Pular para o conteúdo principal

GRANDE MÍDIA MENTIU SOBRE PREÇO DE GASOLINA


Tão zelosa, aparentemente, pelo direito à informação e pela imparcialidade da notícia, a grande imprensa empresarial está dando a publicar mentiras descaradas.

Uma das mais recentes foi a da suposta redução do preço da gasolina, que os jornalistas pró-Temer comemoraram como se fosse um impulso para o crescimento econômico.

Na semana passada, se deu a notícia. A maioria das fontes anunciou uma redução de gasolina em 3,2% e de diesel (combustível usado por caminhões e ônibus), em 2,7%, com o preço caindo em torno de R$ 0,05.

Mas especialistas afirmaram que a redução não chegaria aos consumidores.

A mídia se contradisse, dizendo que a "histórica redução" iria dar a largada e levar a locomotiva do desenvolvimento econômico para funcionar, sobre a "ponte para o futuro" do governo temeroso.

Ou seja, como um crescimento econômico se dará se o consumidor de combustíveis não iria sentir o impacto dos preços?

Foi um grande blefe, e os preços dos combustíveis tiveram aumento anunciado para esta semana.

Só a gasolina teve um aumento de 0,05%. Pequeno, mas que reflete nos litros de combustíveis que são constantemente pagos nos postos em todo o Brasil.

Para disfarçar o "mico", a imprensa corrobora a desculpa dada pelos empresários de postos.

A de que o etanol teria pesado mais nos aumentos dos preços. Teria sofrido um aumento de 0,2% no aumento médio comercializado nos postos.

No entanto, a União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), que representa os produtores de açúcar e etanol, desmentiu que o aumento do preço do etanol fosse determinante para os combustíveis em geral.

Mais vergonha para a grande imprensa, que o brasileiro médio considera "mais responsável" e que no entanto anda praticando mais erros gramaticais e publicando mentiras vergonhosas.

Nem a agilidade da grande mídia existe mais, apesar da Internet.

Só num entretenimento como o jogo de ontem, entre Flamengo e Corinthians no Maracanã, o jogo já havia terminado no empate de 2 a 2 e o portal G1, na sua página principal, ainda creditava a partida como "em andamento" com o resultado de 1 a 2, respectivamente.

E isso diante de um entretenimento considerado muito popular e com forte apelo de mídia.

É essa imprensa "imparcial, ágil e responsável" que recebe generosas gorjetas do governo Temer.

Enquanto isso, a "imprensa partidária" e seus "blogues de opinião" estão cada vez mais surpreendendo entrevistando juristas, educadores, jornalistas e outros especialistas sérios que discutem os problemas do país e até fazem críticas profundas ao PT.

Críticas, aliás, sem o rancor intolerante e vingativo dos midiotas, mas com análises objetivas que veem os erros que o PT realmente cometeu.

Verdadeiras aulas de Pedagogia, Direito, sobretudo Constitucional, Jornalismo e Ciência Política se encontram em páginas como Conversa Afiada, Carta Maior, Carta Capital, Viomundo e Jornal GGN, entre outros.

Mas Michel Temer, é claro, não vai investir nestas páginas, até pela natureza do atual governo.

Temer prefere investir em gente irresponsável, como a mídia venal e os "indignados" como o MBL, porque pelo menos essa gente o apoia o seu golpe governamental que segue seu caminho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…