Pular para o conteúdo principal

A ARROGÂNCIA DOS ANTI-PETISTAS


Se existe um senador que é um poço de arrogância e temperamentalismo no Congresso Nacional, ele é Ronaldo Caiado.

Ruralista e membro do DEM goiano, ele não é o único, mas um dos que mais tipicamente representam o que há de retrógrado na política brasileira.

Ele estava muito mais irritado do que os petistas nas discussões da semana passada, quando o julgamento final estava na etapa de ouvir testemunhas de acusação e defesa.

Quem prestou atenção nos fatos sabe que Ronaldo Caiado estava tão furioso em seu reacionarismo que talvez Jair Bolsonaro pudesse processá-lo por plágio, se quisesse.

Hoje Dilma Rousseff apresenta sua defesa, num esforço dificílimo de tentar recuperar seu governo.

Apesar de haver solidariedade, não só do meio artístico e dos movimentos sociais brasileiros, mas também de estrangeiros, que estão horrorizados com o cenário político atual.

Atores como Danny Glover e Susan Sarandon manifestaram seu horror com o governo temeroso.

A imprensa dos EUA, Grã-Bretanha, França e Itália já divulgam o caráter golpista do governo Temer.

Mas no Brasil os anti-petistas demonstram todo tipo de arrogância.

Acham que o mundo gira na órbita dos seus umbigos.

Se o mundo diz que o governo de Michel Temer é golpista, os plutocratas e "coxinhas" não gostam.

Xingam o mundo e são capazes de dizer asneiras como supor que o New York Times é patrocinado pelo Partido dos Trabalhadores.

Infelizmente, lidamos com trogloditas sócio-culturais, políticos, jurídicos e midiáticos.

Pouco importa se Dilma Rousseff faz um discurso humanista.

As pressões para derrubá-la são grandes, de gente querendo arrombar a porta, pouco se importando com a maçaneta.

Brutamontes grosseiros achando que se pode manipular o tempo para trás, como se pudessem mandar a água voltar para a garrafa.

Chamaram até um membro da família imperial para ajudar nesse retorno ao passado, talvez um guia para conduzir a marcha-a-ré para o período colonial.

Trata-se de Luís Felipe de Orleans e Bragança, ligado ao movimento Acorda Brasil.

O Acorda Brasil é parceiro do Movimento Brasil Livre, Vem Pra Rua e Revoltados On Line - que está de luto por ter sua página banida pelo Facebook - , na luta contra os movimentos populares.

Talvez Luís Felipe esteja para orientar os plutocratas o caminho dado pela chegada da Família Real e pelos reinados de Dom Pedro I, pela Regência e por Dom Pedro II, identificando o itinerário a ser percorrido pelo sentido oposto, num caminho de volta ao pré-1808.

O que ocorre contra Dilma Rousseff é o que especialistas sérios definem como Tribunal de Exceção.

O Tribunal de Exceção é inconstitucional.

Trata-se do julgamento de uma humanista feita por brutamontes.

Parece que estamos no Império Romano, às vésperas da Idade Média.

Se o impeachment for finalmente aprovado, teríamos mais um período sombrio.

Hoje os plutocratas julgam Dilma de forma abusiva e intransigente.

Amanhã será a História que julgará os plutocratas de maneira, na melhor das hipóteses, não muito generosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…