Pular para o conteúdo principal

MINISTRO DA CASA CIVIL, ELISEU PADILHA, QUER "TERCEIRIZAÇÃO JÁ"


As pessoas no conforto de suas salas veem os noticiários da mídia privada e vão dormir tranquilas, sem saber da ameaça que as cerca.

Veem as notícias políticas sob o ponto de vista patronal e acham que tudo representa os interesses do brasileiro comum.

Estão enganadas.

Há cerca de uma semana, numa reunião com empresários em São Paulo, o ministro-chefe da Casa Civil do (des)governo Michel Temer, Eliseu Padilha, defendeu a ampliação de terceirização no mercado de trabalho.

Evidentemente, Padilha foi aplaudido por patrões esperançosos diante do poder que lhes representa.

Padilha quer a votação da "Agenda Brasil", que contém propostas de reformas integrantes do programa "Ponte para o Futuro" (conhecida jocosamente como "Pinguela para o Passado"), com "alguma rapidez" possível.

A Economia tenta ser o carro-chefe "esperançoso" do confuso governo Temer.

Enquanto escândalos acontecem, a mídia corporativa tenta dar a impressão de que os tecnocratas da Economia irão "salvar" até mesmo esse atrapalhado e vergonhoso quadro político.

Como se bons administradores tivessem e propostas benéficas houvessem para o país.

Grande engano.

Além do mais, o Eliseu Padilha que fez palestras para empresários é mais um dos encrencados que cercam o presidente interino.

O Ministério Público Federal entrou com ação pedindo bloqueio de R$ 300 mil de Eliseu Padilha sob acusação de improbidade administrativa.

Padilha teria mantido uma funcionária "fantasma" em seu gabinete, quando ele era deputado federal pelo PMDB gaúcho.

Ele alega que a ação do MPF se vale de gravações e escutas já anuladas pelo Supremo Tribunal Federal.

Mais um dos "notáveis" que se envolvem em escândalos de corrupção.

Da equipe cujo "super-herói" Henrique Meirelles anda com os pedais fiscais em movimento.

Quanto à terceirização, o governo Temer usa como pretexto o corte de gastos, a desburocratização e a flexibilização das relações de trabalho.

Na visão deles, o mercado de trabalho se tornaria mais "ágil", "competitivo" e "rentável".

Por trás dessas promessas de "garantir mais emprego", a terceirização pretende desqualificar as profissões, nivelando os assalariados a trabalhadores informais.

A terceirização já é usada em atividades-meio, ou seja, serviços que empresas e instituições utilizam sem ter relação direta com suas atividades principais.

Na terceirização, os empregados têm salários menores e menos encargos, e não são protegidos por garantias sociais, perdendo a assistência médica prevista quando assalariados sofrem algum acidente de trabalho.

Diante da ameaça de ampliação do mercado terceirizado, não somente para atividades-meio como para os empregos em geral, os trabalhadores sairão perdendo.

Não somente a classe proletária nem sempre bem vista pela classe média que vê confortavelmente os noticiários da mídia patronal.

A própria classe média, mesmo a que gritou "Fora Dilma", perderá com isso.

A terceirização, se ampliada, atingirá a maioria dos brasileiros, só poupando os ricos de tamanhas condições vexaminosas e perigosas.

Hoje, a teoria diz coisas maravilhosas, mas amanhã a prática mostrará uma realidade sombria.

Será necessário esperar o recebimento salarial para ver o mal da terceirização?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…