Pular para o conteúdo principal

O PERIGO DO "FORA MPB"

50 ANOS DEPOIS, ESSE ARTISTA É UMA DAS VOZES EXPRESSIVAS CONTRA O GOVERNO DE MICHEL TEMER.

Dando mais um enfoque para a questão cultural, uma armadilha está sendo feita por gente supostamente solidária a Dilma Rousseff.

A intelectualidade "bacana" e seus associados, inclusive os funqueiros, sempre sabotaram os debates culturais.

A ideia é evitar que houvessem iniciativas como o Centro Popular de Cultura da UNE, que debatiam a cultura de raiz.

Intelectuais como Pedro Alexandre Sanches e Paulo César de Araújo foram educados nas fileiras acadêmicas vinculadas ao PSDB.

Cercados de outros agentes, entre eles um MC Leonardo apadrinhado pelo José Padilha (cineasta vinculado à Rede Globo e ao Instituto Millenium e que fará um filme sobre a Operação Lava-Jato bem ao gosto de Sérgio Moro), eles sabotaram o debate cultural nos períodos dos governos do PT.

Eles sempre se empenharam para que ninguém discutisse o que era "sucesso" sob o rótulo de "popular" trazido pela mídia oligárquica nacional e regional.

A ideia é desqualificar o antigo patrimônio cultural brasileiro e desmoralizar emepebistas que estivessem em alta entre o grande público.

O alvo predileto é Chico Buarque de Hollanda, figura contemporânea de José Dirceu, o antigo líder estudantil de 1968 preso por supostas ligações com o Mensalão e também indiciado pela Lava-Jato.

É como se Chico Buarque fosse o "José Dirceu da MPB".

A intelectualidade "mais legal do país", dotada do privilégio da visibilidade plena, vai logo transformando Chico Buarque na própria Geni.

É como se dissessem: "Chico Buarque, vá para Paris! MPB só tem bandido!".

O "BOM ESQUERDISTA" PEDRO ALEXANDRE SANCHES - Peraí, a gente já viu essa camiseta em algum lugar...

E aí veio a patrulha de defesa do "mau gosto popular", a "ditabranda do mau gosto".

E Pedro Alexandre Sanches vestindo a camisa da CBF e cultivando uma barbinha tipo a do roqueiro Lobão.

Comandando o coro para que ninguém questione o jabaculê radiofônico.

A intelligentzia apela para que só vejamos o espetáculo focalizando a plateia.

Se tem pobre, negro, índio, LGBT, mesmo que seja por indução da Rede Globo, tudo é "autêntico".

Se tem universitários vaiando, então, o sucesso jabazeiro é considerado "genial".

E o que está por trás disso?

Através da cultura, o ativismo político se torna mais orgânico.

Sabotando os debates culturais, desencorajando qualquer debate em torno do "sucesso popular do momento", a intelectualidade "bacana" corta o bem pela raiz.

Aceitemos, de forma bovina, o jabaculê musical e comportamental que "está aí".

Se é empurrado pela FM latifundiária, cujo dono apoia Michel Temer e tudo, pouco importa.

Se o ídolo "popular" aparece no Caldeirão do Huck, abraçando Luciano Huck como quem abraça um amigo de infância, pouco importa.

As esquerdas têm que engolir aquilo como se fosse o "suprassumo do bolivarianismo musical".

Tem pobre na plateia, tem homossexual, tem negro, é isso que importa.

E se o negro for Fernando Holiday? E alguém com passado bissexual como Alexandre Frota?

Vale Soninha Francine e Fernando Gabeira com seus "baseados"? E Ju Isen, a "popozuda coxinha"?

Diante dessa "ditabranda do mau gosto", o objetivo é bem mais maquiavélico.

Evitar que ocorresse algo similar ao que aconteceu nos primórdios da ditadura militar.

Nos primórdios do governo do general Castelo Branco, emepebistas chegaram a fazer uma peça teatral, Opinião, encenada em Copacabana, e depois foram para a televisão.

A janguista-brizolista TV Excelsior chegou a promover um festival de Música Popular Brasileira.

Depois foi a TV Record, então propriedade dos Machado de Carvalho, bem longe do pragmatismo reaça do descendente Tutinha, hoje responsável pelas rádios Panamericana (Jovem Pan).AM e FM.

