Pular para o conteúdo principal

INTELECTUAIS "BACANAS", TOMA QUE A PEC DO TETO É SUA!!


Tanto burburinho contra o tal do "preconceito ao popular demais" que a intelectualidade que apostava num Brasil mais brega ajudou a chegarmos a esse governo temeroso de hoje.

Intelectuais surgidos dos porões do PSDB acadêmico e jornalístico e que passaram toda a Era PT tentando um falso vínculo com as esquerdas, hoje sumiram de cena.

Devem voltar como neocons histéricos, fazendo o papel de "esquerdistas arrependidos".

O que se sabe é que esses intelectuais da bregalização, que tanto choraram pelo "combate ao preconceito" que só serviu para transformar a degradação cultural num negócio rentável, causaram os estragos que geraram o contexto retrógrado de hoje.

Eles faziam apologia a valores retrógrados às classes populares, diante de um "ufanismo das favelas" que lembrava os tempos da Era Médici.

Vendiam como "progressista" um processo de degradação e desmonte do antigo patrimônio cultural das classes pobres.

Fizeram com que antigos quilombos fossem privatizados para virar senzalas controladas pela casa grande alinhada com a Casa Branca.

O processo de degradação era defendido abertamente, mas sempre como um suposto contraponto à "tirania elitista", equivocadamente associada à aliança CPC/Bossa Nova da MPB de Chico Buarque.

A degradação consistia em dar uma imagem positiva ao que havia de mais negativo nas classes pobres.

Havia a apologia à prostituição, para aprisionar certas moças pobres num subemprego, visando atender ao recreio de homens diversos, inclusive machistas violentos.

Falava-se que a prostituição era a "afirmação" da feminilidade das mulheres pobres brasileiras.

Havia a apologia ao mercado informal na sua pior maneira, no comércio de produtos clandestinos ou falsificados, do comércio dos camelôs sujeitos à repressão de fiscais ou policiais.

Falava-se que esse comércio era o "mercado independente" que sustentava pobres trabalhadores.

Havia a apologia à ignorância popular, que fazia os pobres, manipulados pela mídia e pelo mercado, a desempenhar um papel de ridículo enquanto a miséria lhes fazia perder até os dentes.

Falava-se que essa ignorância era sinal de "pureza e felicidade" das classes populares.

Havia a apologia de resíduos de valores retrógrados, como o machismo, o racismo e o arrivismo elitista, observados em manifestações de intérpretes musicais ou musas "populares".

Falava-se que eram valores que o povo pobre usava como "autoesculhambação" ou "ironia".

Havia a defesa da americanização da "cultura popular", assim como a inserção, no imaginário das classes populares, em sempre desejar e assimilar o que não é seu, mesmo quando se trata de um dado novo ou inusitado.

Falava-se que essa americanização, aliada a um provincianismo das classes pobres, era uma forma "intuitiva" de "reinventar" a "cultura das periferias".

Enquanto isso, criavam uma fantasia que um simples programa trainée poderia transformar um ídolo brega-popularesco num "figurão do primeiro time da MPB".

Tudo com banho de loja, tecnologia, uma estrutura administrativa, com assessoria e tudo.

Só que sabemos ninguém vira gênio musical com trainée e montes de dinheiro nas mãos.

A geração neo-brega dos anos 1990 tentou ser "emepebizada" e foi um grande desastre. Pareciam mais calouros de reality shows musicais.

Das musas siliconadas, então, transformá-las em ícones de beleza as entregou em padrões estéticos mais rígidos do que as que beneficiam socialites, supermodelos e atrizes.

A intelectualidade "bacana" falava mal dos padrões estéticos impostos às mulheres pelas revistas femininas das editoras Globo e Abril e pelas campanhas de publicidade.

Mas não enxergava que, no "popular demais", se via tanto uso de botox, silicone e maquiagem nas musas que representavam o "imaginário sexual das periferias".

O que era, nas mulheres de classe média, a "coisificação" da imagem feminina, nas mulheres pobres era visto como "liberdade do corpo" e "direito à sensualidade".

Durante muito tempo prevaleceu essa visão que, no exterior, teria constrangido gente renomada como Guy Debord, Umberto Eco e Noam Chomsky.

Mas que era servido nos meios acadêmicos como "verdade absoluta" e empurrado para as esquerdas nas publicações da mídia alternativa.

Os intelectuais orgânicos do academicismo tucano dos anos 90 estavam aos pés do Centro Barão de Itararé impondo, "sem preconceitos", os preconceitos culturais da Folha de São Paulo e da Rede Globo.

Chegaram mesmo a se acharem os "reis da cocada preta" do esquerdismo intelectual, mediando debates sobre manipulação da mídia venal e tudo o mais.

Faziam seu teatro do "bom esquerdismo" para impor a degradação cultural.

Uma degradação que contribuiu para a despolitização das classes populares que, depois, eram entregues pela manipulação midiática em meio ao duelo de influências entre o crime organizado (tráfico e milícias) e as seitas evangélicas pentecostais.

