Pular para o conteúdo principal

QUANDO A BANCADA DA BÍBLIA MANIPULA AS LEIS A FAVOR DE SEUS POLÍTICOS


A parte da plutocracia ligada a seitas religiosas está em festa.

O deputado Celso Russomano, do PRB paulista, estava acusado de peculato (desvio de dinheiro público), mas livrou-se de ter a cassação de sua candidatura à Prefeitura de São Paulo.

O processo de Russomano estava em tramitação há 11 anos, quando ele era acusado de, entre 1997 e 2001, empregar sua secretária Sandra de Jesus Nogueira para serviços particulares de vídeo, mas recebendo R$ 2 mil por mês dos cofres públicos destinados à Câmara dos Deputados.

Russomano só terá que prestar serviços comunitários e pagar cestas básicas, se livrando da cadeia. Se fosse um petista, teria sido preso imediatamente.

Já o caso do Marco Feliciano, o que ocorre é uma inversão de um incidente na jurisdição paulista.

O pastor e deputado Feliciano - cuja aparência lembra o falecido cineasta Simon Monjack, inglês que havia sido viúvo da atriz Brittany Murphy - é acusado de agredir, fazer assédio sexual e tentar estuprar a jovem jornalista Patrícia Lélis.

O processo contra Feliciano, do PSC paulista, prossegue em Brasília, mas em São Paulo é ele que está processando Patrícia por negociar um valor em dinheiro com o pastor e o presidente do PSC, Everaldo Pereira, o "Pastor Everaldo", para não fazer denúncias.

Em Brasília, há evidências do crime no apartamento funcional do pastor.

Mas, em São Paulo, o chefe de gabinete de Marco Feliciano, Talma Bauer, desmentiu outra acusação de Patrícia, de que este teria lhe mantido em cárcere privado e coação.

Consta-se que existe até uma campanha dos evangélicos para desmoralizar Patrícia.

Detalhes estão nesta reportagem. Em relação ao processo paulista, o advogado de Patrícia Lélis, José Carlos Castro, disse que o processo contra Patrícia é uma armação e afirmou que vai provar a inocência da jovem.

Tanto Russomano, ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, quanto Feliciano, do PSC de Jair Bolsonaro, estão entre os políticos mais populares da "bancada da Bíblia", que apoiou o afastamento da presidenta Dilma Rousseff.

Esta bancada, formada majoritariamente por evangélicos, é em parte responsável pela agenda política retrógrada que integra o projeto político do governo de Michel Temer.

Esses dois episódios só revelam a avalanche de escândalos que envolve o grupo político que está no poder.

E, como sempre, está manipulando as leis a favor de seus políticos.

Isso num país em que políticos do PT são condenados a esmo, mesmo dentro do método "atirar primeiro para perguntar depois".

E diante desse coquetel de desvio de dinheiro público, machismo e religião, como se não bastassem os escândalos "laicos" dos políticos do PMDB e PSDB, o Brasil segue sem rumo.

Mas com as pessoas felizes nos seus smartphones ou diante da tela da Rede Globo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…