Pular para o conteúdo principal

"CULTURA" DOS ANOS 90 ENTRA EM PROCESSO DE DECLÍNIO


A chamada "cultura dos anos 90", movida pela catarse, pelo comercialismo e pela overdose muito mal digerida de informações, entrou oficialmente em declínio.

É o que mostra a profunda tristeza e desapontamento nos círculos intelectuais e no público nas mídias sociais.

A suposta diversidade de uma MPB só para ricos, as baixarias do sensacionalismo, o emburrecimento do mercado literário, o reacionarismo do rock e outros fenômenos lamentáveis derrubou qualquer utopia sonhada há cerca de 20 ou 25 anos.

Na cultura rock, o fim da Rádio Cidade, no Rio de Janeiro, com seu acúmulo de contradições e erros graves, é um exemplo.

Do ponto de vista dos empresários, a Rádio Cidade não conseguiu explicar seu projeto para os anunciantes, que agora admitem que rádio pop e rádio de rock não são a mesma coisa.

Do ponto de vista dos profissionais, os radialistas da Cidade não estavam aguentando fingir que eram roqueiros, mudando de dicção e tardiamente tentando falar como se fossem locutores da antiga Fluminense FM.

Do ponto de vista dos ouvintes, nem eles aguentaram a programação repetitiva só de hits roqueiros. Paciência, a Rádio Cidade sempre foi uma rádio "só de sucessos".

Do outro lado da Via Dutra, a 89 FM cada vez mais sintonizada com o reacionarismo da Jovem Pan combinada com o reacionarismo de Lobão e Roger Rocha Moreira.

E isso derrubou uma utopia que se tinha com as "rádios pop que só tocavam rock" que se reduziram as chamadas "rádios rock" dos anos 90 para cá.

Queriam desenvolver uma "cultura rock" sustentável, chamando a gatinha que ouvia Backstreet Boys para se converter em "roqueirona da pesada".

Procuravam um Renato Russo com apelo mais pop, encontraram um Lobão com apelo "coxinha" ressurgido das cinzas do ativismo confuso de Chorão do Charlie Brown Jr.

Isso sem falar que a "cultura rock" da dupla Cidade/89 foi tão podada que sua "rebeldia" tornou-se inócua, e as duas rádios já sucumbiram há dez anos, envergonhadas em ter que assumir a paternidade do rock domesticado de NX Zero, Fresno, Restart e companhia.

Mas a frustração não envolve só o rock.

Ela envolve sobretudo a cultura brega-popularesca como um todo.

Na música o que se vê é um grande desapontamento, não necessariamente um fracasso comercial.

Sob o ponto de vista cultural, a ideia de criar um "pop comercial" que aos poucos era "culturalmente" turbinado deu com os burros n'água.

Tentaram emepebizar a geração do "pagode" e do "sertanejo" do começo dos anos 1990, e seus cantores estavam mais próximos de crooners tipo Julio Iglesias do que dos artistas do primeiro time da MPB.

Dos neo-bregas de 1990, Alexandre Pires e Chitãozinho & Xororó vivem de covers, Belo e Zezé di Camargo repercutem mais como subcelebridades.

A axé-music, que queria ser a síntese de tudo na música brasileira, decai até em Salvador.

O que os intelectuais "bacanas" definiam como "cultura transbrasileira", na esperança vã de ver algum "ativismo etnográfico" se reduziu apenas a ser um pop americanizado à brasileira.

Acreditava-se na síntese de tudo, Tropicalismo, pop estadunidense, folclore popular, ativismo comportamental etc, e o que se vê é o superficialismo da atual geração de cantores "populares".

Os apresentadores de policialescos da TV queriam ser cult. Viraram apenas moralistas retrógrados.

As "musas siliconadas" apostavam num feminismo maluco que contrastava mulheres-objetos com escravas do lar, na última hora trocaram a obsessão por noitadas pela rotina fitness, se tatuaram demais e demonstram seu descrédito diante do público masculino em geral.

Elas têm que optar por uma "solteirice por conveniência" ou para escolher namorados convencionais que estão no seu caminho.

E os intelectuais "bacanas", de repente, fugiram, envergonhados, desmascarados diante do pseudo-esquerdismo que tentou ocultar seus vínculos orgânicos com a mídia venal.

No plano ideológico, aliás, o "popular demais" do brega-popularesco nem esteve aí com a queda de Dilma Rousseff.

Feito o seu teatro pseudo-esquerdista, a Furacão 2000 que fingiu solidariedade a Dilma no 17 de Abril foi se aliar ao PMDB carioca para promover o mercado arrivista do "funk" no Rio de Janeiro.

Será um mercado monocultural à maneira da axé-music que já vive seu ocaso em Salvador.

E que, para desespero das esquerdas médias, será muito bem entrosado com a mídia venal.

Sob o ponto de vista cultural, as esquerdas médias acreditavam que o "funk" representaria uma síntese entre ativismo guevariano, modernismo cultural e comportamental e pop contemporâneo.

Virou um pop dançante comercial inócuo, em que até temáticas de protesto viravam mercadoria.

Toda essa "cultura" derivada dos anos 90 vive seu declínio, frustrando de vez todas as expectativas de super-culturas comercialmente sustentáveis e artisticamente maleáveis.

Tudo virou um comercialismo inócuo, frouxo, superficial, burro e repetitivo.

A festa que se fez com tudo isso agora mergulha numa ressaca tão triste que já chegou à depressão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O INCÊNDIO DA CATEDRAL DE NOTRE DAME E O DESCASO CULTURAL DA RETOMADA CONSERVADORA

No contexto da retomada ultraconservadora vigente desde 2016, é irônico que patrimônios históricos e culturais sejam perdidos ou ameaçados.

