Pular para o conteúdo principal

GOVERNO TEMER E MAIS ESCÂNDALOS


O governo Michel Temer está mais próximo de um desgoverno.

Começou com uma série de crises e escândalos, prometendo retrocessos, cometendo recuos, mostrando a fraqueza política e um cenário de muita crise.

A crise não acabou naquele 17 de abril, onde corruptos votaram a abertura do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Pelo contrário, a crise começou nesse momento.

E isso se reflete no cotidiano dos cidadãos comuns, com a perda de controle dos preços, aumentando como não se aumentava há muito tempo.

Além disso, muita gente boa é que ficou com a grana do povo brasileiro.

Políticos neoliberais, tecnocratas, celebridades e subcelebridades, ídolos popularescos, astros do futebol, empresários, investidores, rentistas, muita gente ficou rica demais nos últimos tempos.

E boa parte dessa gente é "admirável", como Luciano Huck, Neymar e Wesley Safadão.

Enquanto isso, as pessoas acreditam que só os petistas é que ficaram ricos demais.

Ou então defendem, mas sem ter capacidade de explicar, por que seus ídolos ficaram ricos além da conta.

Acham que a grana exorbitante que eles faturam é digna de mérito.

Fazem gol, permitem a entrada de empresas estrangeiras, lotam plateias com facilidade, desinformam a nação e cometem escândalos que divertem a rapaziada.

E aí o governo de Michel Temer também é defendido por essa sociedade, e só ela tem esperança que esse desgoverno faça alguma coisa.

Nos últimos dois dias, foram divulgadas gravações de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, subsidiária da Petrobras.

Vieram denúncias do envolvimento do ministro do Turismo, Henrique Alves, em esquemas de propina, o que o fez renunciar ao cargo.

Depois de Romero Jucá, do Planejamento, e Fabiano Silveira, da (falta de) Transparência, Henrique Alves é o terceiro a deixar o governo por causa da corrupção.

Enquanto isso, o xará Henrique Meirelles faz pedaladas fiscais e é promovido pela grande mídia como o "último grande herói" dessa bagunça toda.

Mas também foram divulgadas gravações, pelo mesmo Machado, de que Temer havia acertado com o delator uma propina de R$ 1,5 milhão para a campanha de Gabriel Chalita.

Temer já foi condenado por fazer doações acima do permitido em campanhas eleitorais paulistas.

E está impedido de concorrer a cargo público por oito anos, contados de 2015.

Temer ainda tentou desmentir seu envolvimento em corrupção, mesmo citado pelo menos quatro vezes nas últimas gravações.

"Se eu tivesse cometido delito, não teria condições de presidir o Brasil", disse o presidente interino.

Pior é que não tem condições de presidir o Brasil.

Seu governo é mais um desgoverno.

Não teve sequer o chamado "choque de otimismo" que todo governo repentinamente instaurado inspira na população.

Pelo contrário, até mesmo a grande mídia não parece feliz nem confortável com o governo.

A grande mídia aposta em Henrique Meirelles como o "herói de emergência".

Mas mesmo assim nem ele convence. Pelo contrário, até deprime com seus anúncios de cortes no orçamento e redução de gastos sociais.

Só falta Meirelles ser citado na Lava-Jato.

Até Aécio Neves, outro "herói" da moçada, está acuado e perdido, nos bastidores muita gente diz que ele está encrencado com a corrupção.

O perigo é vir um governo mais conservador do que o de Temer.

O jeito é o povo se manifestar nas ruas, de uma forma ou de outra.

A crise está extrema e os escândalos não param de ocorrer. Devem vir mais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…