Pular para o conteúdo principal

INTELECTUAIS "BACANAS" E A POBREZA ESPETACULARIZADA


Para a intelectualidade que defende o que chamam de "cultura transbrasileira", "popular demais", "supremacia do mau gosto popular" e outros mitos, o pobre é visto de forma realista. Certo?

Errado. Devemos deixar de ler às pressas os artigos dos intelectuais "bacanas" e questioná-los sem maniqueísmos fáceis.

Se os intelectuais "bacanas" despejam seus pontos de vista na imprensa de esquerda, não é porque se é esquerdista que vai aceitar tudo isso.

Os farofa-feiros, por exemplo, são uma ilha de "revista Veja" mais politicamente correta inserida no grande arquipélago da Carta Capital.

Pedro Alexandre Sanches, Eduardo Nunomura e companhia promovem o desmonte da MPB, para que assim a "república das bananas" de Michel Temer tenha uma trilha-sonora à altura.

Desconta-se o Jotabê Medeiros, que, como um Roberto Pompeu de Toledo do Farofafá, ainda prefere o jornalismo do que o panfletarismo dos colegas.

Evocam a vanguarda da MPB, de Elza Soares a Sérgio Ricardo, de Inezita Barroso a Itamar Assumpção, para corroborar a Disneylândia que os farofa-feiros querem transformar a cultura musical brasileira.

Algo como chamar o PSOL para apoiar o PSDB no processo de privatização de empresas públicas.

Isolar a vanguarda da MPB da influência do suposto "coronel da Fazenda Modelo", Chico Buarque de Hollanda.

Se bem que, para isolar Lula, os tucanos se contentaram com a adesão do PV e do PSB, ou de setores do PDT.

É bom ser neoliberal, acreditar nos valores do "livre mercado", na "livre colonização" dos valores de fora, quando se atua no âmbito da cultura.

Dá até para fingir esquerdismo sincero, se a teoria do "livre mercado" musical, dessa ALCA pós-tropicalista e pró-brega falar em "pobreza", que os leitores apressados identificam como uma palavra solta com efeitos tranquilizadores.

Afinal, a intelectualidade que só conhece as favelas, roças e sertões pelos documentários da BBC de Londres e vive em seus confortáveis apartamentos nas grandes cidades, tem um objetivo para essa abordagem paternalista.

Dar a falsa impressão de que são muito solidários com as populações pobres.

O que esses intelectuais "bacanas" defendem, todavia, não é a cultura popular orgânica que vem das áreas rurais e suburbanas brasileiras.

O que eles defendem é uma deturpação glamourizada, espetacularizada, de uma pobreza que, já na abordagem intelectual paternalista, tenta positivar até o lixo que se acumula nestas ruas.

Para eles, o pobre é um tolo "simpático", um ingênuo "admirável", visto como "incapaz" de ter uma cultura própria, como antes, nos tempos dos Jackson, Marinês, Cartola etc, ou das Elzas e Martinhos de um passado menos remoto e ainda presentes entre nós.

Tudo é "lindo" para esses intelectuais que pensam ser "mais povo" do que o povo.

É "lindo" uma família pobre viver em barracos precariamente construídos e vulneráveis.

É "lindo" o jovem pobre vender produtos contrabandeados ou velhos como camelô.

É "lindo" a moça pobre vender seu corpo, na prostituição, para o recreio sexual de machões mais abastados e agressivos.

É "lindo" o proletário aposentado terminar seus dias tendo a embriaguez no bar como uma de suas poucas diversões.

Para o intelectual "bacana" o pobre "tem vontade própria": é a da mídia do entretenimento "popular".

O pobre também tem "sua cultura": é aquela decidida de cima, das TVs e rádios "populares", controladas por ricas oligarquias nacionais e regionais.

E o pobre tem seus "sonhos": ir para a Disneylândia, comprar um carro importado, fazer uma festa milionária, comprar uma mansão, ir para Nova York ver seus ídolos "populares demais" no Brazilian Day da Rede Globo.

Para o intelectual "bacana", o pobre só obtém cidadania quando é tutelado por um antropólogo ou jornalista cultural solidário.

Que, como num conto de fadas, quer transformar os cantores-mercadorias da Rede Globo num faz-de-conta-que-são-MPB às custas de repertório alheio ou da cosmética de outros arranjadores musicais.

E qualidade de vida, para o pobre, não é um projeto pessoal, mas um "ensinamento" de intelectuais burgueses que pensam entender de povo pobre.

