Pular para o conteúdo principal

OPERAÇÃO FOR ALL, PRECONCEITO E PRIVATIZAÇÃO DA "CULTURA POPULAR"

SOLANGE ALMEIDA, DOS AVIÕES DO FORRÓ, NA SAÍDA DE SEU DEPOIMENTO NA POLÍCIA FEDERAL. 

A Operação For All, mais do que um processo de investigação de fraudes e sonegações de ídolos popularescos, irá fazer o Brasil repensar aquilo que, ultimamente, é conhecido como "cultura popular".

Nem casos como o Procure Saber e ECAD/Ana de Hollanda conseguiram chegar a tanto.

Até pouco tempo atrás, tínhamos uma forte blindagem intelectual em volta dos tais sucessos "populares demais" da música brega-popularesca.

O próprio termo "brega-popularesco", que envolve tendências que vão dos primeiros cafonas ao mais escancarado comercialismo musical de hoje, praticamente só existe na Internet.

A imprensa até hoje nunca publicou o termo devidamente.

A ideia é transformar a MPB num "balaio de gatos", numa "casa da Mãe Joana", em que até às mulheres-frutas era prometido o paraíso futuro à direita de Tom Jobim.

O termo "brega-popularesco", que tem cerca de 15 anos, veio para chamar a atenção ao comercialismo tosco que, desde os primeiros ídolos cafonas, promovia a degradação cultural da música brasileira junto a fenômenos comportamentais e outros aspectos.

Era um mercado voraz, de uma suposta "cultura popular", com ênfase na música, que promovia uma visão idiotizada das classes populares e movimentava gigantescas somas financeiras.

Essa "cultura popular demais" sempre teve apoio das oligarquias políticas, econômicas e midiáticas nacionais e regionais.

Para elas, era bom trabalhar uma imagem caricatural do povo pobre, até para enfraquecer seu potencial de mobilização política.

E se hoje surpreendemos com o envolvimento do Poder Judiciário e do Ministério Público para atender a interesses oligárquicos, não nos atentamos com a blindagem intelectual que veio em prol da breguice dominante.

De repente, como num entardecer de temporal que sucede uma manhã de sol intenso, surgiram intelectuais que rejeitavam todo debate e questionamento ao "popular demais".

O menor "piu" contra os fenômenos que faziam estrondoso sucesso nas rádios, TVs e, recentemente, no mainstream da Internet, era visto como "preconceituoso".

Pode ser o questionamento mais objetivo, mais exato, que a plutocracia intelectual reagia acusando os contestadores de "elitistas", "moralistas" e "higienistas".

Houve quem dissesse que defender a melhoria na cultura popular era "fascista".

Essa plutocracia intelectual, a intelectualidade "bacana", tinha um sério agravante.

Eles vinham dos porões culturais do PSDB, treinados pelo tucanato acadêmico e seus associados (como gente ligada à Folha e à Globo), para fazer suas pregações na trincheira adversária.

E aí eles inseriram preconceitos da Folha e Globo na imprensa esquerdista, como Caros Amigos, Carta Capital, Fórum e Brasil de Fato.

Não por acaso, Pedro Alexandre Sanches e Sérgio Moro são da mesma geração, maringaenses que viveram sem problemas sua infância no Brasil do "milagre brasileiro".

Apesar do lacrimejante apelo de "combater o preconceito", o que a intelectualidade "bacana" queria era defender uma imagem de classes populares que já surgia seriamente preconceituosa.

Um "povo pobre" patético, ridículo, impotente, resignado, apegado a valores sociais retrógrados ou grotescos.

"Aceitar" essa imagem foi o imperativo que a intelligentzia empurrou durante anos nas páginas da mídia esquerdista.

Mas o estranho é que era uma visão que nem de longe desagradava os barões da grande mídia.

O "funk", por exemplo. A aparição de MC Guimê na capa da revista Veja derrubou completamente a imagem "guevarizada" que a intelligentzia trabalhava a respeito do funqueiro-ostentação que queria ser o "Eminem brasileiro".

