Pular para o conteúdo principal

QUE TAL ANTÔNIO ANASTASIA FAZER UM RELATÓRIO CONTRA SI MESMO?


Às vezes o governo de Michel Temer mais parece um campeonato de piadas.

Na semana passada, um advogado que iria presidir o IBAMA, Lucíolo Cunha Gomes, nomeado por Sarney Filho, ministro do Meio Ambiente, teve sua nomeação cancelada por causa de uma piada de mau gosto.

Ele havia publicado antes, nas mídias sociais, uma piada em que o alvo de gozação é justamente a autarquia que iria presidir.

"Comendo pernil de Caititu. (...) O medo é aparecer o Ibama", disse o advogado, em uma postagem publicada há três anos.

Em termos de cronologia, é mais lento do que a declaração do ex-tucano Andrea Matarazzo.

"É mais fácil vaca voar do que ser vice de Marta Suplicy", havia dito o empresário, meses antes de encarar o posto, pelo jeito tonto de tanto ver vacas voando em sua frente.

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, ainda foi grosseiro em suas declarações.

Sobre os descuidos dos homens em relação à saúde, Barros tentou se sair com esta.

"Uma questão de hábito, de cultura, até porque os homens trabalham mais, são provedores da família e não acham tempo para se dedicar à saúde preventiva", disse o "notável" ministro.

Vejo nas ruas e, se os homens têm mais risco de adoecer, é porque eles fumam, comem demais e bebem álcool em excesso, entre outros vícios.

Não é uma questão de trabalhar mais ou menos, até porque as mulheres trabalham mais.

Um comentário machista que parece técnico, mas soa uma piada de mau gosto contra as mulheres.

E aí vemos o senador mineiro Antônio Anastasia, do PSDB, ligado a Aécio Neves, Eduardo Azeredo e companhia.

Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, o relator do processo de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff veio com esta "pérola".

"Se o alvo fosse um tucano e se acontecesse tudo exatamente igual, o parecer seria exatamente o mesmo", disse Anastasia, sobre a hipótese de abrir um processo similar de impeachment a um membro do PSDB.

Então ele pode preparar um relatório contra ele mesmo, abrindo o processo de impeachment que extinguiria por definitivo o seu mandato no Senado.

Afinal, Anastasia sofre, como ex-governador de Minas Gerais, da mesma acusação que é feita contra Dilma Rousseff: as "pedaladas fiscais".

Pois políticos anti-tucanos afirmam que Anastasia é o "rei das pedaladas fiscais".

Ele havia feito 972 decretos, como governador mineiro, alterando metas fiscais para diminuir investimentos públicos em Educação e Saúde.

Dilma apenas alterou dados fiscais para beneficiar investimentos sociais, e mesmo assim dentro dos procedimentos que qualquer governo faria.

Já seu "carrasco" - que a direita define como um senador "sério e competente" - alterou dados fiscais para cortar investimentos favoráveis ao interesse público.

Fica ridículo Anastasia dizer que faria um relatório igual se o alvo fosse um político do PSDB nas mesmas condições atribuídas a Dilma.

Então o senador pode começar a pôr suas mãos na obra.

Se o senador está sendo realmente sincero, pode criar um relatório para expulsar ele mesmo do poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…