Lembra o apetite dos medievais em destruir o legado da Antiguidade clássica, não bastasse as batalhas e guerras que já destruíram muita coisa desse período.

Ou, no microcosmo do macrocosmo, os incêndios que fizeram perder muitos acervos de televisão durante a ditadura militar.

O incêndio da Catedral de Notre Dame, em Paris, é comparável ao do Museu Nacional no Rio de Janeiro.

É irônico, também, que, se o Rio de Janeiro se modernizou para se tornar a Paris dos trópicos, a Paris dos últimos tempos decai como se fosse o Rio de Janeiro do Velho Mundo.

O incêndio da catedral de Notre Dame, pelo menos, foi causado, provavelmente, por um acidente num trabalho de reforma do edifício, e seu acervo já havia sido deslocado para um salão em um outro prédio.

Não foi o caso do Museu Nacional, cujo fogo - causado pelo mesmo motivo do trágico incêndio no centro …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

BOLSONARISTA ARREPENDIDO, JOSÉ PADILHA SE DECEPCIONOU COM SÉRGIO MORO

Reviravolta no cenário de respaldo ao governo Jair Bolsonaro.

Antes bolsonarista, José Padilha afirmou sua decepção com o juiz Sérgio Moro, a cada vez mais distante da "heroica" figura que simbolizou artificialmente em 2016.

O cineasta de Tropa de Elite 1 e 2, que chegou a fazer uma série inspirada na Operação Lava Jato, havia chamado o ex-juiz e ministro da Justiça de Jair Bolsonaro de "samurai ronin".

A alegação era de que Moro agia com "independência política", mas Padilha se esqueceu que "ronin" era um tipo de mercenário.

Ontem Padilha escreveu um artigo na Folha de São Paulo dizendo que Moro perdeu sua "independência" e agora trabalha para a família Bolsonaro, que, sabemos, está envolvida com milicianos.

Padilha criticou o "pacote anti-crime" do ministro da Justiça, por ele favorecer o abuso policial e, sobretudo, a ação das milícias.

As milícias são grupos que envolvem policiais civis e militares corruptos que, paralel…

O PESADELO CARIOCA RESULTANTE DO PRAGMATISMO E DA ACOMODAÇÃO

Várias coisas sombrias ocorreram no Brasil de hoje, mais precisamente o Rio de Janeiro.

No último domingo, um músico e segurança, Evaldo dos Santos Rosa, foi vítima de um massacre provocado por militares do Exército, em Guadalupe.

Eles alvejaram o carro com mais de 80 tiros. O sogro do músico saiu ferido. No carro, além dos dois, estavam o filho de Evaldo, a esposa dele, Luciana, e uma outra mulher.

Um pedestre que tentou dar socorro às vítimas também ficou ferido.

Luciana pediu socorro aos militares, que reagiram com deboche. Eles achavam que haviam matado um "bandido", mas Evaldo, muito querido na sua comunidade, não tinha antecedentes criminais.

Era um inocente que se somou às estatísticas de centenas de inocentes mortos pela violência carioca.

O incidente ocorreu no mesmo dia que três truculentos homens, num protesto pró-Lava Jato, agrediram uma mulher que atravessava o local e gritou "Lula Livre".

Sob a desculpa de que evitavam que a mulher fosse agredir usan…

O RIO DE JANEIRO SE PERDE AO QUERER SOMENTE O "BÁSICO"

Sabemos que é desagradável escrever isso para cariocas e fluminenses, mas em parte eles consentiram com a decadência que o Rio de Janeiro está vivendo nos últimos anos.

Os desastres que acontecem envolvem quase sempre aquela visão pragmática do "não é aquela maravilha, mas até que está bom demais".

Isso inclui até mesmo a adoção de milicianos como "segurança comunitária" e do Exército como arremedo de segurança policial.

Isso influiu nas duas das três tragédias ocorridas na semana que se encerra.

Um músico e segurança, Evaldo Rosa, foi assassinado por militares do Exército no Guadalupe, dentro de um carro que tinha ele e outras pessoas, gente realmente do bem, que ia a um chá-de-bebê de pessoas amigas.

Ontem foi o desabamento de dois prédios na Comunidade da Muzema, em Itanhangá, vizinho ao bairro de Rio das Pedras.

Esse entorno é dominado por milicianos que teriam ordenado a construção, de forma irregular, desses prédios, através de uma imobiliária clandestina qu…

O ULTRACOMERCIALISMO QUE AS GERAÇÕES MAIS RECENTES IGNORAM

MC KEVINHO NA APRESENTAÇÃO DO LOLLAPALOOZA CHILE.

As gerações mais recentes, geralmente de até 40, 41 anos, não sabe a diferença do que é comercial e do que não é.

Os chamados millenials, sobretudo, são hipermidiatizados e hipermercantilizados, ou seja, têm uma formação cultural fundamentada no poder midiático e mercadológico que consomem.

São tão mercantilizados e midiatizados que acham tudo natural como se fosse o ar que respiram.

Uns se sentem ofendidos quando se fala, por exemplo, que a gíria "balada" é um jargão da mídia venal (mais especificamente da "franquia" Luciano Huck-Rede Globo-Jovem Pan).

Acham que tudo o que eles consomem é "natural" e até os chicletes de bola nascem em árvore.

Não conseguem perceber que as músicas que ouvem são predominantemente comerciais.

Numa época de saudosismo artificial dos anos 90, em que breguices como É O Tchan, Grupo Molejo e Chitãozinho & Xororó gravando "Evidências" são tidos como cult, fica compl…