Pular para o conteúdo principal

GLOBO NÃO TEM MORAL PARA MOSTRAR REPORTAGENS SOBRE DESEMPREGO


Na última quinta-feira, a Edição das Seis, da Globo News, realizou uma reportagem sobre desemprego.

Nela se falou da conhecida recessão econômica, da necessidade de cortar gastos etc etc etc.

Como veículo de propaganda do governo Temer, a Globo é entusiasta da PEC 241.

Evidentemente, as Organizações Globo fazem parte da frente ampla que promoveu o assalto ao poder, jogando 54,5 milhões de votos no lixo.

Daí a lógica do corte: resolveu ficar apenas com os 367 votos da Câmara dos Deputados, dados em 17 de abril passado, e com os 61 votos do Senado no último 31 de agosto.

Portanto, o presidente Michel Temer é representado por apenas 428 parlamentares.

Praticamente uma prévia da eleição indireta que recolocará um tucano no poder. Neste ano, o Congresso Nacional pôs no poder um peemedebista alinhado com o tucanato.

E aí o otimismo dos comentaristas da Globo News deu uma pausa.

Mostrando caso de desempregadas cariocas fazendo peregrinação para obter trabalho, o noticiário da Globo News ainda divulgou que a recessão só vai acabar em 2020.

Nós temos a solução para essa recessão acabar bem mais rápido, e com grande sucesso.

É só a plutocracia que está no poder abrir mão de luxo, fortuna, viagens desnecessárias, festas pomposas e bens supérfluos.

A verdade é que a Globo não tem moral para mostrar reportagens sobre desemprego.

Seus donos, os irmãos Marinho, João Roberto, José Roberto e Roberto Irineu, são detentores de uma fortuna de R$ 28,9 bilhões, segundo a revista Forbes.

Estão entre os mais ricos do Brasil e também do mundo.

Os multibilionários irmãos Marinho sonegam impostos e o Estado, em vez de cobrar algum tributo deles, ainda lhes presenteia com generosas verbas públicas para a publicidade.

Enquanto a PEC 241 vai impedir investimentos urgentes em hospitais e escolas, diante das restrições de gastos públicos, o dinheiro só se multiplica nos cofres dos Marinho.

Enquanto o desemprego atinge cerca de 12 milhões de desocupados, os Marinho praticamente mergulham na sua grana em dimensões nababescas.

A Globo exerce uma concentração de poder descomunal com a propriedade cruzada. Possuem de jornais e revistas impressos a portais de Internet, passando, é claro, pela famosa Rede Globo de Televisão.

A Globo exerce influência no inconsciente coletivo do povo brasileiro, em muitos casos atingindo gente que aparentemente abomina a corporação midiática, mas assimila seus valores.

Em parceria com a igualmente reacionária Jovem Pan (de outro grupo empresarial), a Globo fez uma gíria de clubbers drogados, "balada", transformar na "gíria de todos os brasileiros de todos os tempos".

A Globo dita o gosto popular do grande público - boa parte do brega-popularesco que atinge o "povão" é difundido pelo império midiático - e influi até no repertório tocado pelas FMs de pop adulto.

É um poder imperial, comparável ao dos tiranos do Império Romano.

E seus donos, extremamente ricos, devem rir do desemprego de muitos brasileiros.

Se o Estado confiscasse boa parte da fortuna dos Marinho e distribuíssem para a população, com toda a certeza boa parte do desemprego cairia no país e a renda dos brasileiros melhoraria de forma satisfatória.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…