SENADORA DENUNCIA "SOLUÇÃO" DITATORIAL PARA OCUPAÇÕES ESTUDANTIS NAS ESCOLAS


A senadora Fátima Bezerra (PT-RN), entrou com uma representação contra o juiz Alex Costa de Oliveira, da da Vara da Infância e Juventude do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT),

O juiz autorizou o uso de medidas de pressão psicológica violenta para forçar a saída de estudantes de Brasília e cidades-satélites que ocupavam escolas públicas.

São medidas típicas para uso em sequestros prolongados, como cortes de fornecimento de eletricidade, gás e água, e a utilização de força policial para retirar os estudantes das escolas ocupadas.

A lógica remete à ditadura militar, e a atitude de Alex Costa dificilmente escapa de comparações com o Ato Institucional Número Cinco, o AI-5, de triste lembrança.

Hoje os defensores de medidas repressivas tentam escapar de comparações com a ditadura, dizendo que "são a favor das manifestações, mas não dos abusos".

E o Ministério da Educação, que já propôs uma "caça às bruxas" aos estudantes envolvidos nas ocupações em todo o país, ainda faz uma campanha publicitária "convidando" os internautas a darem "sugestões" para a reforma do ensino médio.

É aquela coisa: você pode até dar sugestões avançadas, mas não há garantia que elas sejam acatadas.

A visão do MEC é puramente tecnocrática.

Mas os tecnocratas sempre acham que a tecnocracia é "humanista".

Só que o ministro José Mendonça Filho, como todo o governo Michel Temer, não fala a língua da juventude.

A representação a ser encaminhada ao Conselho Nacional de Justiça considera a atitude do juiz como uma forma de criminalizar os protestos estudantis.

Quanto ao governo Temer, ele faz de conta que está aberto às sugestões da população, mas pretende impor apenas o ponto de vista da plutocracia que o cerca.

Com a PEC 241, a Educação será seriamente prejudicada, por mais que seus defensores argumentem o contrário.

Aliás, a PEC 241 virou PEC 55 na atual tramitação no Senado.

Se aprovada, será um desastre maior para o ensino, que terá que recorrer à iniciativa privada para completar as magras verbas públicas que podem vigorar nos próximos 20 anos.

E a iniciativa privada apenas vê dinheiro em sua frente, por mais que invista em projetos aparentemente humanitários.

Daí o justo protesto dos estudantes que com pouca idade e muita coragem decidiram ocupar as escolas em todo o Brasil.

Comentários