Pular para o conteúdo principal

A LUA-DE-MEL ENTRE O "FUNK" E A REDE GLOBO


O "funk" é discriminado pela grande mídia? Nunca foi. Ele apavorava os barões midiáticos? De jeito nenhum. O "funk" é realmente a favor da regulação da mídia? Nunca, porque seria destruir seus mais cobiçados espaços de divulgação.

Não vamos falar aqui das associações do "funk" com a Folha de São Paulo, outra grande divulgadora do gênero, e da revista Veja, que chocou a intelectualidade "bacana" com uma matéria elogiosa e capa dada ao MC Guimê, ícone do "funk ostentação" (derivado paulista do "funk carioca"), já que o foco é com as Organizações Globo, cujo apoio ao "funk" não deveria ser subestimado nem desprezado pela mídia esquerdista.

Elaboramos aqui uma longa lista provando as alianças entre o "funk" e a maior das corporações midiáticas, a Rede Globo, com base em dados concretos, o que prova em definitivo o vínculo que o ritmo tem com o coronelismo midiático.

A visão pode desagradar muita gente, mas se trata de fatos e não "juízos de valor de gente chata". Daí que o sucesso do "funk carioca" seria impossível se não tivesse o dedo de Roberto Marinho e seus filhos. Vamos à lista:

1) Seus DJs mais veteranos, DJ Marlboro e Rômulo Costa (Furacão 2000) foram contratados pelo braço fonográfico das Organizações Globo, a Som Livre;

2) A hoje extinta rádio 98 FM, mais tarde Beat 98, foi um dos maiores espaços de divulgação do gênero;

3) O primeiro programa de TV que impulsionou o sucesso do "funk" para além de seus redutos foi o Xou da Xuxa, de Xuxa Meneghel;

4) Nos últimos anos, o apresentador que mais apoiou o "funk" foi o Luciano Huck, através do Caldeirão do Huck. O sucesso de Mr. Catra, por exemplo, só foi possível com este programa, que inspirou nos funqueiros a gíria "é o caldeirão", que quer dizer "é o máximo";

5) Entre 2003 e 2006, a presença do "funk" nos veículos das Organizações Globo foi quase total, com personagens criados por encomenda em novelas e humorísticos e espaço até na revista Quem Acontece, no canal Futura e na Globo News;

6) Nota-se, por exemplo, a ênfase no "funk" em atrações como matérias do Globo Esporte e em núcleos pobres em novelas da Rede Globo de Televisão;

7) O ex-presidente da APAFUNK (Associação de Profissionais e Amigos do Funk), MC Leonardo (colunista de Expresso, jornal popularesco das Organizações Globo), foi redescoberto pelo cineasta José Padilha, do Instituto Millenium, através de um antigo sucesso da dupla de irmãos MC Júnior e MC Leonardo, "Rap das Armas";

8) As primeiras reportagens definindo o "funk" como um "movimento ativista e cultural" foram publicadas no Segundo Caderno de O Globo, por volta de 2003;

9) O Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR), sustentado pela Fundação Roberto Marinho, usou um grupo de "funk" para abrir uma exposição sob a artista Josephine Baker;

10) Existe um sucesso de "funk" intitulado "Aquecimento da Globo", no qual o famoso som da vinheta "plim-plim" é usado na mixagem;

11) O "funk" é o ritmo mais usado nas festas do Big Brother Brasil;

12) O antropólogo Hermano Vianna, ligado a intelectuais do PSDB (foi orientado, na pós-graduação, por Gilberto Velho, ligado à falecida ex-primeira-dama do governo FHC, Ruth Cardoso), é produtor dos programas de Regina Casé que divulgam o "funk" (como Central da Periferia e Esquenta!) e apresenta o Navegador do canal Globo News;

13) O documentário Sou Feia Mas Tô Na Moda, da ex-jornalista da RBS (parceira gaúcha das Organizações Globo), Denise Garcia, teve o apoio da Globo Filmes, mas ele não foi creditado para não despertar suspeitas de monopólio no mercado cinematográfico;

14) O Rio Parada Funk, que a princípio relutou em assumir seus patrocinadores, admitiu oficialmente o patrocínio da Rede Globo, que no Rio de Janeiro está por trás de todos os eventos de ponta que incluam o "funk carioca".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…