Isso sem falar que a Globo, desde os anos 80, tornou-se não só receptiva à bregalização cultural que tornou-se um dos veículos de maior propaganda.

A Globo tentou "emepebizar" os "pagodeiros" e "sertanejos" da Era Collor, mas essa MPB fake nunca passou de música para motel cujo repertório autoral continuava tão constrangedor que antes.

Passaram-se os anos, vieram os escândalos e posturas reacionárias que derrubaram um a um os ídolos popularescos que integravam o cardápio do "dirigismo cultural" que a intelligentzia impunha às esquerdas.

Privatizaram a cultura popular que agora está nas mãos de empresas do entretenimento, uma realidade que não pode ser subestimada, pois revela a farsa desse pretenso discurso da "cultura das periferias" que só serve para enriquecer os barões dos "sucessos do povão".

E agora tem a Operação For All, cujo primeiro foco é o grupo Aviões do Forró, um dos nomes mais blindados pelos chamados midiotas das redes sociais.

E isso é só o começo. Em Salvador, a axé-music decai com seus escândalos locais, como carro de luxo comprado por cantor de arrocha, acusações de estupro no "pagodão" e fraudes trabalhistas de ídolos da axé-music contra seus empregados.

Embora alguns midiotas, tentando "recuperar" o esquerdismo fake do "popular demais", tentem comparar Xand e Solange Almeida, dos Aviões, a Lula e Dilma enquadrados pela Lava Jato, o brega-popularesco aparece, aqui, como um Aécio Neves sendo finalmente investigado.

Poucos se lembram que o "popular demais" sempre teve apoio da mídia venal nacional e regional e os políticos que eventualmente patrocinavam seus ídolos são ligados a partidos de direita, que hoje apoiam Michel Temer.

As rádios que tocam essas músicas são controladas por empresários que as receberam de presente de José Sarney, Antônio Carlos Magalhães e, mais tarde, Fernando Collor e Fernando Henrique Cardoso.

Portanto, as intelectualidades progressistas, depois de, sem querer e sem perceber, engrossar o coro da mídia plutocrática que promoveu a supremacia da breguice dominante, começam agora a pensar.

Armadilhas como a intelectualidade pró-brega e o Judiciário seletivo são apenas alguns dos principais ardis montados para enfraquecer governos progressistas.

Com a infiltração da centro-direita intelectual nas esquerdas, passou-se a pensar a cultura popular sob uma ótica rentista e financista, enquanto se consentia em ver o povo idiotizado e preso aos seus piores paradigmas.

Isso enfraqueceu o esquerdismo, na medida em que as próprias esquerdas foram forçadas a acreditar em visões de cultura popular trazidas pela mídia venal. Esquecem que o termo "periferia" veio principalmente da Teoria da Dependência de FHC.

Resultado: a maioria do povo pobre, empurrada para o espetáculo grotesco do brega-popularesco, ficou de fora dos debates públicos que mais lhe interessavam.

A falácia de que era melhor o povo rebolando do que lutando por reforma agrária iludiu as esquerdas, mesmo alguns ativistas e jornalistas mais bem intencionados.

O debate esquerdista se esvaziou e os midiotas que blindavam o brega-popularesco foram também se vestir de verde-amarelo para pedir o "Fora Dilma". A intelectualidade "bacana" abriu caminho para a urubologia dar sua réplica, que era o objetivo desta manobra.

O caminho que veio de Milton Moura elogiando É O Tchan acabaria em Rodrigo Constantino bancando o falso moralista cultural.

Agora, com as esquerdas fora do poder, a dívida do debate público está sendo saldada com avaliações autocríticas de muitos jornalistas, economistas, juristas etc.

O "combate ao preconceito" só gerou mais preconceito ainda. E a dita "cultura popular" criou um mercado arrivista de poderosas empresas de entretenimento que cometem sonegações de impostos e fraudes trabalhistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…