Pular para o conteúdo principal

MICHEL TEMER PRESTA SERVIÇO AOS BARÕES MIDIÁTICOS

JOÃO ROBERTO MARINHO, DAS ORGANIZAÇÕES GLOBO, DURANTE UM BATE-PAPO INFORMAL COM O PRESIDENTE INTERINO, MICHEL TEMER.

O golpe político que vemos teve o patrocínio da Rede Globo.

Ela, à frente de outros veículos solidários, influiu a sociedade a pedir o "Fora Dilma" e todo o processo jurídico e parlamentar para afastar a presidenta Dilma Rousseff.

A Globo foi que temperou a raiva dos direitistas e forçou a adesão popular em toda campanha anti-PT.

A Globo manipula o inconsciente coletivo, sendo capaz de influenciar até parte de seus detratores.

Vai o Luciano Huck em rede nacional lançar uma gíria e ela penetra até em setores ligados ao rock mainstream ou em parte dos que acham o apresentador um "mala" e ficam gritando feito papagaios "O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo!".

A Globo insere o "mau gosto popular" do brega-popularesco e depois ele é empurrado até na mídia esquerdista como se fosse o oposto da "órbita global" que o lançou.

O "funk" é ilustrativo: todo esse discurso "etnográfico" e "militante" associado ao ritmo carioca foi primeiro lançado pela Rede Globo e pelos artigos e reportagens do jornal O Globo.

Mas os detratores da Globo, em boa parte por boa-fé, achava que o "funk" estava fora da mídia mesmo quando aparecia em tudo quanto era veículo das Organizações Globo.

Tempos ingênuos.

O "funk" aparecia na novela das nove, no Fantástico, no Caldeirão do Huck, em Malhação, era elogiado em matérias da revista Época, de O Globo, em documentários da Globo News, no colunismo social da Quem Acontece, na pedagogia comercial do canal Futura etc etc etc.

O "funk" recebia o apoio de Luciano Huck, William Waack, Ana Maria Braga, e, fora da "órbita global", de gente como Gilberto Dimenstein e Danilo Gentili, virava capa de Veja e tudo o mais, e muitos pensavam que isso era "coincidência" e o "funk" não aparecia na mídia.

Era essa a influência do "planeta Globo" nas mentes de quem dizia odiar a emissora.

A Globo cresceu tanto que influencia uma parcela de seus detratores.

Sobretudo os frágeis esquerdistas de primeira viagem e os pseudo-esquerdistas que, originalmente direitistas, saltaram nos círculos esquerdistas diversos de pára-quedas, durante o auge da popularidade do então presidente Lula.

E aí a Globo manipula as pessoas, e quando possível influenciava para os pseudo-esquerdistas saírem do armário e deixarem de fingir que adoravam o esquerdismo, de Emir Sader a Che Guevara.

E foi aí que, com Dilma Rousseff no poder, a farsa dos "marx-cartistas", do macartismo fantasiado de marxismo nas mídias sociais, foi desmontada.

Gente com visão de direita mas era "esquerdista convicta" em 2007 chegou a 2011 pregando um direitismo mais histérico, adotando uma postura que, se fosse advertida ainda na Era Lula, era respondida por sarcásticos "KKKKKKKKKK".

Gente que emitia feito papagaios bordões tipo "Fora FMI" e "Fora Imperialismo" em 2007 e, quase dez anos depois, já reivindicava "mais capitalismo" para o Brasil.

Gente que jurava que "sentia simpatia" por Che Guevara e hoje o acusa de "filhote do lulo-petismo". Isso mesmo, um ativista cubano (embora nascido na Argentina), morto em 1967 mas "sub-produto" de um partido surgido em 1980.

E é esse o pessoal que pediu "Fora Dilma" vestindo camisetas da seleção brasileira em risíveis passeatas como as que eu mesmo pude presenciar, em Niterói.

E comemorou quando a votação de 17 de abril na Câmara dos Deputados, comandada por um deputado de notáveis práticas corruptas, abriu o caminho para o impeachment.

E aí veio o governo de Michel Temer, da maneira confusa e irregular com que foi instaurado.

Com Aécio Neves mais parecendo um animador de TV exaltado diante de Temer e seus ministros na cerimônia de posse.

E aí Temer, entre outras medidas, extingue o Ministério das Comunicações.

Isso para dar sinal verde para os barões da grande mídia aumentarem seu poder manipulador sobre a sociedade brasileira.

E também para os barões da telefonia móvel ajudarem a extinguirem o rádio AM e jogarem a história do rádio brasileiro no lixo, favorecendo grandes impérios de rádio FM.

E aí Michel Temer, no fundo frustrado por não poder também extinguir o Ministério da Cultura com a volta do antigo MEC e sendo obrigado a ressuscitar a antiga pasta, mas empastelando-a por dentro (criou até uma entidade paralela ao IPHAN!), veio com outra ideia maligna.

A de extinguir a Empresa Brasil de Comunicações, a EBC.