Os intelectuais "bacanas" que emporcalharam as páginas da mídia de esquerda tiraram o povo pobre do debate político, cada vez mais isolado.

Com isso, desmobilizou o povo e abriu o caminho para a mobilização reacionária das elites.

Enquanto intelectuais "bacanas" tentavam convencer as esquerdas que um Brasil brega é "o máximo", abriram caminho para reaças virarem "justiceiros culturais".

Reaças que nunca gostaram de povo de repente falavam mal da imbecilização cultural do "popular demais" no brega-popularesco.

Criou-se um engodo à esquerda e à direita, que a gente até imagina se farofafeiros ou urubólogos seriam, na verdade, os luzias e saquaremas da intelectualidade cultural, não haveriam combinado um "diálogo" ideológico.

Defendendo a bregalização, afastava-se o povo dos debates públicos, confinando-o no entretenimento da imbecilização cultural.

Isolando os debates públicos, se enfraquecia as esquerdas.

Enfraquecidas, elas poderiam ser abatidas pela reação direitista e pelos "revoltados" nas ruas.

Resultado: a intelectualidade "bacana" queria um Brasil brega, mas desejou, no fundo, a plutocracia de volta ao poder.

Ela se infiltrou nas esquerdas com uma falsa solidariedade e até pegando carona em movimentos como a causa LGBT.

Queriam a "reforma agrária na MPB" com bregas de toda espécie. Mas era uma reforma udenista que favorecia os empresários do entretenimento "popular" e os barões da mídia.

Agora temos o governo de Michel Temer e a PEC 241 (PEC 55 no Senado) que vai realizar cortes drásticos para a Cultura.

O jeito agora é a intelectualidade que quis um Brasil brega assumir que gosta da PEC do Teto.

Porque o brega que eles acreditam já é resultante de outros cortes sociais profundos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COMO SOBREVIVER NO BRASIL GOVERNADO POR JAIR BOLSONARO?

Está bem, Michel Temer completou o mandato, rindo do "Fora Temer" que não conseguiu tirá-lo do poder, e Jair Bolsonaro tornou-se presidente da República.

Agora, temos que encarar a situação com cabeça fria. Foi perdendo a cabeça que a oposição fez com que a ditadura militar decretasse o AI-5, há 50 anos.

Bolsonaro pretende eliminar o que ele entende como "doutrinação ideológica" nas escolas, que devem retomar as antigas relações hierárquicas entre professor e aluno.

Ele divulgou o novo salário mínimo, abaixo da expectativa. Em vez de R$ 1.006, R$ 998.

Na véspera da posse, ele anunciou ainda que vai decretar leis facilitando o porte de arma do cidadão comum "sem antecedentes criminais".

Isso causará uma espécie de holocausto a varejo. O Partido dos Trabalhadores já encomendou estudos para comprovar o desastre da medida e impedir sua regulamentação (ou desregulamentação, melhor dizendo, porque será o caos).

Jair Bolsonaro ainda falou da "libertação&qu…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

O INCÊNDIO DA CATEDRAL DE NOTRE DAME E O DESCASO CULTURAL DA RETOMADA CONSERVADORA

No contexto da retomada ultraconservadora vigente desde 2016, é irônico que patrimônios históricos e culturais sejam perdidos ou ameaçados.

Lembra o apetite dos medievais em destruir o legado da Antiguidade clássica, não bastasse as batalhas e guerras que já destruíram muita coisa desse período.

Ou, no microcosmo do macrocosmo, os incêndios que fizeram perder muitos acervos de televisão durante a ditadura militar.

O incêndio da Catedral de Notre Dame, em Paris, é comparável ao do Museu Nacional no Rio de Janeiro.

É irônico, também, que, se o Rio de Janeiro se modernizou para se tornar a Paris dos trópicos, a Paris dos últimos tempos decai como se fosse o Rio de Janeiro do Velho Mundo.

O incêndio da catedral de Notre Dame, pelo menos, foi causado, provavelmente, por um acidente num trabalho de reforma do edifício, e seu acervo já havia sido deslocado para um salão em um outro prédio.

Não foi o caso do Museu Nacional, cujo fogo - causado pelo mesmo motivo do trágico incêndio no centro …

ASSUSTADO, MICHEL TEMER LIGA PARA FAUSTÃO PARA DAR EXPLICAÇÕES

FAUSTO SILVA LEMBROU DOS TEMPOS EM QUE ENTREVISTOU MICHEL TEMER NOS ANOS 80.

O comentário de Fausto Silva, no Domingão do Faustão da Rede Globo, contra o governo Michel Temer, foi sem dúvida alguma tendencioso.

Foi muito longe de ser um progressista.

Não dava para o intelectual "bacana", que sonha com o folclore brasileiro de amanhã montado com as breguices que rolam nos palcos do Domingão, "guevarizar" o comentário do apresentador dominical.

Farofafeiros "guevarizaram" a novela Os Dez Mandamentos, da Rede Record, só porque tiraram a Rede Globo da liderança da audiência.

Deram um tiro no pé.

