Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER E O OTIMISMO FORA DA REALIDADE


Um governo de faz-de-conta simula um falso progresso econômico para o Brasil.

Michel Temer viajou para Tóquio depois de anunciar uma redução pequena nos preços dos combustíveis, que não trará reflexos profundos na economia.

A mídia associada está zen. Até parece que um perfume de flores contagia as redações da Globo News, por exemplo.

Tudo de repente parece maravilhoso. Temer como um garoto-propaganda da plutocracia, nos contatos com autoridades e investidores estrangeiros.

No encontro de cúpula dos BRICS, várias autoridades viam o presidente brasileiro com apreensão.

Sua ênfase no setor financeiro e suas ideias conservadoras demonstram um grande distanciamento do presidente em relação aos interesses e necessidades das classes populares.

Temer, como presidente sem voto, representado apenas pelos 428 votos do impeachment que tirou Dilma Rousseff do poder, 367 da Câmara dos Deputados e 61 do Senado Federal, não tem o menor carisma popular.

Ele apenas forja um falso carisma, pelo menos dentro do faz-de-conta da mídia associada, já que a mídia venal cria ficção em tudo relacionado ao Brasil.

Temer, já em Tóquio, desmentiu as acusações que delatores da Odebrecht de que vários ministros e aliados do presidente temeroso teriam recebido propinas.

Havia ministros como Leonardo Picciani, de rica família carioca, Moreira Franco e Geddel Vieira Lima, a parlamentares como o senador Romero Jucá.

Temer disse que as acusações são "apenas alegações".

Ele se esqueceu do escândalo que uma conversa gravada entre Jucá e o ex-senador e ex-presidente da Transpetro (subsidiária da Petrobras), Sérgio Machado, tiveram meses atrás.

Os dois estavam nervosos, queriam afastar Dilma Rousseff do poder porque ela queria que a Operação Lava-Jato avançasse suas investigações sobre o envolvimento de políticos do PMDB e PSDB.

A conversa deu fortes indícios do medo dos políticos do PMDB e PSDB serem pegos e condenados. Um medo de que provas viessem à tona, derrubando os que hoje estão no poder.

O próprio Temer teve comparações fortes ao hoje cassado Eduardo Cunha. "Temer é Cunha, Cunha é Temer", disseram os interlocutores. E Aécio era considerado o tucano mais encrencado no esquema de corrupção.

Alegações?

Agora tudo isso parece "mudado" e os detentores do poder de hoje têm uma imagem mais "limpa" e "podada". A mídia venal ajuda muito.

Só que tudo isso é apenas ficção, um otimismo fora da realidade.

No lado de cá, dos brasileiros comuns, o que existe é a ameaça de um colapso geral no Brasil, com efeitos trágicos, com a PEC 241 e as temerosas reformas.

Temer governa o país, e um temor de algo pior domina os brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…