Pular para o conteúdo principal

POVO POBRE: MAIS CONSUMO E MENOS CIDADANIA?


Há um grave problema envolvendo as abordagens aparentemente progressistas sobre a cultura das classes populares.

É a estranha qualidade de vida que alguns intelectuais, por boa-fé, e outros, por má-fé, afirmam querer para as classes populares.

Os pobres fazendo o papel de ridículos obedecendo a uma abordagem caricatural trazida pela grande mídia.

Pessoas pobres felizes porque moram em barracos vulneráveis construídos precariamente nos morros de acessos difíceis e arriscados.

Pessoas pobres felizes porque trabalham no subemprego do comércio informal, vendendo produtos obsoletos, piratas ou contrabandeados.

Moças pobres felizes porque usam o corpo para mercadoria, vendendo-o para o sexo voraz de machos supostamente carentes.

Idosos pobres felizes porque passam o resto de seus dias se limitando a se embriagarem e falarem besteira nos botequins.

Mendigos também embriagados se comportando como débeis-mentais nas suas andanças errantes pelas ruas.

Quer dizer que isso é felicidade?

Perder o preconceito é aceitar essa imagem degradante do povo pobre?

Ela não é fruto de preconceitos muito piores?

E a aceitação, não é complacência com preconceitos e não o combate aos mesmos?

Vemos uma intelectualidade cultural que se diz "progressista" cometendo certas omissões sociais muito perigosas.

Imaginam que o povo pobre não tem sentido fora do circuito da mídia e do mercado.

Culturalmente, o povo pobre deixa de assumir a herança horizontal dos vínculos comunitários para assumir a herança vertical do "popular" hipermidiatizado.

Isso é a "verdadeira cultura popular"?

Com multidões indo que nem gado para a casa noturna mais próxima do seu subúrbio, roça ou sertão, para consumir o "ídolo do momento"?

Essa visão é economicista mas não resolve os problemas sociológicos existentes.

E nem explica os conflitos entre a grande mídia e o povo pobre, que não se manifestam necessariamente nos telejornais.

Ver que só uma enxurrada de dinheiro irá trazer cidadania para as classes populares é simplório.

Se dinheiro não traz felicidade, iria trazer melhorias de vida para a população?

Sem melhorias na Educação, na Saúde, no saneamento?

Ou será que a intelectualidade pensa que as prostitutas são felizes em transar com fregueses grosseiros, agressivos, violentos?

Ou pensa que os pobres são felizes em vender produtos piratas, os idosos e infelizes se "consolarem" pelo sabor amargo da bebida alcoólica, cujo consumo excessivo lhes faz vomitar?

Ou pensa que os pobres são orgulhosos em viver em casas precárias que, diante de um temporal, sempre sofrem algum tipo de destruição?

Será que o acréscimo de algumas somas financeiras irá evitar tudo isso, apenas trazendo mais consumo e entretenimento para a população pobre?

E o ídolo musical brega, reduzido a um pastiche de MPB sem a visceralidade dos emepebistas originais, ele estará sendo "mais artista" recebendo a grana que ele só investirá na compra de direitos autorais para uns covers manjados?

Não. Dinheiro, por si só traz apenas mais consumo.

O povo pobre não quer só dinheiro, mas condições para poder se emancipar socialmente.

O povo pobre sabe o que quer: não um carro importado nem uma festa no apê, nem tênis caros ou homens e mulheres sarados para as orgias.

O povo pobre quer melhor Educação, mais saneamento, casas populares, reforma agrária para ter um sítio para plantar o que vai comer ou vender.

O povo pobre quer qualidade de vida, cidadania, dignidade.

Mas tudo o que a intelectualidade dominante lhes oferece é consumismo e espetáculo, como velhos colonos portugueses oferecendo espelhos para indígenas.

Não há como ser progressista assim. Ainda mais dizendo que é "sem preconceitos" sendo cruelmente preconceituoso com o povo pobre.

Combater o preconceito não é aceitar tudo como está, mas ver a coisa com isenção e ajudar a resolver os problemas existentes nas classes populares.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…