Os donos da Rede Record fazem parte da "bancada da Bíblia" que ultimamente está relacionada à derrubada do governo Dilma Rousseff e ao estabelecimento de agendas retrógradas para o país no Congresso Nacional.

Uma dessas agendas é a ultradecadente Escola Sem Partido, que proibirá tanto o debate da realidade quanto a interferência em mitos religiosos.

Os farof…

BOLSONARISTA ARREPENDIDO, JOSÉ PADILHA SE DECEPCIONOU COM SÉRGIO MORO

Reviravolta no cenário de respaldo ao governo Jair Bolsonaro.

Antes bolsonarista, José Padilha afirmou sua decepção com o juiz Sérgio Moro, a cada vez mais distante da "heroica" figura que simbolizou artificialmente em 2016.

O cineasta de Tropa de Elite 1 e 2, que chegou a fazer uma série inspirada na Operação Lava Jato, havia chamado o ex-juiz e ministro da Justiça de Jair Bolsonaro de "samurai ronin".

A alegação era de que Moro agia com "independência política", mas Padilha se esqueceu que "ronin" era um tipo de mercenário.

Ontem Padilha escreveu um artigo na Folha de São Paulo dizendo que Moro perdeu sua "independência" e agora trabalha para a família Bolsonaro, que, sabemos, está envolvida com milicianos.

Padilha criticou o "pacote anti-crime" do ministro da Justiça, por ele favorecer o abuso policial e, sobretudo, a ação das milícias.

As milícias são grupos que envolvem policiais civis e militares corruptos que, paralel…

O PESADELO CARIOCA RESULTANTE DO PRAGMATISMO E DA ACOMODAÇÃO

Várias coisas sombrias ocorreram no Brasil de hoje, mais precisamente o Rio de Janeiro.

No último domingo, um músico e segurança, Evaldo dos Santos Rosa, foi vítima de um massacre provocado por militares do Exército, em Guadalupe.

Eles alvejaram o carro com mais de 80 tiros. O sogro do músico saiu ferido. No carro, além dos dois, estavam o filho de Evaldo, a esposa dele, Luciana, e uma outra mulher.

Um pedestre que tentou dar socorro às vítimas também ficou ferido.

Luciana pediu socorro aos militares, que reagiram com deboche. Eles achavam que haviam matado um "bandido", mas Evaldo, muito querido na sua comunidade, não tinha antecedentes criminais.

Era um inocente que se somou às estatísticas de centenas de inocentes mortos pela violência carioca.

O incidente ocorreu no mesmo dia que três truculentos homens, num protesto pró-Lava Jato, agrediram uma mulher que atravessava o local e gritou "Lula Livre".

Sob a desculpa de que evitavam que a mulher fosse agredir usan…

O RIO DE JANEIRO SE PERDE AO QUERER SOMENTE O "BÁSICO"

Sabemos que é desagradável escrever isso para cariocas e fluminenses, mas em parte eles consentiram com a decadência que o Rio de Janeiro está vivendo nos últimos anos.

Os desastres que acontecem envolvem quase sempre aquela visão pragmática do "não é aquela maravilha, mas até que está bom demais".

Isso inclui até mesmo a adoção de milicianos como "segurança comunitária" e do Exército como arremedo de segurança policial.

Isso influiu nas duas das três tragédias ocorridas na semana que se encerra.

Um músico e segurança, Evaldo Rosa, foi assassinado por militares do Exército no Guadalupe, dentro de um carro que tinha ele e outras pessoas, gente realmente do bem, que ia a um chá-de-bebê de pessoas amigas.

Ontem foi o desabamento de dois prédios na Comunidade da Muzema, em Itanhangá, vizinho ao bairro de Rio das Pedras.

Esse entorno é dominado por milicianos que teriam ordenado a construção, de forma irregular, desses prédios, através de uma imobiliária clandestina qu…

O ULTRACOMERCIALISMO QUE AS GERAÇÕES MAIS RECENTES IGNORAM

MC KEVINHO NA APRESENTAÇÃO DO LOLLAPALOOZA CHILE.

As gerações mais recentes, geralmente de até 40, 41 anos, não sabe a diferença do que é comercial e do que não é.

Os chamados millenials, sobretudo, são hipermidiatizados e hipermercantilizados, ou seja, têm uma formação cultural fundamentada no poder midiático e mercadológico que consomem.

São tão mercantilizados e midiatizados que acham tudo natural como se fosse o ar que respiram.

Uns se sentem ofendidos quando se fala, por exemplo, que a gíria "balada" é um jargão da mídia venal (mais especificamente da "franquia" Luciano Huck-Rede Globo-Jovem Pan).

Acham que tudo o que eles consomem é "natural" e até os chicletes de bola nascem em árvore.

Não conseguem perceber que as músicas que ouvem são predominantemente comerciais.

Numa época de saudosismo artificial dos anos 90, em que breguices como É O Tchan, Grupo Molejo e Chitãozinho & Xororó gravando "Evidências" são tidos como cult, fica compl…