Pular para o conteúdo principal

MÍDIA "ACEITA" REJEIÇÃO A TEMER. MAS O POVO VAI TER QUE "ENGOLI-LO"


A grande mídia tenta fazer tudo que é possível para forçar o apoio dos brasileiros ao governo de Michel Temer.

Chega a não dar um foco exatamente à figura pessoal do presidente interino.

Em muitos momentos, focaliza nos dois "heróis" da fantasiosa abordagem midiática, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o das Relações Exteriores, José Serra.

Meirelles é visto como o ministro que vai cuidar da resolução da "crise econômica" do Brasil.

E Serra, como o ministro que vai coordenar a interação do Brasil com o resto do mundo.

Tudo com alegações tecnocráticas, já que a tecnocracia é a arte de dar alegações técnicas a atitudes e procedimentos arbitrários e nocivos à coletividade.

Você tem ideias egoístas? Projetos nocivos à população? E você tem algum prestígio que lhe faça socialmente influente? Basta usar desculpas "técnicas" para o que você decide e suas decisões prevalecerão, por mais prejuízos que causem.

E aí você pode virar um "deus", a postagem sobre sua decisão publicada no Facebook terá uma coleção de comentários elogiosos e de apoio, de internautas que se comportam como zumbis diante de seu líder.

Com isso, as pessoas estão sossegadas ignorando a catástrofe que virá.

É ainda uma multidão mais apática do que a de 1965.

Naquela época, havia a expectativa um tanto desanimada de que a ditadura chegaria ao fim, mesmo com a "limpa" que tirou um dos presidenciáveis civis mais cotados, Juscelino Kubitschek.

Isso porque o senso crítico das pessoas parecia mais afiado.

Se debatia até marchinhas de carnaval em 1965. Hoje, se debatermos o "funk", ganhamos a pecha de "preconceituosos".

E logo os funqueiros, que, apesar da imagem "esquerdista", sempre apunhalam as esquerdas pelas costas e vão festejar nos palcos da Rede Globo e nas páginas de Folha de São Paulo, Veja e Caras.

E logo o "funk", que vem de uma palavra em inglês que, traduzindo, não significa "lula" ou "dilma", mas significa o verbo "temer".

No momento, forças a favor e contra a volta de Dilma Rousseff ensaiam uma queda de braço.

Juristas, advogados e procuradores assinaram um manifesto de apoio ao processo de Lula no Conselho de Direitos Humanos na ONU, contra Sérgio Moro.

Por mais que alguém pudesse odiar o ex-presidente Lula, ele tem direito de defesa das acusações feitas contra ele.

Da mesma forma que Aécio Neves também tem direito de ser convocado a depor sobre as acusações contra ele na Operação Lava-Jato.

Não se faz uma coisa nem outra.

Lula é tratado como se fosse uma fera a ser abatida com tiro de espingarda.

Aécio é escondido pela grande mídia, não se considera sequer a necessidade dele explicar as acusações de corrupção, que não são poucas, que o atingem.

Em vez disso, criam-se teorias conspiratórias que reduzem as acusações contra Aécio de "teorias conspiratórias".

É como se os "coxinhas" fossem os únicos a "não conhecerem o esquema do Aécio".

Voltando a Lula, para "compensar" o seu empenho diante de um tribunal das Nações Unidas contra o tratamento abusivo recebido de um juiz paranaense, um ato agravou a situação de Dilma.

O relator do processo de impeachment da presidenta hoje afastada disse que ela cometeu "autêntico atentado" à Constituição Federal.

Trata-se do senador mineiro Antônio Anastasia, ex-governador de Minas Gerais.

Ele é do PSDB, e, portanto, é muito suspeito para dar seu parecer no relatório.

Só que ele não fala como legislador, mas como político de oposição.

É claro que ele vai dizer que Dilma Rousseff, do PT, agrediu a Constituição.

Se ele tivesse relatando o processo de impeachment de Fernando Henrique Cardoso, ele não teria agido assim.

Descreveria que houve uma "interpretação equivocada" dos deslizes atribuídos ao então presidente.

É a mesma turma que esconde Aécio Neves debaixo do tapete.

O relatório de Anastasia complementa a decisão de Sérgio Moro de transformar Lula em réu da Lava-Jato por "tentar impedir" as investigações.

E diante desse pano de fundo, tem-se o insosso Michel Temer no comando.

Ele não vai para a reunião do G-20, grupo dos vinte países mais industrializados do mundo, com medo de má repercussão.

Temer até arrumou uma desculpa frouxa: interino não vai a um evento desses.

A verdade é que ele teme (olha o trocadilho) que terá mais uma repercussão negativa.

Ele sabe que não tem carisma, não é popular, não representa os interesses populares, e nunca passaria por um teste nas urnas.

Michel Temer até admitiu estar "preparadíssimo" para ser vaiado na abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro.

A grande mídia até demonstra cautela até mesmo na defesa de seu governo.

Praticamente, só o colunista de O Globo, Jorge Bastos Moreno, é tiete do presidente e fala como se fosse seu assessor.

Mas o resto trata Temer como se fosse um mordomo, mesmo, alguém que está a serviço da plutocracia, sem ser um ídolo, mas um prestador de serviços.

O que a direita vê em Temer é isso: prestador de serviço, designado a desfazer tudo o que os governos petistas fizeram e, quiçá, tudo o que de progressista se fez pelo Brasil.

A direita nem está preocupada se o governo Temer presta ou não, ou se ele é um desastre para o Brasil.

Ela está preocupada em ver o PT fora do poder, de qualquer maneira.

Vende a ideia falaciosa de que, se o Brasil está ruim com Temer, será pior sem ele.

Por isso forçam o povo brasileiro a engolir o "remédio amargo" da "Ponte para o Futuro".

Que fará o país estar na contramão das nações desenvolvidas.

Aliás, "que se dane o mundo", quando vemos que boa parte da sociedade vê o mundo com seus umbigos.

O narcisismo bairrista dos setores conservadores no Brasil já domina as mídias sociais de maneira assustadora. Vide as trolagens e cyberbullyings.

Esse narcisismo bairrista agora quer conquistar o Planalto e deletar as chances do Brasil progredir, para que os reaças, em suas festas endinheiradas, possam gritar KKKKKKKKK livremente, às custas dos sacrifícios de milhões de explorados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…