Pular para o conteúdo principal

TEMER ADMITINDO GOLPE E GLOBO NEWS CORTANDO TRANSMISSÃO DE FORMA SUSPEITA

EDUARDO CUNHA CRITICOU WILLIAM BONNER E A GLOBO NEWS CORTOU O SINAL.

Se a plutocracia que está no poder hoje prometeu fazer um espetáculo, conseguiu.

É um espetáculo de comédias, com tantos escândalos e gafes acumulados.

A caminho de completar dois meses de mandato, o governo interino de Michel Temer não disse a que veio e sofre uma grave crise por conta de tantos incidentes.

Michel Temer cometeu gafe tanto na entrevista ao jornalista Roberto D'Ávila, da Globo News, quanto na sua conta oficial do Twitter.

Disse que Dilma Rousseff usaria aviões para sair pelo pais "denunciando o golpe".

Sim, Temer citou "golpe".

Ou ele ouviu tanto os comentários adversos sob a forma como ele chegou ao poder e repetiu a palavra por desatenção ou simplesmente ele teria feito uma confissão.

É mais provável que tenha sido desatenção.

Ele jura que seu governo foi instaurado de acordo com a lei e a normalidade democrática.

Dá para perceber que isso não é verdade.

Mas é tanta gente falando em golpe que contagiou Michel Temer.

De repente o presidente interino deve ter tido consciência de que não dá para esconder a farsa.

Quanto a um dos mentores do governo Temer, o deputado afastado Eduardo Cunha, incidentes só agravaram a situação da plutocracia em geral.

Ele realizava uma entrevista coletiva para se defender das acusações diversas contra ele e sua mulher, a ex-jornalista da Globo Cláudia Cruz.

É direito dele de fazer uma coletiva, embora seus desmentimentos não convencessem.

Mas aí, quando Cunha foi criticar o apresentador William Bonner, do Jornal Nacional da Rede Globo, a Globo News, que transmitia a entrevista, a tirou do ar.

"Todos os dias o William Bonner arranja alguém para falar de mim. Se eu pegar as matérias do 'Jornal Nacional', em cada dia tem uma pessoa diferente, mas elas acabam se repetindo. Acho que fazem um revezamento", disse o deputado, com aquela sua habitual ironia.

Cunha reclamava que o JN dava mais espaço para as acusações do que para as frases ditas por ele para tentar desmentir as acusações.

E aí a Globo News cortou.

Não devia pois, se o propósito era mostrar Cunha dando entrevista, era para mostrar tudo, doa a quem doer, e mesmo se o deputado tivesse mentindo tudo.

Ali o que se devia fazer era transmitir tudo, e depois o pessoal avaliasse da forma que entender.

A entrevista também passava na TV Câmara, até que veio o interrogatório dos jornalistas e o canal parlamentar cortou. Seu diretor, depois, foi demitido.

O que se observa é que o governo Temer está cheio de muita confusão.

Que se contagia com antigos aliados, mesmo encrencados como Eduardo Cunha, ou com as Organizações Globo.

Sobretudo uma emocionalmente desequilibrada Globo News, cujos jornalistas chegam a fazer cara de choro, de raiva ou de muita euforia conforme as circunstâncias e seus interesses anti-Dilma e pró-Temer, entre outros similares.

E tem gente ainda tranquila achando que o governo interino ainda vai botar o Brasil em ordem.

Diante desse espetáculo todo, o Brasil só vai afundar no caos com essa turma corrupta e atrapalhada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…