O PARTIDO DA "ESCOLA SEM PARTIDO"


A Educação agora tem um novo partido. A "Escola Sem Partido".

Que promete um projeto pedagógico "sem ideologias nem doutrinamento".

Segundo seus ideólogos, nada de Paulo Freire, Darcy Ribeiro e similares.

Nada de transformar salas de aula em auditórios de debates.

Os valores da vida só serão ensinados à criançada e à rapaziada em casa, pelos pais.

Nada do professor falar de coisas da vida.

Ele que fique ensinando o que há nos livros didáticos. E olhe lá.

Se bem que os livros didáticos também sofrerão higienização ideológica.

Mais fantasia plutocrática, menos realismo cidadão.

Voltam aquelas fantasias de dizer que Dom Pedro I montou num cavalo imponente para gritar pela Independência do Brasil.

Nada: segundo registros históricos, o galântico imperador estava montado num burrico, queria fazer suas "necessidades" e teria dado apenas um grito simbólico.

A independência, mesmo, era tratada no Parlamento brasileiro.

Mas isso não interessa para o Escola Sem Partidos, que parece criar uma esperança para as elites "coxinhas".

Quem sabe a ditadura militar não é reabilitada e os mortos e torturados voltam a ser vilões?

A Escola Sem Partido também não irá discutir sexo nem gênero, etnia nem raça.

Isso que seja discutido lá em casa, professor não pode se meter no assunto.

Caso contrário, o professor terá sua aula gravada e será denunciado à Justiça, podendo ser processado, preso ou, na melhor das hipóteses, demitido.

Ou seja, uma Educação sem ideologias que faz patrulha ideológica.

A ideia é só ensinar aquele método asséptico e deturpado dos tempos da ditadura militar.

E contar a História sob o ponto de vista da plutocracia que está no poder.

Os bandeirantes que dizimaram índios virariam, novamente, "heróis" por "abrir o terreno para a expansão do Brasil".

Os senhores de engenho, que escravizavam negros, como os "grandes empreendedores da cana-de-açúcar".

Sem falar da esperança de criar o mito de que a ditadura militar veio para "resolver a crise do país".

E que não teria sido um golpe, mas uma "revolução democrática".

Quem expôs o projeto Escola Sem Partido foram duas pessoas da pesada.

Alexandre Frota, ator e ex-astro pornô convertido em evangélico, e Marcello Reis, um dos "indignados" da Internet e líder do Revoltados On Line.

Sim, Alexandre Frota promovido a "educador".

Já dá para perceber o que é a Escola Sem Partido.

É a Escola do PSDB, do PMDB, do PP, do PSC e similares.

É a Escolinha Pluto para Educação dos Patetas.

Uma escola partidarizada. É o partido da Escola Sem Partido.

Quem tem até patrulha ideológica para garantir um ensino nos moldes "apartidários" do neoliberalismo.

Uma escola plutocrática, aristocrática, tecnocrática, mercantilista, elitista e até teocrática.

Ela não vai ensinar cultura africana, mas vai ensinar Teologia para principiantes.

E vai limitar o conceito de família às estruturas patriarcalistas "tradicionais".

A Escola Sem Partido veio para emburrecer muita gente.

Talvez dizendo que o pecado original do ser humano é a capacidade de raciocínio.

Ela veio para dar um freio aos avanços sociais que o Brasil, mesmo com dificuldade, estava fazendo.

A Escola Sem Partido poderia ser conhecida por um simpático apelido:

ESCÓRIA SEM PUDOR!

Comentários