quando foi perseguido por um grupo.

O grupo já o havia observado uma semana antes, e Cunha parecia não ter se intimidado.

No feriado recente, porém, o grupo resolveu agredi-lo, não apenas dizendo "pega ladrão", até que uma senhora de 56 anos atirou um calçado sobre o político.

A senhora, a princípio, pensou que era um assaltante, mas depois viu que era o deputado Cunha.

De origem italiana, ela disse que faria o mesmo se o ex-presidente Lula passasse pelo mesmo aeroporto.

O ato parece divertir muita gente, mas é um vandalismo terrível.

Eduardo Cunha, com certeza, representa o que há de deplorável e abjeto na política brasileira.

Mas isso não significa que ele mereça sofrer um ataque destes.

Isso já é desordem, é barbárie.

Se as pessoas estão com raiva de Cunha, façam passeatas e ocupações para pedir sua prisão.

Contra Eduardo Cunha, já é suficiente vaiar e até chamá-lo de "ladrão", mas sem perseguir como se estivesse ameaçando um linchamento.

Protestar é necessário, mas pelo menos que se peça maior respeito às leis.

Com a agressão, instala-se a barbárie, uma catarse contagiosa, mas muitíssimo perigosa.

Me lembro quando via, no fórum de mensagens da Rádio Cidade "roqueira", em 2000 e 2001, ver os tais "roqueiros" pedindo o fechamento do Congresso Nacional sob a desculpa do "combate à corrupção".

Queriam extinguir o Legislativo, mas hoje talvez o aceitem desde que atue apenas contra o PT.

Os "rebeldes" anteciparam o reacionarismo do Movimento Brasil Livre, Revoltados On Line e similares em quinze anos.

É um exemplo da catarse juvenil, capaz de causar até incêndio em prédios públicos.

Isso é muito ruim, e acaba sendo uma propaganda dos corruptos pelo avesso.

Com atos exagerados, os corruptos acabam tendo seus momentos de vítimas e podem se reabilitar facilmente.

A facilidade com que corruptos podem se reabilitar é algo que as circunstâncias diversas, seja o vandalismo ou a memória curta, podem fazer.

O ex-prefeito de Salvador, Mário Kertèsz, espécie de Paulo Maluf baiano, foi denunciado por um gravíssimo esquema de corrupção.

Ele deixou a vida política, mas depois usou todo o seu patrimônio midiático para se relançar como dublê de radiojornalista.

Pior: tentando comprar a confiança da sociedade baiana, Kertèsz tentou seduzir as esquerdas. Assim que as conquistou, as apunhalou pelas costas.

Esculhambou os jornalistas Emiliano José e Oldack Miranda que chegaram a ter condescendência com o astro-rei da Rádio Metrópole FM, a principal rádio do império doméstico do baronete midiático.

No plano nacional, destaca-se a reabilitação do ex-presidente Fernando Collor, sob o apoio escancarado da revista Isto É e com uma blindagem de midiotas no Orkut.

Collor virou outro dublê de esquerdista, até a máscara cair e ele votar pelo impeachment definitivo de Dilma Rousseff.

Para Eduardo Cunha sumir durante uns anos e voltar como pretenso progressista, vale o sabor das conveniências.

Por isso é que se deve ter cuidado diante da decadência dos corruptos.

A agressão física contra ele só pode complicar as coisas para quem protesta contra Cunha.

A direita vai promover os manifestantes como pretensos petistas, apesar da raiva da "atiradora" contra Lula.

E isso pode desmoralizar os protestos e fazer a sociedade brasileira voltar à letargia social dos anos 90.

Já existe gente querendo que o Brasil temeroso se transforme em mais um momento de calmaria social como nos tempos de Fernando Henrique Cardoso.

Um país adormecido, que regride de forma silenciosa e passiva. Isso será mal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…