Pular para o conteúdo principal

APAGADO, MICHEL TEMER PARABENIZA A RIO 2016


As olimpíadas Rio 2016 até deram certo, a festa foi maravilhosa, os atletas brasileiros até procuraram crescer em desempenho.

Até o Boulevard Olímpico, no entorno da Zona Portuária, ficou lindo de se ver.

No entanto, todo esse evento foi uma relativa animação, ilhas de entusiasmo de um cenário político sombrio.

Teremos Dilma Rousseff no julgamento final, e as pressões para tirá-la definitivamente do poder são muito grandes.

Até se Dilma Rousseff matar um mosquito em um recinto será criminalizada por isso.

"Por que não deixou o mosquito te morder?", diria um anti-petista espumando de rancor.

Ela foi condenada por acusações obscuras, vagas, muito mal investigadas, se é que chegam a sê-las.

Enquanto isso, Temer se acha na certeza de se tornar efetivo e implantar seu "pacote de bondades" para o Brasil.

Um "pacote" que vai tirar dos brasileiros as garantias trabalhistas e sociais e entregar nossas riquezas para empresários estrangeiros.

A reserva de petróleo de Carcará-Santos, situada no reduto político de Temer, a Baixada Santista, já está nas mãos de holandeses.

A BR Distribuidora se prepara para se tornar também subsidiária de uma das gigantes estrangeiras do petróleo, em leilão de privatização.

Mas aí os brasileiros anti-PT não precisarão sentir raiva. Nem terão tempo para isso.

Trabalharão de segunda a sexta, de 6 às 20 horas, só tendo tempo para se alimentar, botar a cabeça no lugar e dormir (e dormir pouco, aliás).

Voltando ao fim das Olimpíadas. Michel Temer só compete em baixo cartaz com os terríveis ônibus padronizados com embalagem de remédio, onde Braso Lisboa e Alpha, Redentor e Caprichosa, Matias e Acari, Pégaso e Barra etc, têm a mesma pintura.

Na Zona Portuária, dava para perceber que os ônibus com "embalagem de remédio" e logotipo "Cidade do Rio de Janeiro", tão adorados pelo prefeito Eduardo Paes corriam envergonhados escondidos entre os coloridos ônibus da Baixada Fluminense e os graúdos ônibus rodoviários interestaduais.

Como Michel Temer, escondido entre tantos atletas e celebridades que se destacavam com seus uniformes diversos de cores fortes.

Até Carlos Arthur Nuzman discursou mais na abertura da Rio 2016, que os desavisados poderiam pensar que o presidente do COB era o presidente do Brasil.

No último dia 18, Temer se reuniu com Nuzman, Paes e o governador em exercício, Francisco Dornelles, para avaliar o evento olímpico.

Temer elogiou a tranquilidade e segurança do evento e pediu para que o entusiasmo se repetisse nos Jogos Paralímpicos, que, todavia, não terão tanto cartaz na grande mídia.

Até porque Galvão Bueno, o apresentador-torcedor da Globo, já pediu para "todo mundo se levantar", numa plateia onde estavam dois cadeirantes.

No último dia 20, quando a Seleção Brasileira de Futebol ganhou a tão sonhada medalha de ouro, Temer veio com essa "pérola".

"A seleção olímpica de futebol conquista ouro inédito em momento histórico para o país", redigiu Temer num perfil das redes sociais.

"Momento histórico", só se for pelo lado negativo, diante do modo pitoresco de ascensão de poder que Temer e seus asseclas tiveram, deixando o mundo inteiro perplexo.

Tão perplexo que só 18 dos 45 chefes políticos esperados compareceram. O número corresponde a um quinto das autoridades que compareceram nas Olimpíadas de Londres, em 2012, 90.

Pode não ter sido o evento olímpico mais marcante de todos os tempos, mas a Rio 2016 teve seus momentos inegáveis de entusiasmo e animação.

Festa organizada, esportistas esforçados, enquanto que até a gafe relacionada ao evento envolveu o nadador Ryan Lochte, dos EUA, que inventou um assalto sofrido para esconder uma festa para não decepcionar uma namorada.

O Brasil teve algumas semanas de alegria, que o agosto, considerado mês sombrio, não conseguiu atrapalhar.

O momento sombrio de agosto será no dia 25, quando haverá o julgamento final de Dilma Rousseff.

Se for como esperam os anti-petistas, com Dilma fora do governo em definitivo e Temer efetivado, o Brasil terá mais uma grande prova a enfrentar.

Será juntamente com os atletas paralímpicos, que seguem no evento.

Os trabalhadores brasileiros, portadores de necessidades especiais como ter casa própria, uma certa básica farta e saudável, Educação e Saúde públicas de qualidade e poder aquisitivo satisfatório, terão de perder tudo neste governo deficiente que tende a vir.

Vai ser uma grande prova trabalhar mais e ganhar menos, com aposentadoria para mais tarde. E sem direito a medalha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…