Pular para o conteúdo principal

"CULTURA" DOS ANOS 90 ENTRA EM PROCESSO DE DECLÍNIO


A chamada "cultura dos anos 90", movida pela catarse, pelo comercialismo e pela overdose muito mal digerida de informações, entrou oficialmente em declínio.

É o que mostra a profunda tristeza e desapontamento nos círculos intelectuais e no público nas mídias sociais.

A suposta diversidade de uma MPB só para ricos, as baixarias do sensacionalismo, o emburrecimento do mercado literário, o reacionarismo do rock e outros fenômenos lamentáveis derrubou qualquer utopia sonhada há cerca de 20 ou 25 anos.

Na cultura rock, o fim da Rádio Cidade, no Rio de Janeiro, com seu acúmulo de contradições e erros graves, é um exemplo.

Do ponto de vista dos empresários, a Rádio Cidade não conseguiu explicar seu projeto para os anunciantes, que agora admitem que rádio pop e rádio de rock não são a mesma coisa.

Do ponto de vista dos profissionais, os radialistas da Cidade não estavam aguentando fingir que eram roqueiros, mudando de dicção e tardiamente tentando falar como se fossem locutores da antiga Fluminense FM.

Do ponto de vista dos ouvintes, nem eles aguentaram a programação repetitiva só de hits roqueiros. Paciência, a Rádio Cidade sempre foi uma rádio "só de sucessos".

Do outro lado da Via Dutra, a 89 FM cada vez mais sintonizada com o reacionarismo da Jovem Pan combinada com o reacionarismo de Lobão e Roger Rocha Moreira.

E isso derrubou uma utopia que se tinha com as "rádios pop que só tocavam rock" que se reduziram as chamadas "rádios rock" dos anos 90 para cá.

Queriam desenvolver uma "cultura rock" sustentável, chamando a gatinha que ouvia Backstreet Boys para se converter em "roqueirona da pesada".

Procuravam um Renato Russo com apelo mais pop, encontraram um Lobão com apelo "coxinha" ressurgido das cinzas do ativismo confuso de Chorão do Charlie Brown Jr.

Isso sem falar que a "cultura rock" da dupla Cidade/89 foi tão podada que sua "rebeldia" tornou-se inócua, e as duas rádios já sucumbiram há dez anos, envergonhadas em ter que assumir a paternidade do rock domesticado de NX Zero, Fresno, Restart e companhia.

Mas a frustração não envolve só o rock.

Ela envolve sobretudo a cultura brega-popularesca como um todo.

Na música o que se vê é um grande desapontamento, não necessariamente um fracasso comercial.

Sob o ponto de vista cultural, a ideia de criar um "pop comercial" que aos poucos era "culturalmente" turbinado deu com os burros n'água.

Tentaram emepebizar a geração do "pagode" e do "sertanejo" do começo dos anos 1990, e seus cantores estavam mais próximos de crooners tipo Julio Iglesias do que dos artistas do primeiro time da MPB.

Dos neo-bregas de 1990, Alexandre Pires e Chitãozinho & Xororó vivem de covers, Belo e Zezé di Camargo repercutem mais como subcelebridades.

A axé-music, que queria ser a síntese de tudo na música brasileira, decai até em Salvador.

O que os intelectuais "bacanas" definiam como "cultura transbrasileira", na esperança vã de ver algum "ativismo etnográfico" se reduziu apenas a ser um pop americanizado à brasileira.

Acreditava-se na síntese de tudo, Tropicalismo, pop estadunidense, folclore popular, ativismo comportamental etc, e o que se vê é o superficialismo da atual geração de cantores "populares".

Os apresentadores de policialescos da TV queriam ser cult. Viraram apenas moralistas retrógrados.

As "musas siliconadas" apostavam num feminismo maluco que contrastava mulheres-objetos com escravas do lar, na última hora trocaram a obsessão por noitadas pela rotina fitness, se tatuaram demais e demonstram seu descrédito diante do público masculino em geral.

Elas têm que optar por uma "solteirice por conveniência" ou para escolher namorados convencionais que estão no seu caminho.

E os intelectuais "bacanas", de repente, fugiram, envergonhados, desmascarados diante do pseudo-esquerdismo que tentou ocultar seus vínculos orgânicos com a mídia venal.

No plano ideológico, aliás, o "popular demais" do brega-popularesco nem esteve aí com a queda de Dilma Rousseff.

Feito o seu teatro pseudo-esquerdista, a Furacão 2000 que fingiu solidariedade a Dilma no 17 de Abril foi se aliar ao PMDB carioca para promover o mercado arrivista do "funk" no Rio de Janeiro.

Será um mercado monocultural à maneira da axé-music que já vive seu ocaso em Salvador.

E que, para desespero das esquerdas médias, será muito bem entrosado com a mídia venal.

Sob o ponto de vista cultural, as esquerdas médias acreditavam que o "funk" representaria uma síntese entre ativismo guevariano, modernismo cultural e comportamental e pop contemporâneo.

Virou um pop dançante comercial inócuo, em que até temáticas de protesto viravam mercadoria.

Toda essa "cultura" derivada dos anos 90 vive seu declínio, frustrando de vez todas as expectativas de super-culturas comercialmente sustentáveis e artisticamente maleáveis.

Tudo virou um comercialismo inócuo, frouxo, superficial, burro e repetitivo.

A festa que se fez com tudo isso agora mergulha numa ressaca tão triste que já chegou à depressão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

OS DESLIZES DE RAIMUNDO FAGNER

Raimundo Fagner acabou sendo tragado pela tsunami comercial da grife Sullivan & Massadas.

E virou um dos nomes mais conservadores da música brasileira.

