Pular para o conteúdo principal

GOVERNO DO PT ACABOU ALIMENTANDO SUA PRÓPRIA OPOSIÇÃO


Mídia reacionária, artistas tucanos, intelectuais pró-brega, funqueiros arrivistas.

Uns neuroticamente esculhambando os governos de Dilma Rousseff e Lula.

Outros se opondo com uma certa raiva, mas com relativa compostura.

Outros fingindo apoiar o PT e as esquerdas em geral em prol de uns trocados e uma reputação pessoal mais destacada.

Todos eles acabaram sendo favorecidos pelas verbas públicas do Governo Federal do PT.

As Organizações Globo receberam, da Lei Rouanet durante as gestões petistas, R$ 147 milhões, de 2003 a 2015.

A mesma corporação recebeu, por ano, da Secretaria de Comunicação Social, um montante de R$ 600 milhões.

E a Globo ainda sonegava impostos, com valor de R$ 615 milhões divulgados em 2013.

Vamos fazer um cálculo.

Vamos juntar os valores que a Globo recebeu da SECOM e da Lei Rouanet com o valor que deixou de pagar em IRRF (Imposto de Renda Retido na Fonte).

600+615+147=1.362.

R$ 1,362 bilhões, cerca de 1,25% o rombo anunciado oficialmente por Henrique Meirelles.

Muito pouco, mas a grana que a Globo recebe e a que deixou de pagar - o que infla seu patrimônio financeiro de modo que seus donos, os irmãos Marinho, figurem entre os mais ricos do Brasil - poderia muito bem cobrir uma parte das dívidas da crise econômica.

A Globo, que influi na "cultura" do "mau gosto", no inconsciente coletivo, na propagação de gírias ("balada" e "galera") e na forma de ver o mundo (reacionarismo surreal), foi uma das maiores beneficiadas entre as empresas que receberam verbas do governo petista.

Juntamente com outros veículos midiáticos, como Folha, Veja e Estadão, entre outros, a Globo recebeu verbas generosas do Governo Federal.

Não bastasse a ação de partidos aliados que aos poucos se voltaram contra Dilma Rousseff, incluindo o próprio vice, Michel Temer, o governo do PT ainda alimentava a mídia para falar mal dela.

Respaldava também intelectuais que se fingiam "aliados sinceros" e que agiam pela degradação da cultura popular e o esvaziamento dos debates culturais, que, se ocorriam, limitavam-se a discutir problemas de natureza economicista.

Os problemas culturais só eram discutidos quando relacionados com o mercado.

E a intelectualidade "bacana", que se dizia desvinculada dos interesses da grande mídia, provou fazer o modo freelancer de servir ao barões midiáticos.

Porque a "cultura" que os "provocativos" intelectuais defendiam era a "cultura popular" da Globo, Folha, Veja etc.

O "funk" é ilustrativo disso, com seu discurso "social" surgido primeiro nas páginas da Globo e Folha.

Diante desse quadro, o que vemos é que o governo do PT criou condições, por boa-fé, para que a oposição crescesse.

Com a mídia reacionária pedindo a expulsão de Dilma e caluniando ela, Lula e o conjunto do PT.

Com os aliados sabotando os projetos progressistas com seu obscurantismo ideológico em vários sentidos.

Com a intelectualidade "esquerdista" a serviço de barões midiáticos ou investidores estrangeiros com a ideia de promover o jabaculê brega-popularesco como se fosse a "verdadeira cultura popular".

E os funqueiros, "sinceramente esquerdistas", sempre apunhalando as esquerdas pelas costas.

E ainda por cima despejando valores retrógrados, como o machismo que não conseguem agora esconder.

É, o "funk" não veio mesmo de Marte. Veio da Globo.

E a Globo teve seu poder fortalecido porque o governo Dilma, na boa-fé, achava que investir dinheiro na grande mídia iria amansar seus ímpetos reacionários.

Não amansou. Pelo contrário, despertou ainda mais a fúria das feras.

E aí veio a campanha pelo "Fora Dilma" que conhecemos.

Que instaurou o desastroso governo de Michel Temer, uma coleção de escândalos em menos de um mês.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…