Pular para o conteúdo principal

ELEITORES CARIOCAS SÃO CULPADOS PELA SAÍDA DE DILMA ROUSSEFF


Foi revelada a raiz do impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff.

A origem de todo esse retrocesso político que temos que aturar através do governo do presidente interino, mas com pretensões de efetivo, Michel Temer.

A origem está no Rio de Janeiro.

O Rio de Janeiro dos retrocessos mil.

Do neocoronelismo político de Eduardo Paes e companhia.

Do grotesco sonoro e comportamental do "funk".

Da confusão e da corrupção viária dos ônibus com pintura padronizada.

Do fanatismo totalitário do futebol carioca.

Da canastrice pseudo-roqueira da Rádio Cidade.

Da reprodução servil do pior de São Paulo, com as gírias de Luciano Huck, a breguice musical do Domingão do Faustão e o "mundo cão" dos programas policialescos exibidos à luz do dia.

Dos fascistas digitais que fazem cyberbullying contra quem não compartilha da visão idiotizada e subserviente que os sarcásticos internautas têm do cotidiano.

Das mulheres siliconadas que parecem felizes em fazerem o papel de objetos sexuais para consumo.

É esse o Rio de Janeiro que deixou de ser lindo e não é mais a Cidade Maravilhosa.

O Rio de Janeiro do estupro coletivo, das balas perdidas, das ciclovias que caem, dos políticos que nada fazem a não ser mentir, dos produtos que faltam nas prateleiras, do futebol que "rouba mas faz (gol)".

Um Rio de Janeiro que perdeu o rumo da vanguarda, deixou de ser resistência e virou desistência.

Um Rio de Janeiro que parece insensível aos próprios problemas.

Que teima em ser imponente mesmo em vertiginosa decadência.

Que teima em ser cidade-modelo mesmo com o bangue-bangue nos complexos Alemão e Maré.

É esse o Rio de Janeiro que, acreditando na moralidade, decidiu eleger, para a Câmara dos Deputados, um político sem muita expressão nem carisma.

Seu nome: Eduardo Cunha.

Foi a eleição dele o veneno que muitos eleitores cariocas serviram para todo o Brasil.

Isso porque Eduardo Cunha se revelou um político retrógrado e prepotente.

Um corrupto que queria lançar propostas obscurantistas e reacionárias para o país.

Que queria desqualificar trabalhadores, discriminar a estrutura familiar, eliminar conquistas sociais históricas obtidas com muito sangue, suor e lágrimas.

A catarse carioca em querer eleger um moralista religioso criou um monstro moral.

E a origem do impeachment se deu porque Cunha só pouparia Dilma se ele fosse poupado de ser investigado pela Operação Lava-Jato.

Não foi. Dilma, honesta, queria que todos os suspeitos fossem investigados pela Lava-Jato.

E o Brasil virou refém de Eduardo Cunha.

Se poupado, Dilma permaneceria no governo, mas Cunha iria impor suas pautas-bombas.

Mas como não foi poupado, Cunha articulou com o restante do PMDB carioca a saída da presidenta.

Articulou uma campanha com a mídia associada. Atraiu o apoio de Michel Temer.

Cunha e Temer articularam também com o PSDB. O derrotado de 2014, Aécio Neves, achou ótimo e vestiu a camisa do impeachment.

Resultado: de político inexpressivo, Eduardo Cunha se converteu no maior algoz do governo Dilma.

Cunha lutou para expulsar Dilma, conseguiu e, por isso, até aceitou ser afastado do poder.

Até porque anda governando por trás, combinando com Aécio o projeto de governo para o insosso Michel Temer.

O governo Temer juntou as pautas-bombas de Cunha com o projeto eleitoral de Aécio de 2014.

E o povo brasileiro vive uma situação insegura, governado por políticos corruptos e ameaçado de perder as conquistas sociais históricas.

Até a classe média que pediu "Fora Dilma" vai pagar caro com os retrocessos do governo Temer.

Isso porque uma parcela do eleitorado do Rio de Janeiro quis porque quis eleger um moralista sem moral.

Depois querem que o Rio de Janeiro seja modelo para todo o país.

Da maneira que o Rio está, é impossível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…