Surgida em 2007, ela é responsável pelo canal carioca TV Brasil, pelo canal pago NBR, pelas rádios MEC do Rio de Janeiro e Brasília e pelo portal de notícias Agência Brasil.

Ou seja, é um complexo midiático voltado para a Comunicação pública, de caráter educativo, de formação cultural autêntica e com um projeto de informação honesto e voltado ao interesse público, à realidade vivida pela sociedade.

A EBC era uma alternativa viável ao comercialismo neurótico e voraz das redes comerciais e seus braços radiofônicos, digitais e impressos.

A ameaça do fim da EBC, declarada por Michel Temer, tem como pretexto o custo de R$ 3,6 bilhões acumulado em nove anos.

Uma quantia irrisória, se percebermos que, num único ano, a RTVE, televisão educativa da Espanha, tem um custo equivalente a R$ 1,3 bilhão. E se fala apenas em custo anual de uma rede de TV, e não um custo total do conjunto de uma empresa pública em nove anos.

E ninguém lá na Espanha, que sofre uma crise econômica, quer o fim da "dispendiosa" RTVE.

Há também a acusação de que a EBC servia de "aparelhamento" para o Partido dos Trabalhadores, como veículo de "propaganda ideológica" de Lula e Dilma Rousseff.

Como se a "mídia democrática e independente" não fosse propagandista de seus partidários representantes políticos. Aécio Neves, por exemplo.

Não se notava essa "máquina ideológica" na EBC e nem mesmo nos projetos educacionais públicos.

Mas nota-se máquinas ideológicas bem mais cruéis na Veja, na Rede Globo, na Globo News e na "consultoria" do "despretensioso" Alexandre Frota para a "educação pública" desejada pelo governo Michel Temer.

Eles, que se dizem "sem ideologia", é que manobram ideologicamente, impondo os valores de mercado e reduzindo a sociedade numa multidão de pessoas sem personalidade, submissas e resignadas.

O canal "educativo" das Organizações Globo, o Canal Futura, tem um conteúdo insosso e mais voltado aos interesses comerciais.

"Educa" a criançada naquilo que é mais anódino, quase que um the book is on the table pedagógico.

"Aquilo é um passarinho", "as meninas brincam de amarelinha", "o filhote de cachorro é muito dócil", são as lições que se deixam passar na pedagogia mercantil das TVs.

Até Xuxa Meneghel tentou embarcar nessa fórmula, antes de deixar de ser apresentadora infantil.

E a cultura brasileira, que a EBC tentava difundir de maneira mais realista possível, perde um dos poucos espaços de divulgação.

Ela já era empastelada por uma TV Cultura tucanizada, que empurrava o "funk carioca" para o público vanguardista sob o apoio da Rede Globo e da Folha de São Paulo.

Poucos perceberam isso e as esquerdas, na sua boa-fé, acharam que o "funk carioca" era uma "moderna etnografia ativista" e endossaram o que Globo, Folha e até Veja e Estadão empurravam como "o folclore do futuro".

A cultura popular quase foi esvaziada com o empastelamento dos debates com a tal "cultura do mau gosto".

O jabaculê musical e comportamental queria entrar na agenda das esquerdas.

Esvaziando o debate, veio a ameaça, que chegou a ser concretizada mas depois desfeita, do fim do MinC, e, agora, o eminente fim da EBC.

E tudo isso porque Michel Temer demonstra claramente um aliado forte dos barões midiáticos.

Que vai financiar as corporações midiáticas com prazer e mais dinheiro do que o PT havia financiado na boa-fé.

E, assim, tanto faz para a desinformada sociedade "coxinha", com seus midiotas e fascistas mirins julgando a realidade conforme seus umbigos, perderem a TV Brasil, a Agência Brasil e outros.

Eles têm a Globo para lhes dizer o que se deve pensar, o ídolo musical que devem adorar e até a gíria que devem falar, sem escrúpulos para investir no cacófato e irem "pra balada c'a galera".

Num país de midiotas, pouco importa uma televisão educativa.

O problema é que o nosso já grave cenário de burrice coletiva só pode piorar com o fim de um espaço alternativo de informação e divulgação cultural.

É muito triste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

ABSOLVIÇÃO DE GLEISI E PAULO BERNARDO PELO STF E O CASO LULA

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal absolveu o casal Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores, e Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, da acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Os dois eram acusados, juntamente com o empresário Ernesto Kugler, de participarem de suposto esquema de corrupção que envolveu também a Petrobras.

Esse esquema seria um desvio de dinheiro para a campanha de Gleisi para senadora em 2010.

As acusações foram baseadas em delações feitas para a Operação Lava Jato, por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, e o doleiro Alberto Yousseff, e carecem de provas consistentes.

Na votação, os ministros do STF, Luiz Edson Fachin, relator, e Celso de Mello, revisor, decidiram absolver Gleisi das acusações, mas condená-la por falsidade ideológica e caixa dois.

Os demais ministros, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, votaram pela absolvição total, por verem que as delações eram contr…

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …