Pular para o conteúdo principal

EX-MINISTRA ANA DE HOLLANDA "ENTREGA" INTELECTUAIS "BACANAS"


Diante da crise que envolve hoje o Ministério da Cultura, que depois de uma formal "ressurreição", mas sem a "alma" dos tempos dos governos petistas, a ex-ministra Ana de Hollanda resolveu falar.

Ela havia sido duramente criticada por privilegiar os interesses do ECAD (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição) ao defender restrições para os direitos autorais.

Isso criou uma controvérsia, que só depois foi superada pela polêmica do Procure Saber.

Que, numa direção diferente dos ecadistas que cercaram a irmã de Chico Buarque, defendiam outra restrição, a da produção de biografias não-oficiais, não autorizadas pelos biografados ou por familiares e herdeiros.

Passou-se o tempo e Ana de Hollanda resolveu dar esta entrevista.

Que, entre outras coisas, "entregou" a intelectualidade "bacana", que, com seus conceitos aprendidos pela Teoria da Dependência de Fernando Henrique Cardoso, defendiam a bregalização da cultura brasileira.

"É muito doido. Eu sou hostilizada pela direita e por esses grupos que eu não considero de esquerda, mas que estão infiltrados nesse movimento. E continua aquela coisa: quando atacam o Chico, "a irmã foi ministra por causa dele. Nunca usei ele. Ele sempre fez o trabalho dele, que eu adoro, acho ótimo, mas é dele. Mas nos memes, na internet, toda hora eu sou "a irmã do Chico", disse Ana.

Ela acabou denunciando o fato de que são intelectuais que, sem ser de esquerda, se infiltraram no esquerdismo.

O recado acaba saindo implicitamente para Pedro Alexandre Sanches, que a memória curta fez esquecer que havia sido o "aluno-modelo" de Otávio Frias Filho.

Sanches, treinado no Projeto Folha em 1995, nunca conseguiu esconder sua inspiração ideológica calcada em Fernando Henrique Cardoso e Francis Fukuyama.

Sanches defendia uma "cultura brasileira" subordinada às regras do pop internacional, usando o nome "cultura transbrasileira", um paralelo claro à "economia transnacional" do ex-presidente FHC.

É como se FHC fosse o anti-ISEB e PAS, o anti-CPC da UNE, destruindo esses dois projetos da Era Jango que discutiam a qualidade de vida em torno de temas sócio-econômicos, políticos e culturais.

Como Fukuyama, Sanches pregava o "fim da História" para a MPB, dando como encerrada a linhagem consolidada pelos festivais de música e o antigo patrimônio cultural que produzia, nas comunidades pobres, gênios como Cartola e Jackson do Pandeiro.

A ideia era transformar a "cultura brasileira" num McDonalds.

E, usando um comentário do colega Ricardo Alexandre, Sanches, o "filho da Folha", o príncipe dos intelectuais "bacanas", defendia "ideias de direita usando um discurso de esquerda".

Definia ídolos comerciais da música brasileira como se fossem "libertários".

E quando o pessoal acreditava no proselitismo que Sanches fazia, nos seus passeios nas redações esquerdistas, os ídolos musicais defendidos pelo "aluno-modelo" de Frias comemoravam suas conquistas nos palcos da Globo.

Sanches empurrou a revista Fórum a botar Gaby Amarantos na capa (a edição encalhou) e, seis meses depois, ela estava brilhando nas páginas da revista Veja.

Sanches tentou convencer a opinião pública do suposto esquerdismo de Zezé di Camargo & Luciano (esquecendo que eles são eleitores fiéis de Ronaldo Caiado), e recentemente os dois surtaram defendendo Aécio Neves com muito gosto.

O "filho da Folha" foi promover o funqueiro MC Guimê como se fosse um "bolivariano" e eis que ele virou capa da truculenta revista Veja e foco de uma matéria elogiosa de uma publicação que esculhamba os movimentos sociais.

Sanches era frustrado de não ter o mesmo prestígio de Chico Buarque nos círculos esquerdistas.

Saltou nos ambientes esquerdistas de pára-quedas, depois integrou entidades sustentadas por George Soros (disposto a patrocinar tanto o Fora do Eixo quanto o Movimento Brasil Livre, o que faz Pablo Capilé e Kim Kataguiri soarem parecidos) e tentou fazer o papel do "bom esquerdista".

Mas por debaixo dos panos seu blogue Farofafá, Sanches acolheu uma banda do filho de Armínio Fraga (ex-ministro de FHC e membro do Instituto Millenium), divulgou um seminário do Coletivo Fora do Eixo patrocinado por Geraldo Alckmin, além de uma feira de agronegócio também patrocinada pelo tucano.

E isso mediante falsos ataques que Sanches fazia, via Twitter, ao Instituto Millenium, Globo e similares, e falsas críticas a Geraldo Alckmin e Aécio Neves.

Como maringaense, Sanches está muito mais próximo do direitismo jurídico do juiz Sérgio Moro do que do experiente esquerdismo de Sônia Braga.

Só faltava mesmo Pedro Alexandre Sanches e Sérgio Moro aparecerem num mesmo evento se cumprimentando efusivamente.

Chico Buarque, com todo o aparato aristocrático, sempre foi fiel e solidário às forças progressistas.

Já Sanches e seus consortes, como os ativistas do "funk", sempre fizeram o jogo oculto mas nunca assumido dos barões da grande mídia.

É como se eles fizessem trabalho free lancer para o baronato midiático.

Tentaram até ser jornalistas ou intelectuais "livres", como se fosse fácil bancar o esquerdista trocando Otávio Frias Filho e João Roberto Marinho por George Soros.

Com suas pregações em prol da "cultura de mercado", Pedro Alexandre Sanches e companhia deveriam receber todo tipo de gratidão dos adeptos do governo Michel Temer.

Graças a seus conceitos bregas e mercantilistas, o povo pobre foi desviado da participação dos debates culturais sérios.

A intelectualidade "bacana" corrompeu a Lei de Incentivo à Cultura, a bregalização parasitou, como cupins devorando tudo, as verbas públicas do Ministério da Cultura.

Tão "esquerdistas", os intelectuais "bacanas" acabaram desgastando a cultura popular, agora subordinada a funqueiros e "sertanejos" etc a cada ano piores, deixando o povo alienado para isolar as forças progressistas.

Daí a direita reagiu e, resultado: a mais retrógrada plutocracia reconquistou o poder.

Agora os intelectuais "bacanas" deveriam deixar de posar de esquerdas e dar um beijo na mão do ministro Marcelo Calero.

Quem quis um Brasil brega pediu para ele ser ministro. Agora, aceitem, "bacanas"!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…