Pular para o conteúdo principal

INTELECTUAIS "BACANAS" NÃO QUEREM DEBATER A CULTURA BRASILEIRA


Jabá dado não se olha as vísceras.

Vemos que, com a crise do governo Michel Temer, alguns caronistas aproveitam a indignação das esquerdas para fazer sua falsa solidariedade aos protestos contra o presidente interino.

Gente que finge ser "esquerdista sincera" e usa as mídias esquerdistas como palanque para seu mimetismo ideológico.

Intelectuais "bacanas", dirigentes funqueiros, todos eles até exagerando nos apelos do "Volta, Dilma".

Escrevendo panfletos pós-modernistas que nada dizem muito ao pensamento esquerdista.

Apenas repetem feito papagaios o pensamento esquerdista transmitido.

Intelectuais "bacanas" se esforçam para dizer que o jabaculê cultural de hoje é o folclore do futuro.

Mais uma vez jogam a pá de cal na MPB.

Dirigentes funqueiros fazendo toda uma acrobacia discursiva para dizer "como é bom" viver em favela, com barracos soterrados pelo primeiro temporal.

Estes ficam desmentindo o tempo inteiro, ficam com mania de se explicar, de ficar com a palavra final para tudo.

Tentam explicar porque o "funk" é machista, porque os dirigentes funqueiros endeusam o mercado etc. Culpam a "realidade" pelos erros do "funk" e reclamam quando as esquerdas não seguem o que os dirigentes funqueiros pensam.

Quanto aos intelectuais "bacanas", eles tentam também uma manobra espetacular.

Citam em seus artigos o chamado "lado B" da Música Popular Brasileira.

Resgatam do passado nomes que vão de Inezita Barroso a Itamar Assumpção, ou nomes hoje atuantes como Elza Soares, Sérgio Ricardo e Toni Tornado.

O pessoal acredita que os intelectuais "bacanas" são os paladinos do vanguardismo musical.

Até que, depois, um "bacanão" vai exaltar os funqueiros e "sertanejos", ou coisa parecida, fazer toda aquela choradeira de "combate ao preconceito".

Vão dizer que Wesley Safadão, com aquele jeitão de "nordestino da Flórida", é a aposta "modernista-bolivariana" na cruzada contra o "coronel da Fazenda Modelo", "imperador" Chico Buarque de Hollanda.

Vão promover a "reforma agrária da MPB" nos moldes udenistas, sempre rendendo dinheiro para o coronelismo lúdico-midiático que domina o interior do país.

"Não mexam no playlist das FMs populares, isso é o folclore de amanhã", dizem os intelectuais "bacanas" em súplicas desesperadas.

E, como analistas políticos propondo a fusão do PSOL com o DEM, juntam os alhos da MPB de vanguarda, já suficientemente isolada do "território" da "Fazenda Modelo" bossanovista, com os bugalhos da retaguarda brega-popularesca.

Fazem o mesmo golpe que os barões do jabaculê fizeram nos EUA, usando os movimentos sociais de 1960-1965 para instaurar depois o comercialismo voraz e tirânico do hit-parade.

Mas lá o pessoal é esclarecido o suficiente para não considerar o jabaculê musical como "libertário".

Isso é algo que só existe no Brasil.

Qualquer funqueiro "pegador" e qualquer funqueira "turbinada" passam a ter a reputação que, nos EUA, Bob Dylan e Joan Baez possuem.

Bastando apenas umas frases de efeito, alguns factoides de mídia, e, no caso das funqueiras, comentários misândricos ou poses "sensuais".

Ninguém pode debater a cultura brasileira.

Até parece que o popularesco despejado por rádios e TVs vem da fluidez do vento.

Pouco importa se esse "vento" vem dos escritórios refrigerados dos empresários do brega-popularesco.

Pouco importa se os ídolos "populares" só fazem marketing e abordam uma imagem caricatural das comunidades rurais e suburbanas.

Não temos um Guy Debord com alta visibilidade para denunciar a "sociedade do espetáculo".

Aliás, até temos, mas a burocracia (ou burrocracia) das universidades e do corporativismo acadêmico barraram um Guy Debord brasileiro nos primeiros acessos para a pós-graduação.

O "Guy Debord" brasileiro que vá para a Internet escrever para uns quinze leitores.

A intelectualidade "bacana", de uma linhagem acadêmica iniciada desde o governo do general Emílio Médici, alimentada pela combinação de burocracia, tecnocracia e clientelismo, é que comanda o "balanço da massa".

De mãos dadas com Luciano Huck e Danilo Gentili, mas fingindo odiá-los de maneira febril.

Tomando chá nas cantinas do Instituto Millenium, para depois ir ao Twitter esculhambar essa entidade.

E aí tem o dado estranho de esculhambar Chico Buarque, logo quando ele havia cantado "Apesar de Você" num evento e dedicado ao presidente interino Michel Temer.

Muito, muito estranho.

A "intelectualidade mais legal do país" foi logo insurgir e dizer que Chico Buarque já era, que a MPB está morta e morreu muito antes de Vander Lee.

Que a ideia agora é "bolivarizar" o jabaculê musical tocado pelas FMs populares.

Mas esquecem que essas FMs são controladas por oligarquias políticas, empresariais e latifundiárias.

Fazendeiros que mandam fuzilar agricultores, sindicalistas "subversivos" e até missionários, como quem caça leões nas savanas, financiam boa parte desses "ídolos populares" que muitos pensam ser o "bolivarianismo brasileiro".

Até os midiotas das mídias sociais adoram "funk". Eu mesmo vi vários deles no Orkut e Facebook.

O esquerdismo ainda será traído pelos intelectuais "bacanas" e dirigentes funqueiros.

Eles, que veem a "cultura popular" sob os filtros ideológicos do mercado e da espetacularização midiática.

A falta de debate na cultura brasileira e os apelos para que se aceite o "sucesso" que se impõe pelas rádios e TVs contribuem para o isolamento das esquerdas.

As esquerdas ainda veem os fenômenos "populares" apenas de um lado: olhando a plateia.

Deveriam olhar para os bastidores, por trás dos palcos.

E se preparar para não levar susto ao ver os barões da mídia aplaudindo os ídolos "populares demais".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…