Deixou para trás o grande cantor cearense que chegou a fazer dueto com a digníssima e saudosa Mercedes Sosa.

Fez recentemente uma música em homenagem ao juiz midiático Sérgio Moro, cuja atuação tendenciosa e parcial deixa os mais renomados juristas brasileiros de cabelos em pé.

Fagner virou, como lembra o Diário do Centro do Mundo, o "Lobão da MPB".

Fagner e Lobão haviam sido artistas admiráveis e, realmente, possuem talento para fazer boas melodias e lançar boas obras.

Mas estão queimados pelo reacionarismo um tanto oportunista e cego.

E irresponsavelmente necrófilo.

Lobão certamente não usou Cazuza, seu antigo BFF, para as passeatas "coxinhas" que pediram a derrubada do governo Dilma Rousseff.

Cazuza - que provavelmente, sem ser petista, teria defendido a permanência de Dilma - foi usado pelos próprios organi…

"DO YOU WANNA DANCE" NÃO FOI UM CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS

BOBBY FREEMAN AUTOR E INTÉRPRETE ORIGINAL DE "DO YOU WANNA DANCE?" LANÇOU O COMPACTO EM 1958.

O Brasil provinciano ainda enche a bola de nomes pouco representativos, só porque eles tiveram mercado mais forte aqui do que nos EUA. E, entre tantas coisas que acontecem no chamado "pop adulto", tão risíveis quanto o de qualquer popinho adolescente, há uma que se relaciona à famosa canção "Do You Wanna Dance?".

A música é conhecida pelos brasileiros pela gravação do cantor Johnny Rivers, um ídolo superestimado no país, mas que na verdade corresponde a uma segunda e ainda menos expressiva geração de ídolos comportadinhos dos EUA, cuja primeira geração foi representada por Pat Boone e Bobby Darin.

Só que a gravação de Johnny Rivers, que está no imaginário saudosista de muitos brasileiros, nem sequer é de autoria do (aqui) famoso cantor, e nem sua gravação é a mais significativa. Portanto, nada desse papo de "À meia-luz, ao som de Johnny Rivers", da canç…

O PÉSSIMO EXEMPLO DE LETÍCIA SABATELLA

Dias atrás, a atriz Letícia Sabatella cometeu uma lamentável gafe que somente é "bom exemplo" para a "galera tudo de bom" (que na verdade é tudo de ruim) que povoa as mídias sociais, desde os golpistas de boate que se escondiam na comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" no Orkut.

Em estadia em Brasília para a temporada local da peça Trágica.3, Letícia foi se divertir com amigos na boate Taypa, na Zona Sul da cidade, e exagerou nas doses de vodca que bebeu. De tão animada, ela se embriagou tanto que ficou deitada no chão, na saída da boate, sem poder se levantar. Teve que ser ajudada por uma amiga para ficar em pé.


É o que a dita "galera tudo de bom" entende como "aventura irada" ou "maó curtição, brou". Letícia bebeu até cair, se animou na badalação e, com a cara cheia e a mente zonza, a gata caiu no chão e teve que ser ajudada para levantar.

Se ela se recompõe no dia seguinte (o que, com certeza, ocorreu), a "galera tudo de…

SODA STEREO E A PRECARIEDADE DA CULTURA ROCK NO BRASIL

SODA STEREO, EM 1984 - CHARLY ALBERTI (E), ZETA BOSIO E GUSTAVO CERATI.

A banda Soda Stereo, que marcou a história do rock argentino e era liderada pelo guitarrista Gustavo Cerati, falecido em 2014 após quatro anos em coma, tem uma boa lição para dar aos brasileiros.

O Soda Stereo teve uma trajetória ímpar nos anos 1980 e 1990 e era dotado de profunda bagagem de informações musicais.

O grupo foi do ska ao shoegazing - tendência do rock alternativo surgida na Inglaterra e subestimada pelos brasileiros - em composições bastante consistentes e vibrantes, sobretudo vindas do talento ágil e criador de Gustavo.

O Soda Stereo surpreende os brasileiros não porque as bandas contemporâneas careciam de informação musical.

Até tínhamos: Barão Vermelho, Titãs, Paralamas do Sucesso, Legião Urbana e mesmo Kid Abelha possuem uma boa bagagem musical.

Mas, entre nós, a banda que mais foi longe em bagagens musicais foi Legião Urbana, por garimpar mais em tendências alternativas, mas as demais fizeram su…

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

TV LINHAÇA - A MPB SEGUNDO O DOMINGÃO DO FAUSTÃO

Reduto da música popularesca, o Domingão do Faustão trata a Música Popular Brasileira autêntica, assim como outra manifestação cultural de qualidade, como se fosse algo excepcional, como se nossa cultura normalmente não tivesse valor e tudo que tiver relevância artístico-cultural é visto como algo alheio à realidade dos brasileiros.

TV LINHAÇA - PSDB ROMPE COM PAULO GUEDES, MAS NÃO COM ULTRALIBERALISMO

Reagindo a uma crítica do ministro da Economia do governo Jair Bolsonaro, Paulo Guedes, o PSDB, através de carta aberta divulgada pelo presidente do partido, Bruno Araújo, declarou rompimento do apoio ao tecnocrata, mas continua defendendo valores próprios do ultraliberalismo.

TV LINHAÇA - O BOLSONARISMO DE PAULA TOLLER

Paula Toller se soma a uma galeria de pessoas que apoiam ou potencialmente apoiariam (no caso de personalidades do passado) a campanha de Jair Bolsonaro em 2018. A revelação de seu processo contra o uso de "Pintura Íntima" - composta com o ex-namorado Leoni, hoje progressista - repercutiu nas redes sociais, com muitos internautas chocados ao saber que a bela cantora é bolsomínion.

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …