Pular para o conteúdo principal

PEC 241 SERÁ A NOVA PRIVATARIA


Todo mundo sabe que a PEC 241, a PEC do Teto, inviabilizará uma boa parte de políticas públicas.

Será uma tragédia, com a extinção do SUS e sua substituição por um plano de saúde privada "popular".

Que talvez não tenha a "Bolsa Granfino" para financiar festas de gala e coleções de roupas chiques dos empresários da Educação e da Saúde.

Os ricos terão a sua comissão para o conforto acima do necessário, ou seja, o luxo.

Os pobres terão que pagar só para resolverem doenças, não raro graves.

E os planos "populares" muito provavelmente serão limitadíssimos, não cobrirão todos os serviços hospitalares.

A PEC 241 causará um quadro devastador, e muita gente morrerá nos hospitais por não ter a necessária fortuna para um bom tratamento.

Ou então porque terão que aguentar hospitais públicos superlotados, calorentos, asfixiantes, cujos médicos são poucos e o atendimento, precário por todos os motivos conhecidos.

Na Educação, professores ganharão menos e não terão a qualidade de vida necessária para permitir um melhor preparo para ensinar os alunos.

Vão trabalhar mais e receber menos que recebiam até vir esse golpe temeroso.

E os aposentados terão que trabalhar até morrer, porque o dinheiro da Previdência Social será pouco e tardio.

Em muitas regiões, nem haverá aposentados. Os trabalhadores morrerão antes dos 65 anos que Temer quer estabelecer como idade mínima.

PEC do Teto, reforma trabalhista, reforma previdenciária e Escola Sem Partido compõem o cardápio indigesto da "Ponte para o Futuro" do Plano Temer, na verdade uma pinguela para o passado.

Com a "peque", Temer irá mover seu rolo compressor sobre as políticas sociais.

Na reforma da Previdência Social, ele irá desvincular do salário mínimo os benefícios da previdência, e entre eles aqueles destinados a idosos e deficientes físicos de baixa renda.

O Benefício de Prestação Continuada destinaria a enviar recursos adicionais às prefeituras.

Até crianças deficientes deixarão de ser auxiliadas com o veto desse benefício.

Opositores de Temer já definem isso como um dos primeiros atos do projeto Criança Feliz (sic), que tem à frente a primeira-dama Marcela Temer.

E todo esse pacote do Plano Temer é defendido pela mídia venal como se fosse a salvação da humanidade.

Tem a mesma sinopse do confisco da poupança da Era Collor e, com algumas adaptações, ao programa de privatizações da Era FHC.

O roteiro é esse: impõe-se uma medida impopular, sob a desculpa de resolver a crise e promover o desenvolvimento econômico.

Cria-se uma torcida para que tais projetos sejam realizados, frustrando todo tipo de oposição, como que se derrubasse barreiras com trator.

E aí, quando tudo é realizado, pronto: a mídia comemora, o mercado celebra e dorme tranquilo.

O confisco das poupanças revelou um escândalo de corrupção por trás: o esquema do misteriosamente falecido tesoureiro Paulo César Farias, o "esquema PC".

A onda de privatizações de FHC revelou um outro escândalo: o da Privataria Tucana.

Qual o novo escândalo que a PEC 241 do governo Temer irá revelar?

Hoje ninguém sabe afirmar e há quem negue que vá ocorrer algum.

Mas o tempo dirá e é possível que a podridão seja revelada em questão de alguns anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…