Pular para o conteúdo principal

PEC 241 ABRE CAMINHO PARA PROJETOS SOCIALMENTE EXCLUDENTES


A aprovação dos deputados federais à PEC 241 que prevê corte de gastos foi comemorada pela mídia patronal.

O presidente Michel Temer, então, considerou a aprovação como uma vitória política sua.

Nas relativas vitórias que obteve, não pelo apoio popular mas pelo lobby articulado de seus aliados, Temer tenta neutralizar os efeitos das manifestações contra seu governo.

Temer acha que o grito "Fora Temer" vai morrer pelo cansaço da banalização.

O grito não vai morrer, mas a pressão da mídia patronal sobre a opinião pública usa uma estratégia bastante perigosa.

Tenta divulgar os manifestos "Fora Temer" de maneira que a banalização enfraqueça os movimentos, perdendo seu sentido de urgência e vontade popular.

A ideia é fazer o grito "Fora Temer" ser tão inócuo quanto um espirro dado por alguém na rua.

Ou como uma tosse, que é um incômodo que passa.

Temer tenta ganhar tempo, com seu pacote de maldades para a população.

Ele quer extinguir tudo que foi deixado pela antecessora Dilma Rousseff, desobedecendo uma promessa timidamente dada quando assumiu na interinidade.

Temer havia prometido manter as realizações do governo Dilma.

Disse sem muita convicção, na época.

Mas hoje, como demonstrou com a PEC 241, a "PEC do Teto", Temer já considera as façanhas do governo Dilma "águas passadas".

Ele quer cortar gastos, quer privatizar, já está negociando a venda no setor elétrico e, evidentemente, no petrolífero, em especial o pré-sal.

Quer deixar um Estado anoréxico que só possa atender aos interesses dos mais ricos.

Com tamanho cinismo, Temer queria tanto aprovar a PEC 241 que promoveu uma exoneração provisória de três ministros, que para a votação na Câmara dos Deputados voltaram ao correspondente cargo.

Tudo para empurrar o corte de gastos, que a plutocracia jura que não é "redução das contas públicas".

Tenta nos fazer crer que é apenas um "controle de gastos públicos", não uma "redução".

Mas, de maneira não muito disfarçada, acabam cortando os gastos públicos, sim.

Afinal, é um discurso que a plutocracia não consegue explicar com clareza.

Você lê os artigos da grande imprensa patronal e não consegue entender. Só consegue "pescar", em textos prolixos, que o governo Temer, segundo essa abordagem, está apenas "arrumando a casa".

Mas, fora das redações venais, o buraco tende a ser mais embaixo.

Temer apenas está dando início a uma série de medidas de exclusão social.

E já começa com força, com a PEC 241, com prazo de 20 anos.

Diante disso, é estarrecedor ver que a classe média está toda, toda feliz.

O corte de gastos irá causar um colapso na Saúde, Educação e Assistência Social.

E jogar tudo para a iniciativa privada não é a solução.

Até porque os serviços não serão gratuitos, as mensalidades serão caras e haverá até o "Bolsa-Granfino" para financiar as coleções de paletós e vestidos e as festas chiques dos acadêmicos e médicos.

A coisa pública cada vez mais está sendo descartada.

Então não chamemos o governo Temer de República, de res publicae, "coisa pública".

Vamos chamar esse governo temeroso de Reprivata, de res privatae, "coisa privada".

Porque o que o presidente da Reprivata quer é satisfazer os interesses privados do mercado e seus detentores diretos e indiretos de privilégios.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…