Os intelectuais "bacanas" aprenderam jargões como "periferia" e "transbrasileiro" da Teoria da Dependência de Fernando Henrique Cardoso, o "príncipe" tucano que a intelligentzia finge odiar.

Mas ideias falam mais do que mil posturas que as tentem desmentir.

A intelectualidade "bacana" só gosta do pobre espetacularizado pela grande mídia.

Um pobre caricatural e obediente ao mercado do entretenimento, um consumista do "mau gosto" empurrado pelos barões da mídia.

Com o povo pobre rebolando, o intelectual "bacana" até se solidariza com a pobreza e faz panfletos "jornalísticos" ou "monográficos" exaltando os pobres com um discurso mais passional do que realista.

Mas se o povo pobre deixar o rebolado para lutar por melhorias de vida, o intelectual "bacana" reage com o mesmo horror elitista que diz reprovar.

E pensar que o "coronel da Fazenda Modelo" respeita melhor os pobres do que qualquer intelectual "bacana" metido a "amigo dos pobres".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O CASO SURREAL DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO DE JAIR BOLSONARO

Por breves momentos, o governo Jair Bolsonaro quase conseguiu minimizar sua tragicomédia de erros, a menos de dez semanas de se iniciar.

Cogitou-se a escolha de Mozart Neves, ligado a Vivianne Senna, irmã de Ayrton Senna e responsável pelo instituto com o nome do falecido corredor, que tinha um perfil mais técnico.

Por ser contrário a Escola Sem Partido, a trevosa proposta pedagógica a ser votada no Congresso Nacional na próxima quinta-feira, Mozart foi descartado.

E aí foi escolhido o colombiano naturalizado brasileiro, Ricardo Veléz Rodriguez, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, da cidade onde, ironicamente, o presidente eleito sofreu um atentado.

Isso porque ele é anti-marxista convicto, ultraconservador de carteirinha e que pretende proibir o debate sobre "ideologia de gênero" nas escolas em geral.

Dois dados surreais.

A exemplo do "diplomata" Ernesto Araújo, o lunático futuro ministro das Relações Exteriores que disse que o aquecimento global é…

A PROPAGANDA 'FUCKER & SUCKER' DA PETROLEIRA TOTAL

Há quatro anos, um comercial passava na televisão, pelo menos a Rede Globo, com uma dublagem tosca.

O comercial, em si, é sofisticado, mas é estrangeiro. Transmitido no Brasil, passou com uma dublagem tipo "Fucker & Sucker".

Para quem não sabe, "Fucker & Sucker" era um quadro do Casseta & Planeta que, tal como o Bruce Kane de Chico Anysio, tirava sarro com as dublagens que não conseguiam sincronizar as palavras da tradução brasileira com os movimentos labiais dos personagens dos vídeos originais.

O comercial é da petrolífera Total, então desconhecida dos brasileiros, e cuja sede é na França.

A peça publicitária seria uma tentativa de, no mundo inteiro - ela foi transmitida em vários países - melhorar a imagem institucional na companhia, abalada no mundo capitalista.

Via o comercial durante o desjejum enquanto meus pais viam o Bom Dia Brasil, noticiário matinal da Globo.

A Total tinha presença discreta no Brasil, mas hoje eu coloco esta postagem porque …

O GOVERNO BOLSONARO É UM CAMINHO SEM VOLTA?

Fiquei doente quando, da volta de uma caminhada, refleti com aflição diante da promessa de que o governo Jair Bolsonaro será um "longo reinado".

Foi vendo a primeira página do Jornal do Brasil impresso, nas bancas de Niterói, e vendo a chamada da coluna de Teresa Cruvinel.

Tossi, tive febre, fiquei de repouso, e ontem não pus postagem no blogue. Sério.

É uma aflição muito grande, porque o país ruma para tantos retrocessos.

Jair Bolsonaro é apenas o showman do espetáculo, mas conta com muitos articuladores.

O principal de seus três filhos políticos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, tornou-se um articulador político ambicioso, a comandar o movimento Cúpula Conservadora.

Ela será o extremo oposto do Foro de São Paulo, que foi o movimento de nações progressistas latino-americanas que permitiu as experiências na Venezuela, Bolívia e Brasil.

Hoje há um desmonte em tudo isso, de um ritmo assustador.

