Pular para o conteúdo principal

FURACÃO 2000 HAVIA NOMEADO XUXA E LUCIANO HUCK "EMBAIXADORES DO FUNK"


17 de abril. Manhã de domingo. Enquanto se esperava a votação na Câmara dos Deputados para a abertura do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff, algo estranho aconteceu.

Uma manifestação de solidariedade a Dilma Rousseff foi acompanhada de um trio elétrico da Furacão 2000, reduzindo o evento a um "baile funk" ao ar livre.

As esquerdas médias comemoraram, achando que o apoio dos funqueiros iria fortalecer o movimento pró-Dilma.

Estavam enganadas. O apoio acabou enfraquecendo as esquerdas e fortaleceu as forças oposicionistas.

Rômulo Costa não é o que podemos chamar de esquerdista convicto. Alguém que você não pode convidar, por exemplo, para discutir a regulação dos meios de comunicação.

Até a Fabíola Reipert, da Rede Record, considera Rômulo um dos empresários mais ricos do país.

Ele foi casado com a deputada Verônica Costa, a "mãe loura", que estabeleceu carreira política sob legendas nada esquerdistas.

Atualmente, ela é do mesmo PMDB carioca do desafeto de Rômulo, o deputado afastado Eduardo Cunha.

Cunha se ascendeu praticamente ao mesmo tempo em que surgiu o "funk carioca" que conhecemos.

É quando os ricos empresários de "funk", como Rômulo Costa e DJ Marlboro, jogaram no lixo as lições da black music e criaram do nada um estilo sonoro que não passa de um tosco karaokê em cima de uma mesma base rítmica eletrônica.

Os dois sempre tiveram em boa conta com os barões da grande mídia. Sobretudo as Organizações Globo.

Lançaram muitos discos pela gravadora Som Livre, o braço fonográfico da Globo.

O "funk" deixa claro que cresceu, e muito, graças à ajuda da Rede Globo.

Tem até um "funk" em homenagem à Globo.

Esse crescimento atingiu o ponto máximo entre 2003 e 2006, quando o "funk" entrava em tudo quanto era programa da Rede Globo e outros veículos das Organizações Globo.

Era o começo da gestão dos irmãos Marinho, depois que seu pai Roberto Marinho adoeceu e morreu.

A Furacão 2000 nomeou como "embaixadores do funk" primeiro a Xuxa Meneghel, quando era estrela da Globo, e Luciano Huck, o conhecido apresentador filiado ao PSDB, com passagem na Jovem Pan e amigo de Aécio Neves.

Está no Wikipedia, pelo menos quando consultamos, na produção deste texto, o perfil da Furacão 2000 neste portal (não fomos nós que editamos):

"Se antes a embaixadora do Funk na TV Globo era a apresentadora Xuxa, nesta década é Luciano Huck que toma esse papel. Vários artistas do mundo da música Funk passaram por seu programa. Além da exibição de artistas, existe uma coletânea de funk carioca chamado "Pancadão do Caldeirão do Huck" com músicas de diversos cantores e grupos, entre eles MC Koringa com O Tamborzão tá Rolando".

Ambos deram suas alfinetadas ao governo Dilma que a "mui amiga" Furacão 2000 fingiu ter solidariedade, abafando um protesto com a espetacularização musical de fazer Guy Debord corar de vergonha, se fosse vivo e estivesse no Brasil.

Luciano Huck, mesmo discreto, disse que estava torcendo para que fosse derrubado "tudo isso que está aí", um jargão típico dos anti-petistas histéricos.

Já Xuxa Meneghel, que chegou a ser diplomática com Dilma em outra ocasião, protestou contra o governo e ainda chamou os militantes do PT de "xiitas".

Isso sem falar do pessoal que declarou seu apoio ao "funk", em diferentes ocasiões.

Notem a lista: Gilberto Dimenstein, Danilo Gentili, Alexandre Frota, Ana Maria Braga, William Waack, Pedro Bial, Susana Vieira e um Lobão já na sua histeria direitista.

Certa vez, um Lobão "endireitado", escrevendo livro com Cláudio Júlio Tognolli, afirmou que sentia mais entusiasmo com o "funk" do que com o Rock Brasil.

O cara que, alterando uma música própria (mas com letra de Bernardo Vilhena), para chamar Dilma Rousseff de "bandida", deu altos elogios a Tati Quebra-Barraco e divulgou Mr. Catra.

Até o Estadão também teve consideração com o "funk". Um jornal plutocrático por excelência, que em 1932 chegou a ter um dos seus donos lutando em São Paulo contra o governo de Getúlio Vargas.

Fica complicado dizer que o "funk" é "discriminado" pela grande mídia.

Fica complicado dizer que o "funk" é petista, se o maior divulgador é amigo de Aécio Neves.

Ou se Alexandre Frota, "mentor" das precursoras das mulheres-frutas, virou divulgador da Escola Sem Partido, oferecendo a causa para os "notáveis" de Michel Temer.

Isso quando, na Curitiba de Sérgio Moro, uma professora daquela cidade conservadora entendeu que falar de marxismo numa versão de "Baile de Favela" era "mostrar a realidade" para os alunos.

Ou na São Paulo de Geraldo Alckmin, quando alunos protestavam usando um "funk ostentação" que é puramente capitalista, uma ode ao consumismo e às mercadorias de preços caríssimos.

Sinceramente, concordo que o "funk" não veio de Marte.

Ele veio da Globo.

O "funk" é "o caldeirão". Do Luciano Huck.

O "funk" é o povo pobre, sob o ponto de vista da plutocracia e seu "livre-mercado".

Daí que "funk", em inglês, não significa Lula nem Dilma. Significa Temer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…