Pular para o conteúdo principal

COMENTÁRIO DE SHAILENE WOODLEY DIZ MUITO SOBRE A ESCOLA SEM PARTIDO


Shailene Woodley é bem mais do que a belíssima estrela de filmes como A Culpa é das Estrelas e da saga Divergente.

Aos 25 anos completos há dez dias, ela é uma dedicada ativista política.

Diante da farra consumista do Dia de Ação de Graças, feriado bastante festejado nos EUA, ela demonstrou seu ceticismo.

"Hoje é o dia que muitos chamam de Ação de Graças, e um dia em que crianças no ensino fundamental aprendem falsas narrativas sobre nossos irmãos e irmãs nativos", disse ela, em entrevista ao canal de web television The Young Turks (TYT Network).

A entrevista foi publicada no canal da atriz no Facebook. Ela ainda acrescentou:

"Desde o tempo em que éramos crianças, nós recortamos fotos de peregrinos com festas e perus em nossas carteiras escolares, e no entanto nenhuma das crianças sabe a verdade sobre o que aconteceu não só com os nativos dos EUA quando os exploradores do Oeste decidiram colonizar o país, mas com o que ainda está acontecendo com os povos nativos".

Mesmo no contexto estadunidense, podemos nós, brasileiros, refletir sobre o que Shai está dizendo, e é muito grave.

É o que poderemos ter com a Escola Sem Partido, que já afirmou que não vai mais falar da luta dos povos negros e índios pela sua autoafirmação sócio-cultural e histórica.

A Escola Sem Partido só mostrará a "história" do Brasil sob o ponto de vista dos vencedores.

Para essa proposta "necessária para o país", danem-se os índios que ocupavam o solo brasileiro séculos antes do "descobrimento", e danem-se os negros que chegaram aqui de maneira trágica, humilhante e deprimente.

Shailene empresta sua visibilidade para chamar a atenção dos problemas que afetam a sociedade.

Se ela fosse brasileira, imaginamos o que ela poderia influenciar na nossa juventude quanto ao repúdio enérgico que sentiria à PEC do Teto, outra tragédia a caminho no nosso país.

Junta-se a Escola Sem Partido e sua doutrinação (sim, a Escola Sem Partido é doutrinação pura, sobretudo de fantasias religiosas sem pé nem cabeça) com o corte de gastos públicos, e teremos gerações atrofiadas a colocar a fantasia das elites acima da realidade do povo.

E teremos gente atrofiada comemorando festas com muito consumismo e nenhuma consciência social.

Serão só um bando de consumidores correndo para as lojas impulsionados por estórias lindas de "fé e esperança", ignorando o lado dos sofredores que lutaram por uma sociedade mais justa e igualitária.

Daí que o comentário de Shailene Woodley acaba dizendo muito não só sobre os problemas dos EUA a serem governados pelo retrógrado Donald Trump, como sobre os problemas que teremos em frente, principalmente na Educação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…