Cepecistas e bossanovistas esqueceram as divergências lançadas por uma briga entre Ronaldo Bôscoli e Carlinhos Lyra e se uniram para desenvolver a nova e moderna MPB.

Os generais no poder e artistas do nível de Geraldo Vandré, Sérgio Ricardo e as saudosas Nara Leão e Elis Regina mostrando música brasileira de raiz e letras de profunda inteligência e realismo.

Era um soco no estômago da plutocracia.

No começo da Era Lula, a intelectualidade "bacana" liderada pelo príncipe Sanches - discípulo nunca assumido de Fernando Henrique Cardoso e aluno-modelo de Otávio Frias Filho - queria empurrar o "mau gosto popular" para a aceitação das esquerdas.

A ideia é dizer que a MPB dos anos 60 está velha e desgastada, rompendo com um norte cultural que é muito mais grave do que se imagina.

Porque, desmoralizando Chico Buarque, se destrói a ponte de ligação das gerações atuais com o grande legado cultural que temos.

Chico Buarque apresentou para os mais jovens o legado de nomes como Oscar Niemeyer, João Gilberto, Vinícius de Moraes.

Sem ele, os jovens ficam à deriva e só consomem os "sucessos do povão" trazidos por rádios oligárquicas.

Enquanto isso, somos induzidos a acreditar que o "funk" e o tecnobrega são o "máximo em esquerdismo musical", falsamente tidos como anti-mídia.

O "funk" é a "menina dos olhos" das Organizações Globo e os funqueiros foram tão bem tratados por Luciano Huck que criaram uma gíria em homenagem ao Caldeirão do Huck: "é o caldeirão", que quer dizer "é o máximo".

O tecnobrega, falsamente tido como "discriminado pela mídia" por um Ronaldo Lemos ocupado por computadores no Rio de Janeiro, sempre esteve em alta pelas mãos do grupo O Liberal, parceiro das Organizações Globo no Pará.

Isso sem falar do patrocínio dado pelo latifúndio paraense, dividido entre fuzilar ativistas sociais e patrocinar a breguice cultural para amansar as massas.

Não se pode debater sequer um dó-ré-mi mal tocado por esses "sucessos do povão". Qualquer coisa, é só esperar chover dinheiro e depois o breguinha de plantão vai fazer "MPB de mentirinha" pior do que a "velha e desgastada MPB" que a intelectualidade "bacana" quer derrubar.

Não interessa mais sambistas de verdade ou artistas ousados como Jackson do Pandeiro.

Interessa é ver o pagodeiro-brega tocar clássicos de MPB com o conhecimento de causa de um papagaio doméstico cantando o Hino Nacional Brasileiro.

Ficou patético ver "sertanejos" tucanos cantando "Disparada" do Geraldo Vandré sem saber que a letra se dirige justamente contra os latifundiários que patrocinam esses "caubóis do asfalto".

Devemos também levar em conta que um Wesley Safadão é muito, muito mais rico do que Chico Buarque.

O que um "emepebista decadente" ganha por toda uma turnê não chega a render 1% de uma única apresentação de Safadão.

Ah, mas temos que ver a plateia. Pouco importam os bastidores do "espetáculo" popularesco.

Pouco importa se a população pobre é vista de forma caricata.

Pouco importa se o povo vai como gado para ver o "ídolo do momento" por recomendação da FM "popular" controlada por grupos oligárquicos.

A ideia é essa. Evitar o debate cultural, evitar o vexame da ditadura que deixou a música brasileira despertar, mesmo por um breve período, as consciências dos brasileiros.

Matando essa semente, legitima-se justamente a música que os "coronéis" da mídia regional querem que o grande público ouça.

Com isso, não se conscientizam as massas, cria-se um simulacro de "ativismo" nos "sucessos do povão", tirando o povo pobre das mobilizações sociais, que ficam cada vez mais esvaziadas, enquanto os debates públicos, mais isolados.

E, assim, diante da tal "cultura popular demais", reafirma-se o poder de oligarquias radiofônicas e, por conseguinte, dos barões da grande mídia privada.

Daí ser inútil os intelectuais "bacanas" gritarem "Fora Temer" e fingir que odeiam a Rede Globo.

Esses ataques soarão como vapor sumindo pelo ar, diante do fortalecimento do poder dos plutocratas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…