Pular para o conteúdo principal

ATITUDE DO CAPITAL INICIAL DEIXARIA RENATO RUSSO ENVERGONHADO


Depois do vexame da música "Saquear Brasília", cuja letra defende o vandalismo para eliminar a corrupção no Congresso Nacional, o Capital Inicial decepcionou mais uma vez.

Na apresentação, na noite do último sábado (25), no Teatro Positivo, em Curitiba, Dinho Ouro Preto dedicou a música "Que País é Este?" ao juiz Sérgio Moro.

Ele foi ovacionado pelos curitibanos que estavam lá vendo a banda brasiliense radicada em São Paulo se apresentar.

O problema é que "Que País é Este?" não é uma música do Capital Inicial.

É uma canção do Aborto Elétrico regravada pela Legião Urbana, no álbum homônimo de 1987.

Embora o Capital Inicial tenha como integrante um antigo membro do AE, a música foi feita apenas por Renato Russo.

Que, se vivo fosse, com a mais absoluta certeza não estaria gostando de jeito algum da "homenagem".

Renato estaria mais simpático a Lula e Dilma, mesmo que não fosse um petista.

E não estaria confiando numa atitude extremamente parcial do juiz Sérgio Moro, que na Operação Lava-Jato é duro demais com o PT, mas extremamente mole com o PSDB, PMDB e aliados.

Prendeu o ex-ministro de Lula e Dilma, Paulo Bernardo, com base em rumores mal analisados.

Mas deixa solto Aécio Neves, que sozinho fez muito mais corrupção, tanto no Mensalão quanto na Lava-Jato.

Aécio virou "intocável", mesmo quando vários delatores revelam que sua corrupção é escancarada.

A grande mídia até esconde Aécio debaixo do tapete, para depois encontrar um meio para "reabilitá-lo".

Dinho Ouro Preto esqueceu do sentido dos primeiros versos de "Que País é Este?".

Diz o trecho: "Nas favelas, no Senado, sujeira pra todo lado".

Esquece que Sérgio Moro rompeu com seu compromisso de juiz quando apareceu em homenagens ao lado de João Roberto Marinho, das Organizações Globo, e João Dória Jr., do PSDB.

Sujeira pura, contrariando a sobriedade e a isenção que deveria ter um juiz.

Há também outro trecho que poderia ser creditado ao governo Michel Temer: "Ninguém respeita a Constituição / Mas todos acreditam no futuro da nação".

Foi um grande mico para um Dinho Ouro Preto que esqueceu as lições que teve do punk de Brasília.

O Capital Inicial, com essa atitude de fazer a plateia ovacionar Sérgio Moro, se juntou ao Ultraje a Rigor e ao Lobão na legião (sem relação com Renato Russo) de roqueiros "coxinhas".

Só falta Lobão fazer as pazes com Dinho e retirar o apelido de "coita" dado a ele.

E tudo isso na Curitiba que parece acompanhar São Paulo e Rio de Janeiro na decadência avassaladora do Sul e Sudeste.

Afinal, o reacionarismo da plateia ovacionando um juiz parcial, que não respeita a Constituição e diz acreditar no futuro da Nação, reflete a avalanche existencial que atingem o Sul e Sudeste.

Antes regiões marcadas pela modernidade social, o Sul e Sudeste sucumbiram a um vergonhoso surto de provincianismo e conservadorismo.

E, vendo a plateia de jovens, numa apresentação do Capital Inicial, aplaudindo Sérgio Moro, ainda mais com um vídeo registrado com entusiasmo pelos Revoltados On Line, uma pergunta deve ser feita:

Que país é este?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…