Pular para o conteúdo principal

O PT JÁ ESTÁ ENTREGANDO OS PONTOS?


O Partido dos Trabalhadores parece ter consciência de estar perdendo a batalha.

O presidente do PT, Rui Falcão, disse não a qualquer hipótese de convocar novas eleições, uma sugestão arriscada e controversa, mas que poderia testar a consulta popular sobre a aceitação ou recusa do PT pelo eleitorado.

Seria uma forma de abreviar, de maneira menos dolorosa, o mandato de Dilma Rousseff, mas permitindo consultar a opinião dos seus defensores.

Uma solução comparável à do parlamentarismo no governo de João Goulart, há 55 anos.

Medidas amargas, que agradariam a oposição, permitindo o atendimento, ainda que parcial, dos interesses das forças progressistas.

Mesmo assim Rui Falcão não quis. Evitou defender uma solução polêmica e causou mais polêmica ainda.

E aí temos Dilma Rousseff, aconselhada a não colocar a palavra "golpe" na sua carta-manifesto para o Senado Federal.

A ideia parece ser prudente: não prejudicar os votos dos senadores na votação final do impeachment.

Isso se compara a uma solução parlamentarista de Jango, sob outro enfoque: Jango abriu mão do governo para presidir sob a atuação de um presidente do Conselho de Ministros.

Só que aqui é como se a solução parlamentarista ocorresse às vésperas do golpe militar, e não ainda numa tentativa de governo democrático.

Isso pode não influir muito, mas mostra o quanto Dilma sabe das pressões que recebe de seus opositores.

E aí veio Fernando Haddad, o prefeito de São Paulo candidato à reeleição.

Em entrevista à TV Estadão, Haddad disse que não gosta de definir o atual cenário político federal como um "golpe".

"Golpe é uma palavra um pouco dura, que lembra a ditadura militar. O uso da palavra golpe lembra armas e tanques na rua", afirmou.

É. Esse cenário político que temos, focalizado no presidente Michel Temer, realmente não tem tanques.

Não tem tanques para lavar as sujeiras dos políticos que assaltaram o poder, incluindo o próprio Temer.

Sobre a hipótese de chamar Dilma Rousseff para participar dos comícios de campanha, Haddad foi taxativo.

"Ela está vivendo um momento difícil e me solidarizo. Sobrecarregá-la mais com esse tipo de abordagem não seria justo", concluiu.

É certo que Haddad é um "solitário" diante de um Estado dominado pelo PSDB.

É como um pescador com seu barquinho num mar, cercado de tubarões.

Ele pode até ter governar uma grande cidade, mas o Estado é governado por Geraldo Alckmin, um dos mais conservadores do já ultraconservador PSDB.

Não há como administrar a cidade como sonha a cartilha do PT, até porque o governo estadual também cuida da capital paulista, por fazer parte de sua área.

Mesmo assim, a atitude de Haddad, mesmo numa entrevista a um veículo da mídia privada, soa um recuo.

Junta-se as peças e vemos que Rui Falcão, Dilma Rousseff e Fernando Haddad sabem da derrota que o PT sofre.

Há um indício de haver um clima de luto dentro do PT.

Mesmo que não haja provas de corrupção contra os petistas, os anti-petistas vieram para arrombar a porta.

Mentem, caluniam, tratam fofocas como verdades absolutas, farão tudo para tirar Dilma Rousseff do poder. Até se ela der bom dia, será tirada definitivamente do poder por este motivo.

É como disse o general Jarbas Passarinho, falecido há pouco tempo, na reunião que decidiu o Ato Intitucional Número Cinco (AI-5), no final de 1968: "Às favas, senhor presidente, neste momento, todos os escrúpulos de consciência".

Até chamar o ex-presidente Lula de "troglodita" é permitido, diante dessa oposição rancorosa e mesquinha.

Faltou-se ao respeito a Lula e Dilma Rousseff. O que se disse e se expressou deles nas passeatas anti-PT é de uma desmoralização arrepiante.

Verdadeiros assassinatos de reputação.

Verdadeira anormalidade institucional, já que até mesmo o Poder Judiciário e o Ministério Público parecem compactuar com o PSDB e ver as leis com os umbigos de seus juristas, ministros e procuradores.

Tudo conspira para que o desastrado governo de Michel Temer continue.

Quando o país perceber do erro que é este governo temeroso, será tarde demais.

É como disse Jânio de Freitas, interpretado em outras palavras: "a economia pode até se recuperar dos desastres trazidos pelo governo de Michel Temer, mas as perdas dos brasileiros serão irrecuperáveis".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…