Pular para o conteúdo principal

A GRANDE MÍDIA E A COBERTURA SELETIVA DO JULGAMENTO FINAL DO 'IMPEACHMENT'


Os primeiros dias do julgamento final para o impeachment de Dilma Rousseff foram tensos.

Foi uma sessão cansativa, que durou das 9h45 às 22h30.

Logo de manhã, houve uma discussão com a pergunta que a senadora Gleisi Hoffmann fez no plenário.

"Quem aqui tem moral para julgar Dilma?", foi a pergunta que irritou os senadores que fazem oposição à presidenta afastada e lutam pelo seu afastamento definitivo.

Houve um bate-boca principalmente com o senador Ronaldo Caiado, do DEM goiano.

Solidário à colega de partido, o petista Lindbergh Farias lembrou das ligações de Caiado com o bicheiro Carlinhos Cachoeira.

Espumando de raiva, Ronaldo Caiado disse para Lindbergh "fazer anti-doping", alegando que o senador não teria coragem de se expor desta forma fora da bancada do Senado.

O presidente do STF, Ricardo Lewandowski chegou a suspender a sessão por alguns minutos.

No segundo dia, Gleisi discutiu com Magno Malta, o senador do PR paulista que, por sinal, é um dos parlamentares que defendem a Escola Sem Partido.

Malta havia dito que os senadores pró-Dilma estavam querendo atrasar os trabalhos.

Gleisi também havia discutido com o presidente do Senado, Renan Calheiros, porque ele disse que havia ajudado a livrar o marido dela, o ex-ministro Paulo Bernardo, da prisão, e ela questionou essa declaração.

As polêmicas entre oposicionistas e aliados da presidenta fizeram, no segundo dia, adiantar o intervalo para o almoço.

Muita coisa aconteceu no julgamento final, nestes dois primeiros dias.

Mudanças que fizeram testemunhas virarem apenas informantes.

O procurador Júlio Marcelo, que seria a principal testemunha de acusação, foi rebaixado a informante, por ser acusado de militar contra o governo Dilma Rousseff.

A diferença da condição de testemunha e de informante é que, neste último caso, o depoimento não pode ser acolhido como prova.

E o que a grande mídia está fazendo com esses acontecimentos?

Simples. Embora tente parecer neutra, a grande mídia tenta dar a impressão que os senadores do PT são desequilibrados.

O Jornal Nacional e mesmo o Jornal da Band editaram as reportagens de forma a dar a impressão de que os aliados de Dilma Rousseff são temperamentais e os opositores, mais ponderados.

Mas é o contrário. É verdade que Gleisi e Lindbergh se irritam com a situação, mas nem de longe eles parecem os desequilibrados que a grande mídia tenta explorar.

Já Ronaldo Caiado, sim, ele é que explode de raiva, como um latifundiário que já tem um comportamento bruto e grosseiro.

A grande mídia já é conhecida por editar reportagens para distorcer os fatos e dar o ponto de vista mais favorável aos interesses plutocráticos.

Faz uma cobertura seletiva e quase ficcional, não fosse o fato dela lidar com a realidade.

Cria vilões e heróis ao gosto de seus empresários.

O caso de 1989 é histórico. No último debate da campanha presidencial organizado pela Rede Globo, o Jornal Nacional manipulou as imagens para tentar convencer que Fernando Collor saiu-se melhor que Lula.

O debate, na íntegra, mostrou que Lula tinha ideias e propostas mais convincentes, e Collor parecia, em muitos momentos, pedante e demagógico.

Mas a manipulação do Jornal Nacional deu a imagem contrária, bastando apenas uma edição tendenciosa das imagens.

E aí Collor foi eleito. A plutocracia pirou naquela época, antes que Collor virasse uma versão yuppie de Jânio Quadros (ironicamente falecido durante o mandato do "caçador de marajás") ao confiscar as poupanças e investigações descobrirem que isso foi para alimentar o esquema de Paulo César Farias.

A grande mídia anda ultimamente muito grotesca com sua parcialidade.

Devem estar procurando algum novo suposto triplex de Lula, como quem brinca de Pokemon Go.

O jornalismo da grande mídia seria uma comédia, se não fosse também trágico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…