Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER E O AUTORITARISMO DA PEC 241


A mídia patronal está explicitamente torcendo para a vitória da PEC 241.

A PEC do Teto, na verdade, a PEC da Catástrofe, será uma cicatriz da ferida sangrenta que se fará na Constituição Federal, num presente amargo dado aos seus 28 anos, completos no último dia 05.

A medida, que congelará gastos públicos por 20 anos e não permitirá aumentos acima da inflação, é comemorado pela plutocracia como a "chave para o crescimento econômico".

Claro que isso é incoerente, afinal que corte de investimentos representará crescimento econômico, principalmente em setores complexos como Educação, Saúde e Assistência Social?

A mídia venal, praticante do "jeitinho brasileiro", tem um argumento na ponta da língua para convencer os incautos.

Diz que o corte de gastos irá "evitar excessos" e "inibir a corrupção".

Grande lorota. O que vai ocorrer é que o setor público ficará mais pauperizado, por mais que Temer faça concessões aqui e ali.

Provavelmente esperando que a imprensa dominante lhe apresente hospitais com problemas sérios de atendimento e outras irregularidades.

Se o Fantástico da Rede Globo mostrar uma longa reportagem sobre hospitais deficitários no interior de Minas Gerais, tudo bem.

Temer anuncia um investimento extra e tudo fica resolvido.

Ele só age assim, quando há alguma pressão forte. E mesmo assim, de maneira limitada.

Até porque o teto será usado sob o pretexto de conter a dívida pública.

Mas o que será feito para conter o excedente de demanda da Educação, Saúde e Assistência Social?

Como o governo Temer segue uma pauta ultraconservadora, como se fosse um governo Geisel andando para trás, a solução não poderia ser outra: iniciativa privada.

Temer quer privatizar tudo o que ele achar possível.

Seu ministro da Educação, José Mendonça Filho, já fala em admitir que universidades públicas cobrem mensalidades.

Para eles, tudo bem, vai ser uma "higienização" dos campi universitários.

E os planos de saúde poderão incluir em suas mensalidades a renovação da coleção de paletós dos médicos de nome, e os vestidos de gala de suas esposas.

E a Previdência Social, privatizada, dará pouco do que cobrou, em taxas, dos futuros aposentados.

A dívida pública continuará, na prática, e será maior em dimensões incontáveis.

O problema é que, com a determinação do teto de gastos públicos, o governo Temer negará a responsabilidade pela dívida social que causar com a "peque".

E aí, vai ocorrer o que o anedotário registrou de um depoimento do general Emílio Médici: "O Brasil vai bem, mas o povo vai mal". Isso se repetirá no Brasil temeroso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…