Pular para o conteúdo principal

CÂMARA DOS DEPUTADOS PREPARA PRESENTES AMARGOS PARA O POVO BRASILEIRO


Além da votação da PEC 241, a PEC da Catástrofe, a Câmara dos Deputados, com forte lobby dos aliados do governo Temer, já preparou ontem outro presente amargo.

A Câmara aprovou o projeto do então senador José Serra, hoje ministro das Relações Exteriores do temeroso governo, que dá fim à obrigatoriedade da Petrobras de exploração única das reservas de pré-sal existentes no Brasil.

Isso significa que haverá a participação de empresas estrangeiras na exploração do recurso, o que significa uma futura evasão de dinheiro, para as fortunas dos grandes magnatas do petróleo.

A Petrobras deixa de ter a obrigatoriedade de explorar, no mínimo, 30% das reservas de pré-sal, como sócia, e atuar como operadora única dos trabalhos de exploração.

O petróleo periga não ser mais nosso.

Primeiro, porque a Petrobras corre o risco de ser privatizada.

Será, neste caso, controlada por aquele mesmo tipo de consórcio de empresas, em que sócios brasileiros são testas-de-ferro de sócios estrangeiros.

E os investidores estrangeiros seguem aquela fórmula paródica de compartilhar renda, como se viu nos desenhos animados: "Um para você (brasileiro), dois para mim. Outro para você, dois, dez, um milhão para mim, etc".

Segundo, porque a parte do "bolo" do pré-sal será também explorada pelas "irmãs" do petróleo, como as gigantes Chevron, BP e Total.

A Total é famosa no Brasil pelo comercial pateticamente dublado que passou na TV, com os movimentos dos lábios não coincidindo com as palavras.

Nem para produzir comercial brasileiro, pelo menos, a Total teve a iniciativa.

Quanto à PEC 241, a pressão do governo Temer e seu escudeiro, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, tornou-se forte.

Os partidos foram induzidos a apoiar a maléfica proposta e o parlamentar de um desses partidos que votar contra a "peque" será expulso.

Partidos como PTB, PP, PSD, PR, PSC e, sobretudo, PMDB e PSDB, declararam apoio à monstruosa medida.

Os defensores do projeto tentam dizer que a PEC 241 "não vai cortar gastos públicos", mas evitar "aumentos abusivos e desnecessários".

Mas vejamos os valores que especialistas apontam que deixarão de ser investidos com a chamada "PEC do Teto", só nos próximos 10 anos.

Na Educação, a perda será de R$ 58,5 bilhões. Na Saúde, R$ 161,04 bilhões. Na Assistência Social, R$ 125,6 bilhões.

Será uma subtração de R$ 351,14 bilhões, o que impossibilita muitos benefícios para as classes populares.

Com valores muito acima disto, a Rede Globo será ajudada pela máquina estatal, dentro deste espaço de tempo.

A PEC 241 será votada na próxima semana. Será uma das alterações violentas da Constituição de 1988.

Tanto no caso da PEC quanto da quebra do monopólio da Petrobras no pré-sal, ainda existem itens a serem discutidos pelos parlamentares, mas tudo sinalizará para a prevalência dos interesses do "deus mercado".

O Brasil está altamente vulnerável, ameaçado de jogar suas conquistas históricas no lixo.

E o pior é que se vê pessoas sorridentes, achando que vivemos o melhor dos períodos. Alegria assim só pode nos trazer muita tristeza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…