Pular para o conteúdo principal

INTELECTUAIS "BACANAS" E A POBREZA ESPETACULARIZADA


Para a intelectualidade que defende o que chamam de "cultura transbrasileira", "popular demais", "supremacia do mau gosto popular" e outros mitos, o pobre é visto de forma realista. Certo?

Errado. Devemos deixar de ler às pressas os artigos dos intelectuais "bacanas" e questioná-los sem maniqueísmos fáceis.

Se os intelectuais "bacanas" despejam seus pontos de vista na imprensa de esquerda, não é porque se é esquerdista que vai aceitar tudo isso.

Os farofa-feiros, por exemplo, são uma ilha de "revista Veja" mais politicamente correta inserida no grande arquipélago da Carta Capital.

Pedro Alexandre Sanches, Eduardo Nunomura e companhia promovem o desmonte da MPB, para que assim a "república das bananas" de Michel Temer tenha uma trilha-sonora à altura.

Desconta-se o Jotabê Medeiros, que, como um Roberto Pompeu de Toledo do Farofafá, ainda prefere o jornalismo do que o panfletarismo dos colegas.

Evocam a vanguarda da MPB, de Elza Soares a Sérgio Ricardo, de Inezita Barroso a Itamar Assumpção, para corroborar a Disneylândia que os farofa-feiros querem transformar a cultura musical brasileira.

Algo como chamar o PSOL para apoiar o PSDB no processo de privatização de empresas públicas.

Isolar a vanguarda da MPB da influência do suposto "coronel da Fazenda Modelo", Chico Buarque de Hollanda.

Se bem que, para isolar Lula, os tucanos se contentaram com a adesão do PV e do PSB, ou de setores do PDT.

É bom ser neoliberal, acreditar nos valores do "livre mercado", na "livre colonização" dos valores de fora, quando se atua no âmbito da cultura.

Dá até para fingir esquerdismo sincero, se a teoria do "livre mercado" musical, dessa ALCA pós-tropicalista e pró-brega falar em "pobreza", que os leitores apressados identificam como uma palavra solta com efeitos tranquilizadores.

Afinal, a intelectualidade que só conhece as favelas, roças e sertões pelos documentários da BBC de Londres e vive em seus confortáveis apartamentos nas grandes cidades, tem um objetivo para essa abordagem paternalista.

Dar a falsa impressão de que são muito solidários com as populações pobres.

O que esses intelectuais "bacanas" defendem, todavia, não é a cultura popular orgânica que vem das áreas rurais e suburbanas brasileiras.

O que eles defendem é uma deturpação glamourizada, espetacularizada, de uma pobreza que, já na abordagem intelectual paternalista, tenta positivar até o lixo que se acumula nestas ruas.

Para eles, o pobre é um tolo "simpático", um ingênuo "admirável", visto como "incapaz" de ter uma cultura própria, como antes, nos tempos dos Jackson, Marinês, Cartola etc, ou das Elzas e Martinhos de um passado menos remoto e ainda presentes entre nós.

Tudo é "lindo" para esses intelectuais que pensam ser "mais povo" do que o povo.

É "lindo" uma família pobre viver em barracos precariamente construídos e vulneráveis.

É "lindo" o jovem pobre vender produtos contrabandeados ou velhos como camelô.

É "lindo" a moça pobre vender seu corpo, na prostituição, para o recreio sexual de machões mais abastados e agressivos.

É "lindo" o proletário aposentado terminar seus dias tendo a embriaguez no bar como uma de suas poucas diversões.

Para o intelectual "bacana" o pobre "tem vontade própria": é a da mídia do entretenimento "popular".

O pobre também tem "sua cultura": é aquela decidida de cima, das TVs e rádios "populares", controladas por ricas oligarquias nacionais e regionais.

E o pobre tem seus "sonhos": ir para a Disneylândia, comprar um carro importado, fazer uma festa milionária, comprar uma mansão, ir para Nova York ver seus ídolos "populares demais" no Brazilian Day da Rede Globo.

Para o intelectual "bacana", o pobre só obtém cidadania quando é tutelado por um antropólogo ou jornalista cultural solidário.

Que, como num conto de fadas, quer transformar os cantores-mercadorias da Rede Globo num faz-de-conta-que-são-MPB às custas de repertório alheio ou da cosmética de outros arranjadores musicais.

E qualidade de vida, para o pobre, não é um projeto pessoal, mas um "ensinamento" de intelectuais burgueses que pensam entender de povo pobre.

Os intelectuais "bacanas" aprenderam jargões como "periferia" e "transbrasileiro" da Teoria da Dependência de Fernando Henrique Cardoso, o "príncipe" tucano que a intelligentzia finge odiar.

Mas ideias falam mais do que mil posturas que as tentem desmentir.

A intelectualidade "bacana" só gosta do pobre espetacularizado pela grande mídia.

Um pobre caricatural e obediente ao mercado do entretenimento, um consumista do "mau gosto" empurrado pelos barões da mídia.

Com o povo pobre rebolando, o intelectual "bacana" até se solidariza com a pobreza e faz panfletos "jornalísticos" ou "monográficos" exaltando os pobres com um discurso mais passional do que realista.

Mas se o povo pobre deixar o rebolado para lutar por melhorias de vida, o intelectual "bacana" reage com o mesmo horror elitista que diz reprovar.

E pensar que o "coronel da Fazenda Modelo" respeita melhor os pobres do que qualquer intelectual "bacana" metido a "amigo dos pobres".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…