Pular para o conteúdo principal

POR QUE O TUCANATO CULTURAL CAPTOU VERBAS DA LEI ROUANET?


Já deu para perceber as coisas.

A Lei Rouanet beneficiou o setor privado, que captou verbas públicas para financiamento de suas atividades.

Entre os famosos beneficiados, mesmo por intermédio de pessoas jurídicas, estão muita gente que havia se manifestado contra o governo Dilma Rousseff.

André Luiz Calainho, dono da Aventura Produções, que atua em peças musicais, ex-noivo de Angélica e amigo e sócio do atual marido dela, Luciano Huck, e também amigo de Aécio Neves, é um dos maiores beneficiados.

Até a Fundação Roberto Marinho aparece na lista dos maiores beneficiados de 2015.

A FRM, das Organizações Globo, é sócia do Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR).

Que, quando foi fazer uma exposição sobre a cantora e dançarina Josephine Baker, convidou um grupo de funqueiras para o show de abertura.

Sim, o "funk" que chorava "contra a discriminação da mídia" mesmo quando aparecia em tudo quanto era programa da Rede Globo.

Sim, o "funk" cujo astro Mr. Catra era definido como "invisível às corporações midiáticas" mesmo quando ele virava figurinha fácil do Caldeirão do Huck.

O "funk" é "o caldeirão". Do Huck.

O mesmo Luciano Huck sócio de André Luiz Calainho em alguns empreendimentos.

Outros anti-Dilma também se beneficiaram de uma forma ou de outra com a Lei Rouanet: de Marcelo Serrado e Susana Vieira até o roqueiro Lobão e a banda pop Jota Quest.

Até o ator e diretor Cláudio Botelho, que disparou comentários grosseiros contra Dilma Rousseff, também foi beneficiado pela Lei Rouanet.

E tem o Pedro Bial, membro-fundador do Instituto Millenium, que brinda a chamada "cultura popular demais" com edições atuais do Big Brother Brasil que despejam dezenas de subcelebridades a cada ano.

Diante disso, a gente até imagina o que acontece com os intelectuais pró-brega que queriam também sua fatia no bolo.

Defendiam o "funk", o tecnobrega, o "forró eletrônico" e o "sertanejo universitário", mas "militavam" de carona nos filões esquerdistas visando obter verbas ainda mais generosas da Lei Rouanet.

Recorriam à mídia esquerdista, bajulavam Dilma e Lula, se fingiam "esquerdistas sinceros" mas defendiam a mesma "música brasileira" difundida pela Rede Globo e por FMs e AMs latifundiárias.

Emporcalhavam os periódicos esquerdistas com visões, abordagens e personalidades que vinham dos devaneios mercantis das famiglias Marinho, Frias e Civita.

Defendiam, mesmo quando tentavam caprichar na capa "esquerdista", ídolos que depois tiveram surtos neoconservadores: Zezé di Camargo & Luciano, Banda Calypso, Fábio Jr., Latino, MC Guimê.

Isso para não falar dos esforços em esconder o passado de Waldick Soriano, com suas declarações machistas e o apoio dado à ditadura militar.

Não conseguiram explicar por que MC Guimê, por exemplo, virou capa de Veja e teve uma matéria elogiosa por uma revista que parece xingar o mundo de tão ranzinza e hostil aos movimentos sociais.

Mas esses são a "boa" intelectualidade. Ora, eles são os intelectuais "bacanas".

Que, sob a desculpa do "combate ao preconceito", prometiam transformar o modismo da hora na etnografia de sempre, o jabaculê de hoje no folclore do amanhã.

Tão "bonzinhos", faziam pretensos ataques à Rede Globo e ao coronelismo midiático.

Mas se pautaram nessa mesma mídia para dizerem o que deveria ser a "verdadeira cultura popular".

Esses intelectuais - antropólogos, sociólogos, historiadores, cineastas, jornalistas culturais etc - eram porta-vozes dos empresários de entretenimento que faziam parcerias com os barões da grande mídia.

E que também captavam recursos da Lei Rouanet.

E que eram parceiros até mesmo de Luciano Huck.

Aí a gente pergunta se o tucano é uma ave transbrasileira e esses intelectuais não gostam.

Em todo caso, são elites devotas do "deus mercado" e que preferem captar recursos públicos - a não ser aqueles vindos "de fora", via George Soros, Fundação Ford e companhia - para que não precisem mexer nas suas fortunas pessoais.

O que esse pessoal quer mesmo é dinheiro. O resto vem depois.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…