Pular para o conteúdo principal

OPOSIÇÃO TENTA COMPENSAR DISCURSO DE DILMA COM PRESSÃO


Depois do discurso de Dilma Rousseff, evidentemente o clima azedou no Senado Federal.

Hoje o dia foi de discursos das testemunhas de defesa e dos senadores.

Se aproxima a data de votação, que será amanhã, e, apesar da grandeza de Dilma, firme e segura em sua defesa e respondendo as perguntas dos senadores, tudo conspira contra ela.

O mundo está assustado. O Le Monde chegou a escrever, sobre o impeachment: "se não for golpe, é uma farsa".

Deveria haver um clima de apreensão, de perplexidade, entre os brasileiros.

Mas, só percebendo o Rio de Janeiro, Niterói ou São Paulo, as pessoas parecem mais tranquilas.

Há até mesmo um sentimento de alegria masoquista. De gente que não se importa sequer de ver um caminhão de lixo fedorento passando por um restaurante exalando sua poluição tóxica nos alimentos.

Gente feliz por nada e satisfeita por pouca coisa, desprevenida diante do que vem por aí.

Há gente se manifestando contra o governo de Michel Temer, sim.

Mas também houve violenta repressão policial.

Tempos muito, muito sombrios estão à espera.

E as pessoas tão felizes.

Como num dia de sol que termina com trovoadas, céu de nuvens castanhas, raios, chuva e fortes ventos.

Num dia assim, manhãs de sol parecem prenunciar dias tranquilos.

Mas terminam com violenta tempestade. Às vezes a pessoa que mergulha feliz na água da praia é a que vai morrer eletrocutada na água da enchente num temporal com trovoadas.

Se bem que o governo Temer nem deu sinais de "manhã de sol".

Desde maio são só nuvens cinzentas e ventos preocupantes, com alguns raios e trovões.

E aqui temos um dado curioso.

Enquanto Michel Temer se acovarda diante do público das Olimpíadas Rio 2016, Dilma Rousseff, mesmo sob pressão, encara o Senado Federal que quer expulsá-la do poder.

Temer, querendo ser presidente efetivo, correndo acovardado pelas vaias do público da Rio 2016.

Dilma, linchada pela oposição, indo de cabeça erguida para encarar os senadores pró-impeachment, e, mesmo sabendo que poderá perder, fez um grande discurso.

Ela até causou um impacto, como um tremor de terra, entre os senadores oposicionistas.

Mas depois eles tinham que voltar com suas mesquinharias.

Aloysio Nunes Ferreira, senador tucano que sepultou seu passado esquerdista e apagou da mente o pesadelo ditatorial que matou seu amigo Carlos Marighella, tentou questionar a acusação de que o impeachment é golpe.

Os senadores de oposição a Dilma mantiveram seu voto contra a presidenta afastada.

Difícil será reverter o quadro. A pressão contra Dilma é quase irreversível.

Houve o teatro de Janaína Paschoal, jurista que pediu o impeachment, que praticamente disse "sentir muito" pelos netos de Dilma por causa do afastamento da primeira mulher presidenta do país.

E houve o jurista Miguel Reale Jr., que assinou com Janaína e Hélio Bicudo o pedido de 2015, que definiu a política do PT como "malandragem".

O advogado de Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, chorou em entrevista a jornalistas depois de ter dado um discurso dizendo, entre outras coisas, que a História deverá pedir desculpas à presidenta.

Ele sente o peso da derrota que a plutocracia quer para Dilma.

A votação de amanhã, se confirmar as sombrias expectativas, o Brasil entrará numa fase complicada.

As elites que irão apoiar oficialmente o governo Michel Temer, se efetivado, poderão até forjar algum otimismo, e dizer que "a hora é olhar para a frente".

Se bem que sabemos que a onda será "olhar para trás".

Será um cenário melancólico, em que apenas os privilegiados ficarão otimistas. Até que a manhã ensolarada do governo efetivado termine numa tempestade devastadora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…