Pular para o conteúdo principal

WESLEY SAFADÃO VOLTA A CANTAR PARA BRASILEIROS NOS EUA


Wesley Safadão deixou a máscara cair.

Depois dos intelectuais "bacanas" cometerem a gafe de "bolivarizar" a inócua cantora Anitta só por causa de uma piadinha maliciosa de William Waack, eles pretendem apostar no Safadão como seu último grande herói.

Mas Safadão veio revelando alguma coisa.

Para gravar seu DVD, Wesley Safadão em Miami Beach, ele fez uma promoção, oferecendo um pacote de viagens para fãs que querem vê-lo na gravação deste vídeo.

O pacote varia entre R$ 6 mil e R$ 10 mil.

Isso significa que Wesley Safadão vai se apresentar, mais uma vez, nos EUA, e, novamente, para um público de... brasileiros.

A medida é anunciada como "novidade", mas sempre aconteceu assim.

Como na própria turnê de Safadão nos EUA, tempos atrás.

Os ídolos do brega-popularesco podem se sentir "reis" no Brasil, mas lá fora eles são menos do que nada.

Sempre se tentou arrumar público brasileiro para viajar para ver esses ídolos da música "popular demais" no exterior.

Se não fosse assim, a lotação seria menor do que futebol de várzea ruim em dia de chuva intensa.

Muitos ídolos brasileiros foram para o exterior, tocar em boates de segunda categoria, com plateia brasileira e divulgação morna na imprensa.

Voltam para o Brasil e nossa grande imprensa, acostumada a mentir, diz que o ídolo da ocasião "conquistou o mundo" e voltou de uma turnê "vitoriosa" e de "estrondoso sucesso".

Depois o assunto morre por aí e ninguém mais fala no assunto.

Se tivesse ocorrido mesmo o tal "estrondoso sucesso", os gringos teriam falado do ídolo por mais tempo.

O factoide só serve para fazer com que os brasileiros mais provincianos acreditassem que seus ídolos musicais conquistaram o mundo.

Paciência, o brega-popularesco não é a "verdadeira MPB" que os intelectuais "bacanas" tanto dizem.

Eles querem que a opinião pública só olhe para a plateia, pouco importando se o sucesso "popular demais" se consolidou com muito jabaculê.

Tendo pobres, gays, negros e índios na plateia, o que estiver no palco é "sempre genial".

Uma espécie de discriminação social às avessas feita sob o rótulo do "combate ao preconceito".

O intelectual isola pobres, gays, negros e índios numa plateia feita para apreciar o "mau gosto" musical ou o pitoresco-grotesco comportamental, e expõe todo mundo à fúria dos moralistas.

O intelectual "positiva" o grotesco e o pitoresco, coloca os grupos sociais que não correspondem aos padrões da plutocracia para se associar ao "mau gosto" e, pronto.

A plutocracia reage dizendo que esses grupos sociais só gostam de "m...".

E aí vem Wesley Safadão com sua fortuna de R$ 12 milhões por mês.

É bem mais do que muito "príncipe" da "velha e desgastada" MPBzona.

Com toda certeza, o "magnata" Chico Buarque de Hollanda, o "coronel da fazenda Modelo", o "colonizador holandês da cultura brasileira", não ganha esse salário.

Mas, para todo efeito, a intelectualidade "bacana" prefere mesmo o Wesley Safadão.

Está torcendo para que ele seja entrevistado por William Waack, para assim o cantor virar "bolivariano" sem o menor esforço de militância.

Basta só o apresentador do Jornal da Globo, office-boy de Tio Sam, fazer uma pergunta irônica sobre as antigas aventuras amorosas do cantor.

Se a pergunta for maliciosa demais, pronto, até se Wesley Safadão for gaguejar ele vira "guevariano" num estalar de dedos.

O intelectual "bacana" o exalta como um contraponto ao "jurássico" Chico Buarque.

Depois o esquerdista, na boa-fé, acredita e descreve Wesley Safadão como "vítima-herói" da plutocracia midiática.

Em seguida Reinaldo Azevedo e Rodrigo Constatino tomam noção e acham isso ridículo.

E aí, as esquerdas que morderam a isca da intelectualidade "bacana" são desmoralizadas por uma urubologia que se acha "cheia da razão".

Mas nessa luta entre "bacanas" e "urubólogos", os "saquaremas" e "luzias" da intelectualidade cultural, ocorrem à revelia do grande público.

Que, com uma adesão de gado bovino, vai viajar para ver Wesley Safadão em Miami ou esperar para chegar o DVD pronto nas lojas. Tudo sob o apoio da grande mídia que adora o "popular demais".

São as leis do mercado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…