Pular para o conteúdo principal

LÁZARO RAMOS FAZ A DIFERENÇA NO BRASIL DE FERNANDO HOLIDAY


Felizmente vemos pessoas dotadas de muita lucidez, fora da órbita do Brasil temeroso.

O caso do elenco do filme Aquarius, com Sônia Braga à frente, as declarações de Wagner Moura e Gregório Duvivier, as charges de Laerte Coutinho e Carlos Latuff etc.

Gente que não faz coro a essa plutocracia psicopata que acha que direita roubando não é corrupção.

Houve o episódio, ontem, com o ator Lázaro Ramos recusando receber homenagem no Senado Federal.

Ele afirmou que o momento atual é de conscientização e não de homenagens, e ele sabe muito bem do que está falando.

Ele vê um quadro social e político caóticos, daí o seu desconforto diante da ideia de ser homenageado.

Lázaro, assim como sua esposa Taís Araújo, são pessoas dotadas de indiscutível consciência social, e isso não é fácil.

No Brasil em que os partidários de Fernando Holiday tomaram o poder à força, o casal é eventualmente vítima de comentários racistas. Taís foi vítima de uma campanha cruel de cyberbullying.

É a chamada "galera tudo de bom, da paz, nota 'deiz' (sic) e show de bola" que se autoproclamam os fascistas mirins que atuavam desde os tempos do Orkut.

No Facebook, eles fizeram ataques combinados contra Taís Araújo. Naquele roteiro conhecido de primeiro fazer ironias, depois gozações e depois ameaças.

Vários foram presos, uns foram soltos, mas todos de alguma forma estão com a ficha criminal suja.

É um Brasil reacionário que diz não ser racista, que acha negritude uma "bobagem" e, por isso, aplaude quando Fernando Holiday, o vereador eleito de SP, arrogantemente diz que acabar com o Dia da Consciência Negra é "combater o racismo".

Holiday usa um falso humanismo para defender o fim da data: quer substituir a "consciência negra" com a "consciência humana, de todos".

Acha que o Dia da Consciência Negra é vitimismo. Não é. É um grande dia cultural, que, embora evocasse uma história dolorosa, como o passado de escravidão, também celebra as conquistas e as qualidades do povo negro.

Se deixarmos, Holiday segue a carreira política como vereador e deputado paulista e, depois, deputado federal, e daí para pedir o fim do Dia da Independência é um pulo.

Holiday poderá dizer que o Brasil não deve "se discriminar" ante outros países americanos e defender que a subordinação dos EUA é que é demonstração de "civismo, brasilidade e panamericanismo".

Infelizmente, atitudes assim que combinam politicamente correto e politicamente incorreto favorecem a ocorrência de manifestações racistas.

Ou de um racismo politicamente correto que, à maneira de Holiday (que é negro), tenta classificar a negritude como um "racismo pelo avesso".

Rodrigo Constantino, ídolo dos "revoltados" que elegeram Holiday esculhambou uma empreendedora negra, Monique Evelle, só porque ela investiu numa loja cujas roupas e acessórios evocam a negritude e os modelos que as exibem também são negros.

Constantino chegou a argumentar que o racismo não existe e que as empresas é que "têm direito" de empregar somente pessoas brancas.

O que ele e seus consortes não sabem é que, quando os negros divulgam sua afirmação cultural, eles não estão fazendo vitimismo nem racismo pelo avesso, mas mostrando o que têm de positivo e edificante para a sociedade como um todo.

Não é uma segregação do outro lado, é uma divulgação de identidade cultural, uma forma de mostrar o quanto os negros contribuem de muito positivo para nossa sociedade.

É lamentável que, depois de anos de governos progressistas, tenhamos que ver a sociedade ultraconservadora ter retomado o poder à força.

A plutocracia, sobretudo juvenil, não estava satisfeita em falar suas asneiras em boates e botecos, e queriam bancar os "donos da verdade" nas mídias sociais, a ponto de humilhar discordantes.

Mas também não se satisfizeram em serem os "donos da verdade" nas mídias sociais, queriam ir para as ruas e pedir um governante à altura de suas mentes mesquinhas.

E isso deu no quadro social que faz Lázaro Ramos se sentir desconfortável com a premiação, com toda a consideração que tem ao também negro Abdias do Nascimento, já falecido, que deu nome ao prêmio do Senado Federal.

Além disso, como lembra muito bem Marcos Sacramento, do Diário do Centro do Mundo:

"Com um Senado habitado por elementos como Collor, Ronaldo Caiado, Magno Malta, Renan Calheiros e Aécio Neves, onde a Constituição foi aviltada pela conclusão do processo de impeachment da presidente Dilma, fica fácil compreender a negativa de Lázaro".

Ficamos com o texto enviado por Lázaro divulgada pelo senador Paulo Paim, do PT gaúcho:

"Abdias do Nascimento foi um homem que estava na trincheira da luta pelos direitos da população negra e menos assistida do país.

Tem uma história de luta que é referência para todos nós que queremos um país mais igualitário.

Neste momento não me sinto confortável e nem desejoso de nenhuma homenagem pois acho que o momento do país é de conscientização, de organização para compreender em que momento histórico estamos e quais passos precisamos dar para fazer com que a tão sonhada igualdade aconteça um dia de verdade.

Então, por esse motivo, recuso essa homenagem na esperança de que tenhamos consciência de que o importante não é o aplauso pelo que foi feito e sim o próximo passo a ser dado".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…