A arrogância dos extremo-direitistas quer até que se sacrifique a realidade e…

SOLTEIRAS, NO BRASIL, SÃO INDUZIDAS PELO CORONELISMO MIDIÁTICO A OUVIR MÚSICAS DE VALOR DUVIDOSO

O gosto musical do "popular demais" não é livre. Ele é induzido pelo coronelismo midiático local, que determina o que o "povão" deverá ouvir.

É claro que não estamos aqui fazendo "teoria hipodérmica", tendência crítica da Teoria da Comunicação que via na manipulação do poder midiático algo simplório e bruto.

Teorias posteriores revelaram que existem mecanismos de persuasão do receptor de uma mensagem comunicativa, que envolve o conhecimento das fraquezas emotivas do público.

Neste momento de "lavagem de roupa suja" depois do ridículo "combate ao preconceito" brega que só gerou mais preconceitos - que culminaram na eleição de Jair Bolsonaro - , o coronelismo radiofônico deve ser discutido também sob o âmbito do "popular demais".

A "cultura" brega-popularesca que transformou o povo pobre em caricatura de si mesmo e promoveu mais consumismo que cidadania causou estragos diversos na população.

A intelectualidade "…

GÍRIA "BALADA" FOI TESTE PARA CAMPANHA DE JAIR BOLSONARO

TUTINHA, O VERDADEIRO REI DA "BALADA".

Como havia escrito, tive um incidente no Orkut por ter criticado a gíria "balada", por reacionários que eram membros da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo".

Esses caras anteciparam, em uma década, a ação furiosa dos bolsomínions de hoje. Fizeram valentonismo digital (cyberbullying) e tive que desfazer de minha conta.

Eu já notava um caráter agressivo, autoritário, debiloide e intransigente.

Entendo como essas pessoas, tão reacionárias, tinham que se apoiar numa gíria idiota - que tentou subverter as naturais condições de efemeridade e grupo de uma verdadeira gíria, se impondo "acima dos tempos e das tribos" - pois tinham que usar o aparato "moderno" de um colóquio.

A gíria "balada" virou um símbolo da mídia venal no seu processo de influenciar os jovens.

A gíria não tem pé nem cabeça. Subverte o sentido de outra "balada", aquela palavra que significa música lenta ou história tri…

O BRASIL NOS CINQUENTA ANOS DO AI-5

ATENTADO EM UMA IGREJA CATÓLICA DE CAMPINAS, QUE CAUSOU CINCO MORTES.

No dia em que se lembra dos 50 anos do AI-5, num contexto em que nos preparamos para encarar o governo ultraconservador de Jair Bolsonaro, incidentes graves vêm à tona.

O quinto ato institucional da ditadura militar a tornava mais rígida, levando adiante o cenário autoritário iniciado em 1964, só que de maneira mais agressiva.

E aí temos o "período 1964" redivivo em Temer e o "AI-5" de Bolsonaro, botando o país à deriva.

Alguns incidentes, então, vêm para trazer reflexão.

Um é a acusação do "médium" João Teixeira de Faria, o João de Deus, latifundiário e charlatão - se dizia curandeiro mas era incapaz de se auto-curar de um câncer - de ter feito assédio sexual contra várias mulheres.

As denúncias de assédio começaram no programa Conversa com Bial, da Rede Globo, uma pauta que surgiu por acaso.

A roteirista e jornalista Camila Appel foi para Abadiânia, Goiás, para convidar o "médium…

QUEM SERÁ O EDWARD MURROW BRASILEIRO?

Pesquisando sobre o macartismo, período relativamente trevoso que marcou os EUA na década de 1950, fico informado da figura do jornalista Edward Murrow.

Repórter correspondente da Segunda Guerra Mundial e âncora da rede CBS, Murrow foi um dos notáveis jornalistas estadunidenses da história contemporânea.

Me lembro do apelido jocoso que Paulo Henrique Amorim deu a Sérgio Moro, devido à sua servilidade aos EUA, de "Judge Murrow".

Só que o Murrow que descrevo é outro e atuou em trincheira oposta a políticas reacionárias.

Cito Edward Murrow porque vivemos, no Brasil, um período semelhante, embora mais agressivo e imprevisível, de macartismo.

Com sua vida breve de apenas 57 anos (morreu em 1965; deve ser por causa do cigarro, conforme vi em algumas fotos), Murrow teve seu momento mais destacado durante o macartismo.

Ele realizou várias reportagens e também comentários denunciando a violação dos direitos humanos que o macartismo provocava na sociedade estadunidense.

Por ironia, o…